quarta-feira, dezembro 18, 2013

Epístola amorosa


        (Eva Christin Laszka - Fluid)

"Mas eu passei e vi-te. Só que o ver-te nem sempre descobre o mistério de ti, o leve milagre que me paralisa. E não me digas outra vez que a adolescência passou. Cresci tudo para lá dela mas tu não mudaste no eterno de ti. Ou mudaste na intensidade do que veio vindo contigo até esta hora final. Mas nem sempre te mereço, não será? para que apareças sempre no invisível que transborda do teu visível, o que sobra dele e ilumina o ar."

Vergílio Ferreira, in Cartas a Sandra

16 comentários:

  1. (Coincidência) Hoje fui à Biblioteca e trouxe comigo "Carta ao Futuro" de Vergílio Ferreira.
    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É difícil não coincidir em Vergílio Ferreira.

      Beijinhos Marianos, Rui! :)

      Eliminar
  2. Dele li !Aparição" e nunca o imaginei a escrever assim...

    Bons sonhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tenta ler este, São. Vais gostar!

      Beijinhos Marianos! :)

      Eliminar
  3. Respostas
    1. No sítio certo, da forma certa.

      Beijinhos Marianos, MA! :)

      Eliminar
  4. Pois, tivesse eu todo o tempo do mundo... há meses que não leio um livro...
    sei que é pecado.
    Na minha fé sei que é!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É um pecado temporário, tenho a certeza!

      Beijinhos Marianos, Rogério! :)

      Eliminar
  5. Um outro Vergílio Ferreira, belíssimo -- e desconhecido. Longe, tão longe, do registo cerebral, existencialista, que a ele associamos. O existencialismo é um humanismo, foi um livro de Sartre que prefaciou longamente. No caso dele, é mais que verdade.

    Bom dia, Maria :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cartas a Sandra merecia maior divulgação. Na obra de Vergílio Ferreira é um livro que se destaca exactamente pelo humanismo.

      Bijinhos Marianos, Xil! :)

      Eliminar
  6. Num estilo sóbrio embora angustiado, sem recorrer a frases ou expressões corriqueiras próprias de adolescentes nas suas mensagens de amor, Vergílio Ferreira explora a fundo a capacidade de amar do ser humano levada ao extremo, traduzida num viver perto da loucura, num desespero sereno de evocações comoventes enfatizadas numa dignidade de pensamentos filosóficos que transcendem em todo o seu esplendor metafísico a figura do amor elevado ao purismo do sentimento e à degradação da sua carne, numa fuga rumo à eternidade que é o expoente de todo o amor :))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um AMOR total!

      Beijinhos Marianos, Legionário! :)

      Eliminar
  7. A catarse de um amor inesgotável e ... indescritível.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Para além da morte...

      Beijinhos Marianos, JM! :)

      Eliminar
  8. hum...entrei aqui, naveguei literalmente e chego a esta data que me é cara e eis que está citado o meu escritor favorito.
    O último livro que de Vergílio Ferreira que acresecentei à minha biblioteca do autor foi-me oferecido por uma senhora minha amiga e tem por isso um valor especial.
    Sandra é uma figura que existiu mesmo na vida do escritor e convém não esquecer que "Cartas a Sandra", é uma espécie de extensão de "Para Sempre".


    Xilre, Vergílio Ferreira prefaciou mas também traduziu essa obra de Sartre para a língua Portuguesa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ainda bem que gostaste, Duckman!

      Beijinhos Marianos e obrigada pela presença! :)

      Eliminar