quarta-feira, maio 05, 2021

Retorno

 


Ondina vivera já muitos anos. Passava dos noventa, agora. Tinha sido jovem aprendiz de costura na mestra da aldeia, cortando, cosendo e bordando o enxoval. Ainda nos verdes vinte, João, rapaz garboso e bom de palavra, tratou de conquistá-la e levá-la ao altar.  Logo se afadigou na lide da casa, em dar à luz duas filhas (que difíceis foram os partos, naquela casa apertada) e em educá-las nos preceitos antigos.

A vida correra sem grandes sobressaltos, mas também sem a alegria que imaginara enquanto bordava os lençóis de linho. João trabalhava de manhã à noite e, ainda que o garbo estivesse lá, as palavras foram morrendo aos poucos.

Recordava-o num misto de ternura e de raiva. Amara-o, é certo, mas mantivera escondida a revolta de se ter diminuído mais de sessenta anos, de nunca ter tido a coragem de ripostar quando lhe pedia palavras ternas e ele se ria dela.

Agora, no caminho da cama para a cadeira de rodas, deixava-se levar, enquanto jurava que, doravante, teria 20 anos e regressaria à costura.


 
              (Ólafur Arnalds - So Far)

14 comentários:

  1. Tantas Ondina que ainda existem e sobrevivem diminuídas.
    Bjs

    ResponderEliminar
  2. Eu que há mais do que décadas aqui não vinha!? Quem perdeu fui eu. Vou recuar, recuperar, respirar este ar.Em grande forma estás, tu, que engendras histórias com um perfume especial, a chamar um tempo já passado, ou talvez não, pois o fadário repete-se.
    Presumo, o João blábláblá, enquanto havia espaço, depois a casa foi-se apoucando tal como a conversa, ou seja, para quê se as botas se desgastaram num ai, o livro folheado tantas vezes, numa rotina que lhe foi desvanecendo as letras, até a capa já em fanicos... E o berreiro das garotas desconcentraram-no das obrigações conjugais. Ela? Tarde piou, ainda assim vingou-se uma vez que o emalou em devido tempo. Agora bordados, chapéu!
    Beijo, Amiga ME.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os teus comentários são verdadeiros posts! E muito bonitos!
      Obrigada, Agostinho!

      Beijinho

      Eliminar
  3. Que história sensível, contada com tanta delicadeza. Uma história que se repete com tantas mulheres que gastam os sonhos nos ardis da entrega...
    Uma boa semana com muita saúde.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Entregas pouco apreciadas, tantas vezes!

      Beijinho e obrigada, Graça.

      Eliminar
  4. não é retorno, nem repetição
    cada dia é um dia que se faz, só a ideia de glória ou de culpa, nossa ou dos outros o podem diminuir

    ResponderEliminar
  5. Quantas Ondinas perdidas de si e dis outros existem...
    Bjinho

    ResponderEliminar
  6. Muitas se escondem por trás de sorrisos forjados.

    Beijinho, GM.

    ResponderEliminar
  7. Maria, faço minhas estas tuas palavras:
    "Muitas se escondem por trás de sorrisos forjados."

    Bom fim de semana:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Imagino que sim, que sejam muitas.

      Beijinho, Legionário, e feliz Junho. :)

      Eliminar