terça-feira, fevereiro 02, 2016

Viver

(daqui)

Clara vivia apressadamente. Sobravam-lhe os dias no internato para se calar, para chorar, para sonhar com ursos ferozes enjaulados por meninas de bata branca, soquetes e sapatos de verniz preto. Agora era tempo de usar calças à boca de sino, com 25 centímetros no fundo e a estourar as costuras de justas no rabo, ou saias  às pregas absurdamente curtas. Tempo de pôr flores e lenços coloridos na cabeça, fazer tranças com fitas, usar socas com plataforma de altura vertiginosa, fumar cigarros roubados à irmã mais velha, desenhar longos risco de eyeliner negro e fazer olhinhos descarados aos rapazes do liceu. Era tempo de ser Clara.
E o Latim? Ah, o Latim podia esperar!


27 comentários:

  1. Quando dançava isto
    também vivia assim
    sorte a minha
    que não me era imposto o Latim

    ResponderEliminar
  2. Há um tempo para tudo.
    Até para ser wild at heart.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Dá uma saudade de poder sê-lo, não dá?

      Beijinhos, Pedro :)

      Eliminar
  3. A menina cresceu e rebelou-se.
    Apesar de haver um tempo para tudo, o Hotel California dos Eagles é intemporal. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Havia de crescer mais e deixar-se de rebeldias. :)

      Beijos, Isabel :)

      Eliminar
  4. O Latim podia sempre esperar. A mim, era mais o Alemão...
    Um beijo,
    Mia

    ResponderEliminar
  5. Quando chega a hora, é vivê-la. Ha voisas que podem esperar :))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma etapa de cada vez, na sua vez.

      Beijos, GM :)

      Eliminar
  6. Leva-se muito tempo para descobrir que o real sentido de estar vivo é "viver feliz", flower power forever!:)))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não pode ser forever, infelizmente...

      Beijinhos, Legionário :)

      Eliminar
  7. Há um tempo para tudo! A menina cresceu!

    A escolha da musica foi fabulosa.

    Um beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E cresceu mais, certamente, deixando algumas coisas para trás. Pelo menos viveu-as.

      Beijos, Cristina :)

      Eliminar
  8. A Clara estava a crescer. A descobrir outros mundos, distantes do Latim :)

    Beijoquinha Tutu

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma miúda atrevidota, esta Clara! :P

      Beijos, Snowy :)

      Eliminar
  9. Maria, sabes do que me fui lembrar enquanto estava a ler o teu post? do post do Outro Ente, aquele do "fadista". Lembrei-me que, talvez o "fadista" tivesse conhecido a Clara na altura em que a Clara só queria saber de se alindar deixando o Latim para segundo plano, vai daí chegou àquela conclusão precipitada ;)

    Boa noite, Maria. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Talvez. Mas a Clara era só uma adolescente a aprender a viver. :)

      Beijos, Cláudia :)

      Eliminar
  10. Queria entrar e estar a viver nesse tempo :)
    e gostei muito deste texto
    um beijinho
    Gábi

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Voltar atrás...
      Muito obrigada, Gábi!

      Beijos :)

      Eliminar
  11. o que faz falta é viver... e o latim já está morto, enterrado :)
    beijos Tutu

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Latim está na nossa língua, transformado. :)

      Beijocas, Stormy boy :)

      Eliminar
  12. Eu abandonei a História, como se dizia no meu tempo «passei cortada a História», mas foi muito bom fui viver a minha histórinha :)))
    bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A História é feita das nossas histórias!

      Beijos, papoila :)

      Eliminar
  13. Se era tempo de ser Clara, só podia ser tempo de viver. Com todos os riscos inerentes.
    ( acho que embalada pelo texto também vou ali arriscar algo... )

    Bom dia, Maria. :)
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  14. Era tempo de ser Clara-mulher.

    E não faltaria quem estivesse disposto a "gastar o seu latim" por ela ;)

    Bjs

    ResponderEliminar