quarta-feira, fevereiro 03, 2016

Terna é a noite

(Marc Chagall)


Escorre, a ternura
Ondulante e redonda
Os dedos, terra
Os olhos, ar
Os corpos, fogo


Leito, o meu corpo

Lençol, o teu.




40 comentários:

  1. E neste poema até há uma "redonda"
    (um dia gostava de ser capaz de criar textos assim, também gostei muito)
    um beijinho

    ResponderEliminar
  2. Muito ternas e aveludadas estas palavras :)

    Beijinho, Maria

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Beijos, Miss Smile, e uma noite de veludo. :)

      Eliminar
  3. Rogerio G. V. Pereira4 de fevereiro de 2016 às 00:26

    Tua ternura
    poeta
    é água?
    Então temos os quatro elementos
    exactamente os necessários
    para essa cama

    ao som
    dos Moody Blues

    (Marc Chagall é meu irmão!)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A ternura escorre como água, sim.

      Beijinhos, Rogério. :)

      Eliminar
  4. O amor no esplendor dos quatro elementos :)
    Belíssimo Maria.
    Beijo

    ResponderEliminar
  5. portanto, nã tenho hipóteses... :D
    beijo Tutu, na face, nã vá o teu lençol ter ciúmes!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eheheheheh.

      Outro para ti, Trovisco, repenicado. :)

      Eliminar
  6. Nossa maior grandeza está na suavidade e ternura de nosso coração...e em muitas suaves noites!

    A Maria, em poucas palavras disse muito!:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não há nada mais doce que a ternura.

      Beijinhos, Legionário :)

      Eliminar

  7. Marc Chagall não é "meu irmão"... mas TU és minha irmã!

    Beijos no teu coração transbordante

    ResponderEliminar
  8. E que doce seja o dia perpetuando o amor.

    Beijos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que os dias possam ser todos doces, Urso Misha!

      Beijinhos :)

      Eliminar
  9. Arrasador, Maryou :)
    Desde o título, tão bem pedido emprestado, às palavras, tão bem alinhadas, à música, tão bem rematadora.
    Muito bom.
    Beijos

    ResponderEliminar
  10. Lindíssimo, Maria!
    Que brisa sopra
    - caramba! -
    quando abres a
    janela e bordas
    o lençol, a
    cada dia,
    a ponto de poesia.
    Por isso me deito
    aqui. Neste leito.

    (Obrigado pelo teu cuidado. Digamos que tive um encontro com uma senhora e, agora, nem deitado estou bem: ciatalgia. Conheces? Não queiras.A disposição está como o rating luso.)
    Bj.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A poesia tem a nossa alma dentro, não tem, Agostinho?

      (Que essa dor danada se vá!)

      Beijos :)

      Eliminar
  11. Respostas
    1. É tão bom, ler poesia. :)

      Beijos, papoila :)

      Eliminar
  12. Quadro maravilhoso de Chagall; Boa Poesia; O Grupo é um dos meus preferidos !

    ResponderEliminar
  13. So tender! E lindo esse quadro do Chagall!!
    bjs

    ResponderEliminar
  14. Lindo! Há fogo no teu coração também... E que saudades dos Moody Blues! Beijos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tio!!!!
      Acho que há fogo em qualquer coração que ame. Obrigada!

      Beijinhos. Bom "ver-te"! :)

      Eliminar