quinta-feira, fevereiro 25, 2016

Passeio de Domingo

(Bessie MacNicol - mãe e filha)

Habituara-se a que lhe segurasse a mão aos Domingos de manhã, enquanto andavam pela rua, depois de lhe ter ajeitado o laço no cabelo e endireitado as pregas da saia (sempre em desarranjo, as malditas, de se sentar no muro a ler "Os cinco" ou na conversa com a Joaninha). Já muitas meninas lhe diziam que não, não devia andar assim, de mãos dadas. Afinal, tinha doze anos! Coisa mais imprópria para uma pré-adolescente espigada que até já usava soutien!
Ela ria-se e nada a convencia que, ao menos ao Domingo, a sua mão não andasse enlaçada pela de sua mãe.


43 comentários:

  1. Há sempre ciumentos das mãos dadas aos outros.

    ResponderEliminar
  2. Uma ternura de texto Maria.
    Quem dera ainda hoje puder andar enlaçada pela mão de minha mãe.
    Um beijinho e obrigado pelo belo momento.:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mãe. Dás agora, a tua mão.

      Obrigada, Helena, e um beijo :)

      Eliminar
  3. Eu ainda hoje ando de mão dada ao meu pai. A minha mãe já nunca foi mulher de manifestar muito os afectos comigo.compatibilidades de personalides :)
    Gosto de ler estes testemunhos de gestis simples e genuínos.
    Beijinho Maria.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Agora, são mais eles a andar de mão dada comigo.

      Beijos, Sandra, e obrigada :)

      Eliminar
  4. Incompatibilidade de personalidades, quis eu escrever :)

    ResponderEliminar
  5. ~~~
    Momentos muito especiais.
    ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

    Beijinhos, ME.
    ~~~~~~~~~~~

    ResponderEliminar
  6. É um risco que todos corremos: juízos e críticas, temos que passar à frente e não ligar. :)))
    Bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ah, mas as mãos continuaram enlaçadas, papoila!

      Beijos :)

      Eliminar
  7. Eu ando de braço dado com a minha mãe :) que voltem depressa os meus lanches com ela :)

    Beijos e beijos Tutu :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não tarda nada e voltam!

      Beijos, Snowy. Muitos. :)

      Eliminar
  8. Os meus filhos gostam de andar de mão dada comigo. Vou aproveitar enquanto dura :)
    Lindo texto Maria :)
    Beijos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Aproveita, sim! Eles vão recordar essas mãos dadas com muita ternura.
      Obrigada, I. Muito.

      Beijos :)

      Eliminar
  9. Respostas
    1. Mãe e filha, só pode dar ternura.

      Beijos, Isabel :)

      Eliminar
  10. Nunca é tarde para ver mãe e filha de mãos dadas.
    E que bonito quadro que é!
    Bfds

    ResponderEliminar
  11. Maria, as mãos de uma mãe são feitas de ternura!:))

    ResponderEliminar
  12. Olá Maria, ainda hoje adoro passear de mão dada com a minha filha :))

    Um beijo e bom fim de semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E ela também deve adorar dar-te a mão!

      Beijos, Cristina :)

      Eliminar
  13. mãe e filha devem sentir-se muito felizes por ser assim - de mão dada

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pelo menos, sorriem. :)

      Beijinhos, herético :)

      Eliminar
  14. Gente estranha, essa, que desde muito cedo pensa pela sua cabeça :)

    ResponderEliminar
  15. Um texto muito real e de acordo ! ... Costumo dizer que dos 12 aos 16 é a fase idade "estúpida" ! ... Aquela em que a/o adolescente se julga "gente grande" e se quer libertar à força dos laços maternos e paternos, perante os olhos dos colegas (para o que lhes interessa) !
    ... e cada vez mais, hoje em dia, se torna difícil aos pais contornar esta questão !
    A sonata e a pintura perfeitas !

    Beijinhos, Maria Eu ! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A adolescência tem a vantagem de não durar para sempre... :D
      Obrigada, Rui!

      Beijinhos :)

      Eliminar
  16. As tuas narrativas são delicadas. Maria,

    Eu li como vi
    teclas amarrotadas
    na tua saia-piano

    Tiravas-lhe notas como dizes
    com as costas da mão
    e soavam melodias
    Eram dias felizes!

    Entre bonecas e rapazes
    um tempo de hesitação
    mas sempre à espera
    da segurança daquela mão

    Há um tempo de querer
    e não querer
    de dizer sim a dizer não
    e de não a dizer sim
    Um tempo de afirmação


    Bj

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Agostinho! É um gosto ver-te versejar a partir dos meus posts!

      Beijinhos :)

      Eliminar
  17. Quem me dera, ainda hoje, ter cá a mão da minha mãe para passear com ela. :)

    ResponderEliminar
  18. porque será que deixamos de caminhar de mão dada com as mães?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nunca me perguntei isso, Manel! Realmente, porque será? Patetices da idade adulta, talvez!

      Beijocas, Stormy octopus :)

      Eliminar
  19. É uma forma linda
    de pensar nos dias de
    domingo: alegria e companheirismo...
    Bjins
    É lindo seu blog.
    CatiahoAlc.

    ResponderEliminar
  20. Olá, Maria.
    Que inveja que eu tenho dessa mãe. Minhas duas filhas pegaram um vírus na adolescência que as fez "desgostar" de andar de mão dada comigo. Foi assim, meio sem se saber como: um dia não quiseram mais, era como se desse choque :(
    Valeram-me as mãos das outras crianças =)
    bj amg

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Patetices de adolescentes. Certamente te amavam na mesma, Carmem!

      Beijos :)

      Eliminar