quarta-feira, fevereiro 17, 2016

Quando vieres

(Victor Nizovtsev )


Quando vieres

Quando vieres, não tragas mãos vazias
Enche-as das coisas mínimas da vida
Podem ser conchas, pássaros, maresias
A uma, outra e outra eu darei guarida

Quando vieres, senta-te ao meu lado
Conta-me dos barcos e das estrelas
Pode até ser  num tempo demorado
Assim como viagens em caravelas

Dir-me-ás do canto da sereia
E do brilho das escamas ao luar
Amando os marinheiros na areia


E se acaso o cansaço te vencer
Prometo tomar-te nos meus braços
Aconchegado até o sol nascer




36 comentários:

  1. Há caminhos que se percorrem de olhos fechados Maria :)
    beijos

    ResponderEliminar
  2. Maria, há pessoas que brilham, e o seu carinho é aconchego para o coração e se eternizam pela pureza de seus gestos. Delas vem o sorriso sincero, o abraço que cura e a certeza de nunca estarmos sós!;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Chama-se amor terno. :)

      Beijinhos, Legionário :)

      Eliminar
  3. Hoje não vou ler mais nada. Vou desligar o cabo e guardar as palavras deste fantástico poema comigo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Jorge, Jorge!! Não faças isso. Olha que a blogo está cheia de coisas bonitas!

      Beijinhos :)

      Eliminar
  4. Se soubesses o quanto este teu poema (lindo, lindo) me diz.
    Beijos, Maria Poesia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E que bom que é saber que as minhas palavras te tocam, Linda!

      Beijos :)

      Eliminar
  5. Lindo!
    É sempre uma delicia ler-te.
    Beijinho Maria.)

    ResponderEliminar
  6. Que lindo poema, Maria. :)

    Vais embala-lo como uma maré à luz do luar. :)

    Um beijo. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma noite de ternura.

      Beijos, Castiel, e obrigada :)

      Eliminar
  7. ~~~
    ~ Que maravilha de soneto, ME!

    Um belo cenário marinho e amor aromatizado com maresia...

    As almas portuguesas guardam horizontes e suspiros marinheiros...

    ~~~ Grande abraço. ~~~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Majo!
      O mar está-nos no sangue.

      Beijos :)

      Eliminar
  8. Que imagem bonita. As palavras então... que lindo Maria :)

    ResponderEliminar
  9. Vou guardar muito bem esta pérola.
    Que bem que me soube!
    Beijo, Maria.

    ResponderEliminar
  10. Se assim fosse
    desejaria
    que o sol tardasse
    ou mesmo
    nunca chegasse

    (muito belo, Maria)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estou certa de que qualquer amante deseja eternizar um abraço.

      Beijinhos, Rogério, e obrigada :)

      Eliminar
  11. Muito bonito.
    Uma linda promessa e declaração de amor.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O coração dita poemas.

      Beijinhos, Pedro, e obrigada :)

      Eliminar
  12. Tão bonito e sentido, querida Maria. O que importa é o aconchego dos braços, nos dias bons e nos dias menos bons, até o sol nascer.

    Um beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nada como o embalo num abraço.

      Beijos, Miss Smile, e obrigada :)

      Eliminar
  13. Um vaivém do mar com tesouros, como este teu poema.

    Beijos, Maria.:)

    ResponderEliminar
  14. Trago as minhas com boas novas: é sexta-feira, Maria ( e eu sei que me irás entender), vêm cheias de esperança de muito sol e fantasia.

    Beijinhos, Maria.

    ResponderEliminar
  15. Maria, de onde vens e
    a que praia aportaste
    com o teu barco de canela?
    Um poema pleno dourado
    no perfume de (a)mar..
    Gostei. Muito.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Enquanto houver sol, areia e mar, haverá leito para os amantes.

      Beijinhos, Agostinho, e muito obrigada :)

      Eliminar