terça-feira, fevereiro 16, 2016

Dos livros





Tecido



O texto tem sua face 

de avesso na superfície: 
é dia e noite, sintaxe 
do que se pensa, ou se disse. 

Tudo no texto é disfarce, 
ritual de voz e artifício, 
como se tudo falasse 
por si mesmo, na planície. 

Seja por dentro ou por fora, 
seja de lado ou durante, 
o texto é sempre demora: 

o descompasso da escrita 
e da leitura no grande 
intervalo dos sentidos. 



Gilberto Mendonça Teles, in 'Arte de Armar'






Respiras o texto que se demora na ponta dos dedos, página a página. E há sempre mais um, mais palavras, histórias, sonhos, amores e desamores.

20 comentários:

  1. Um dia decidi,
    depois de o já ter vivido
    escrever um livro

    Amanhã, se me lembrar
    vou lê-lo
    respira-lhe o texto demorando-o na ponta dos dedos, página a página.
    Será mais um

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um livro nosso é de acarinhar. Afinal, somos nós dentro dele.

      Beijinhos, Rogério :)

      Eliminar
  2. Uma bela forma de descrever o prazer da leitura.

    ResponderEliminar
  3. Respostas
    1. Ler palavras e "ler" fotografias. Principalmente quando são belas como as tuas!

      Beijos, Sónia :)

      Eliminar
  4. Ainda espreitei para ver se o Lilith estava ali no meio...

    LOOOOOOOOOOOOOOOOOL

    (just kidding)

    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não está nesta resma porque já tem lugar na prateleira dos lidos! :D

      Beijinhos, C. N. Gil :)

      Eliminar
  5. Há sempre mais um, e outro e outro... um sem fim de respirações.

    Um beijinho, Maria :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tu que o digas! :)

      Beijos, querida Miss Smile :)

      Eliminar
  6. belíssimo.
    tenho um monte assim na minha mesinha de cabeceira...
    beijinho Maria

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E vão uns para dar lugar a outros... :)

      Beijos, Laura, e obrigada :)

      Eliminar
  7. ... "amores e desamores"
    entendidos e desentendidos.
    Entendimentos e desentendimentos?
    Sim, o amor é volátil,
    mesmo na prosa
    mais-que-perfeita.
    Basta um piscar de olhos,
    subtil,
    uma estrídula ciumeira
    e a palavra amua.
    Desaparece da página
    com o fragor de uma vidraça.
    Quebrada.

    Bonito poema, Maria, com acompanhamentos gourmet.
    Bj.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Verdade. Basta aquela ciumeira para haver um fragor de vidraça partida...

      Beijinhos, Agostinho, e obrigada :)

      Eliminar
  8. Maria, o mundo está cheio de livros fantásticos que ninguém lê...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Imagina os milhões de livros!! É impossível lê-los todos!

      Beijinhos, Legionário :)

      Eliminar
  9. Falta um volume que seja de Vergílio Ferreira!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Claro que falta! Assim como inúmeros outros. Estão nas estantes dos que já li. :)

      Bom ver-te de novo por aqui :)

      Eliminar