sábado, julho 25, 2015

Sentir




Sentir. Sentir muito e mais, e ainda mais. À flor da pele. Ao esboço de um sorriso. Ao roçar leve dos dedos no contorno do rosto. Ao reflexo do sol no mar. À luz pálida e branca da lua.






Sentir primeiro, pensar depois
Perdoar primeiro, julgar depois

Amar primeiro, educar depois
Esquecer primeiro, aprender depois

Libertar primeiro, ensinar depois
Alimentar primeiro, cantar depois

Possuir primeiro, contemplar depois
Agir primeiro, julgar depois

Navegar primeiro, aportar depois
Viver primeiro, morrer depois

Mário Quintana

26 comentários:

  1. Desculpa lá, Tutu, mas uma coisa de cada vez não dá com nada. Ora pensa, por exemplo (bom, é melhor não pensares, ninguém pensar, aliás) na paixão :D

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querida fofa (eheheheh), a paixão é aquela coisa que nos turva o raciocínio e perturba os sentidos. Não conta neste campeonato da poesia direitinha. :P :P

      Beijocas, alexandra g. :)

      Eliminar
    2. Ah sim? Então escolhe: ou te amando ao rio ou amando o Quintana!

      Mais: !

      :PPPPPPPPPPPPPPPPPPPP

      Eliminar
    3. Amanda o Quintana que era bom homem mas um cadito nhónhónhó! :P

      Eliminar
  2. Sou mais desordenado que o Quintana
    e um nadita menos nhónhónhó

    entre o depois e o primeiro
    o frequente é ir tudo a eito

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não me pareces desordenado mas também não deves ser nada nhónhónhó. :P

      Beijinhos, Rogério. :)

      Eliminar
  3. Maria, por vezes vezes é "tremendo" porque a gente quer exprimir sentimentos em relação a pessoas e as palavras são gastas e poucas. E depois aquilo que a gente sente é tão mais forte que as palavras...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nada ordenado, portanto.

      Beijinhos, Legionário. :)

      Eliminar
  4. Sentir sim! Mas moderadamente, como já disse antes a sensibilidade é um fardo e um estorvo. O Quintana às vezes faz-me lembrar o Coelho. Não o Pedro mas o Paulo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mea culpa, sou demasiado sensível.
      De facto, Quintana tem algo de Coelho, do Paulo. ;)

      Beijinhos, Luís. :)

      Eliminar
  5. Em muitas situações e "departamentos" não há um antes e um depois, há simultaneidades.
    Beijo, Maria.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há uma grande misturada, diria! ;)

      Beijinhos, Isabel. :)

      Eliminar
  6. Que boas lembranças, ouvindo essa música! Mas nunca a tinha ouvido na voz da Nina Simone. Maravilha. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É linda, de facto, e a Nina canta-a de uma maneira muito original.

      Beijinhos, Luísa. :)

      Eliminar
  7. Tenho uma costela do Quintana, falo primeiro, penso depois :) Beijinho Maria

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas só uma costela que o homem já morreu. :P

      Beijinhos, GM. :)

      Eliminar
  8. O Quintana para dirimir pleitos
    fez o decálogo para os imperfeitos
    não para os deuses incapazes
    declarados às vezes contumazes

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um decálogo um pouco enganador. :)

      Beijinhos, Agostinho. :)

      Eliminar
  9. Subscrevo o comentário da Isabel. É difícil desenlear o novelo dessa forma...

    Um beijinho, Maria :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Demasiado previsível, não é? ;)

      Beijinhos, Miss Smile. :)

      Eliminar
  10. Respostas
    1. Haverá quem o não seja?

      Beijinhos, Carlos. :)

      Eliminar
  11. Gostei do quadro, das tuas palavras, do poema e da Nina Simone !

    ResponderEliminar
  12. Que saudades de vir aqui...e não, não fui de férias, apenas me ausentei por razões profissionais!
    :))

    ResponderEliminar