domingo, abril 20, 2014

Quando

(Oleg Zhivetin)

Quando tu vens ao meu encontro
sorrindo

Rosa precipitada
antigo Mar Vermelho
meu coração
abre-se


Ana Harherly




Quando tu vens, amor, 
há uma explosão de luz.
 
        Quando tu vens, amor, 
        meu corpo é maré viva
        desfazendo-se em espuma
        nas arribas escarpadas do teu.

        Maria Eu
 

10 comentários:

  1. Respostas
    1. É assim, amar.

      Beijinhos Marianos, Rogério poeta! :)

      Eliminar
  2. Eis que a glosa é uma explosão de imagens, como a luz que se desfaz em gotas nas arribas. Belíssimo.

    Boa noite, Maria :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bondade tua, Xil, obrigada! Palavras que se transformam de dentro para fora, apenas.

      Beijinhos Marianos! :)

      Eliminar
  3. São ondas que explodem no meio da tempestade de quem se quer :)
    Boa noite Maria :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Onda de paixão. :)

      Beijinhos Marianos, I! :)

      Eliminar
  4. Sentir falta é diferente de sentir saudade. A Saudade bate, agonia, estremece. A Falta congela, chora, entristece. A Saudade é a certeza que a pessoa vai voltar. A falta é o querer de volta, mas saber que não vai ter...

    ResponderEliminar
  5. Isso não sei. Só sei que é bom regressar.

    Beijinhos Marianos, Legionário! :)

    ResponderEliminar
  6. O seu poema , para mim, é melhor...

    Beijinhos, muitos

    ResponderEliminar
  7. Oh, São! :) Muito obrigada! :)

    Beijinhos Marianos e uma boa semana! :)

    ResponderEliminar