terça-feira, abril 22, 2014

Cansaço

Mesmo quando olhamos o chão, curvados de infinito cansaço, o céu continua lá.



( ©João Pedro Marnoto)


O que há em mim é sobretudo cansaço

O que há em mim é sobretudo cansaço —
Não disto nem daquilo,
Nem sequer de tudo ou de nada:
Cansaço assim mesmo, ele mesmo,
Cansaço.
A subtileza das sensações inúteis,
As paixões violentas por coisa nenhuma,
Os amores intensos por o suposto em alguém,
Essas coisas todas —
Essas e o que falta nelas eternamente —;
Tudo isso faz um cansaço,
Este cansaço,
Cansaço.
Há sem dúvida quem ame o infinito,
Há sem dúvida quem deseje o impossível,
Há sem dúvida quem não queira nada —
Três tipos de idealistas, e eu nenhum deles:
Porque eu amo infinitamente o finito,
Porque eu desejo impossivelmente o possível,
Porque quero tudo, ou um pouco mais, se puder ser,
Ou até se não puder ser...
E o resultado?
Para eles a vida vivida ou sonhada,
Para eles o sonho sonhado ou vivido,
Para eles a média entre tudo e nada, isto é, isto...
Para mim só um grande, um profundo,
E, ah com que felicidade infecundo, cansaço,
Um supremíssimo cansaço,
Íssimo, íssimo, íssimo,
Cansaço...

Álvaro de Campos


26 comentários:

  1. Eu subscrevo o titulo.... Um beijinho Maria

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Londres cansa mas sabe bem, não é? :)

      Beijinhos Marianos, Ervilha mãe! :)

      Eliminar
  2. Hoje sim :) muito cansaço! :)

    Amar infinitamente o finito é algo não alcançável a todos, mas ao mesmo tempo redundante, o amor quando sentido por alguém ou algo parece-nos infinito :)

    Beijinhos Maria :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nada é infinito...

      Beijinhos Marianos, VdT! :)

      Eliminar
  3. Já te tinha dito que não aprecio muito gajos viciados em absinto, com ligações a organizações secretas e até com predilecção por práticas sado-masoquistas, apesar da sua genialidade, pois já?
    Pois, bem me parecia...

    ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não, ainda não.

      Beijinhos Marianos, AA! :)

      Eliminar
  4. O céu, reflectido no chão onde apoiamos o cansaço que nos verga, a lembrar-nos que está sempre lá. Lindo! O Álvaro Campos essa não se lembrou de acrescentar ao poema! Devia estar muito cansado. :-))
    Beijinhos, Maria linda. :-)
    Susana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fantástica foto, não é? :)

      Beijinhos Marianos, Susaninha! :)

      Eliminar
  5. um grande cansaço, por vezes faz-nos esquecer o céu mas, ele está lá. quando o reencontramos nenhum cansaço é maior do que a felicidade com que nos envolve

    bj

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois está! :)

      Beijinhos Marianos, Tétisq! :)

      Eliminar
  6. Todos nós nos sentimos por vezes arduamente cansados, mas o importante é continuar a acreditar que o infinito azul é reconfortante. :)

    Kiss

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acreditarmos sempre!

      Beijinhos Marianos, Vénus! :)

      Eliminar
  7. Não é contra-ponto, é complemento... se Pessoa tivesse lido Brecht...

    «Ouvimos dizer que estás arrasado.
    Que já não podes andar de cá para lá. Que estás muito cansado.
    Que já não és capaz de aprender.
    Que estás liquidado.
    Não se pode exigir de ti que faças mais.

    Pois fica sabendo: nós exigimo-lo.
    Se estiveres cansado e adormeceres
    ninguém te acordará, nem
    dirá: levanta-te, está aqui a comida.
    Porque é que a comida havia de estar ali?

    Se não podes andar de cá para lá, ficarás estendido.
    Ninguém te irá buscar e dizer: houve
    uma Revolução. As fábricas esperam por ti.
    Porque é que havia de haver uma revolução?
    Quando estiveres morto virão
    enterrar-te, quer tu sejas ou não culpado
    da tua morte.

    Tu dizes: que já lutaste muito tempo
    que já não podes lutar mais.
    Se já não podes lutar mais, serás
    destruído.

    Dizes tu: que esperaste muito tempo.
    Que já não podes ter esperanças.
    Que esperavas tu? Que a luta fosse fácil?
    Não é esse o caso: a nossa situação é pior que
    tu julgavas.

    É assim: se não levarmos a cabo o sobre-humano,
    estamos perdidos.
    Se não podermos fazer o que ninguém de nós pode
    exigir, afundar-nos-emos.
    Os nossos inimigos só esperam que nós nos cansemos.
    Quando a luta é mais encarniçada é que os lutadores
    estão mais cansados.
    Os lutadores que estão cansados de mais, perdem
    a batalha.»

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E que fantástico complemento, Rogério! :)

      Beijinhos Marianos! :)

      Eliminar
  8. Maria! Tu cansada?
    De tudo e nada?
    Não desistas e faz da luta o descanso!
    E quando o cansaço assolar
    nas tuas pernas ou braços,
    no resto do corpo ou na mente.
    Diz pra ti de forma inteligente
    que como tu há mais gente
    e o caminho faz-se: " EM FRENTE"


    Força e lembra-te de mim quando estiveres cansada verás com toda a certeza que ficar assim não leva a nada.
    Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Lembro-me muito de ti, "Maria"!

      Beijinhos Marianos especiais e encorajadores! :)

      Eliminar
  9. "Mas o pior é o súbito cansaço de tudo. Parece uma fartura, parece que já se teve tudo e que não se quer mais nada."
    Clarice Lispector

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas continua a querer-se...

      Beijinhos Marianos, Legionário!:)

      Eliminar
  10. Lutar contra o cansaço pode ser cansativo. Mas lutar vale sempre a pena :)
    Um beijo e um abraço apertado :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É o que estou a tentar fazer. :)
      Até já!

      Beijinhos Marianos, I! :)

      Eliminar
  11. Respostas
    1. Obrigada, AMN, também gosto de ti! :)

      Beijinhos Marianos! :)

      Eliminar