quinta-feira, março 10, 2016

Um frasco de colorau

(Lidia Wylangowska)

Era depois das cinco da tarde, a escola já fechada, sala limpa pela D.ª Maria José, flores frescas na jarra da secretária, retratos do Presidente da República e do Presidente do Conselho de Ministros sem um grão de pó, e crucifixo a brilhar entre ambos, que Clarinha ia fazer recados à mãe. Saía pelo portão verde, seguia pelo acesso à casa uns cinquenta metros e virava à esquerda para seguir o caminho que ia desembocar na igreja. À volta da igreja ficava tudo o que era importante para os habitantes da aldeia, a venda do Sr. Joaquim, a loja da Sr.ª Quina (que vendia desde cuecas de pano até vassouras e detergentes) e a casa da Zefa costureira. 
Do que Clarinha gostava mesmo era de ir à venda. Uma odisseia, essa jornada! Todo o caminho de nota ou moedas apertadas na mão, a repetir, baixinho, o que haveria de trazer para casa: um quilo de arroz, um quarto de farinha-milha, vinte e cinco tostões de colorau e um quartilho de vinho. Tantas vezes, demorando-se mais do que seria necessário a apanhar pedrinhas ou a olhar para um ninho. 
Muito haveria de recordar o dia em que pedira vinte e cinco escudos de colorau e todos se tinham desatado a rir a bandeiras despregadas. Oh, Clarinha, tu queres levar os teus pais à falência ou vais barrar um bácoro inteiro com colorau? E lá veio, envergonhada, dizer à mãe que não lhe tinham aviado o pedido para ouvi-la rir, também. Vinte e cinco escudos de colorau, menina? Credo!
Lembrara-se dessas incursões à venda quando vira, na prateleira do supermercado, um frasco de vidro com 45g de colorau, marcado por onze euros. 


40 comentários:

  1. Bela reminiscência!
    Fui lá atrás. Senti o quente rubor da face sardenta de Clarinha.

    Boa noite, Maria.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tende-se a voltar à infância à medida que envelhecemos.
      (e as meninas sardentas tendem a corar)

      Bom dia, Impontual :)

      (com a correcção de gralhas nesta resposta já dei boa noite e bom dia :))

      Eliminar
  2. Digo-te que colorau caro :)

    Gosto destas tuas memórias.

    Beijinhos Tutu :)

    ResponderEliminar
  3. Pois é, também eu me lembro dessa "vendas" e dos preços então praticados.
    Foi assim há tanto tempo??
    Bfds

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois foi, Pedro, há bastante tempo.

      Beijinhos e bom Domingo :)

      Eliminar
  4. Respostas
    1. Thank you very much, Rick!

      Have a beautiful Sunday :)

      Eliminar
  5. Do tempo em que tudo era tão simples.:)
    Muito bonito Maria.
    Beijos
    :)

    ResponderEliminar
  6. Fizeste-me volta lá atrás... em que tudo era simples.
    Adorei
    Um beijo e bom fim de semana :))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Simples e sem culpa.
      Obrigada, Cristina!

      Beijos e bom Domingo :)

      Eliminar
  7. Maria, não deixa de ser curioso como também voltei atrás no tempo...ao ler este texto;)

    Recordar o ontem, viver o hoje e acreditar no amanhã :))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pequenos ingénuos.

      Beijinhos, Legionário :)

      Eliminar
  8. Ora esta! O almoço para aprontar...
    Clarinha, vai num pé e vem no outro. Não te demores.
    A Clarinha envergonhadíssima com o engano do colorau e, ainda por cima, esqueceu-se da ceira em casa. Como levaria as compras se não havia sacos de plástico então?
    Maria és recorrente nestas ternuras.
    Bj .

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Às vezes é bom esse regresso ao passado, aos momentos ternos.

      Beijinhos, Agostinho :)

      Eliminar
  9. Todos nós, nascidos ainda antes dos cravos :)

    Engraçado é lembrar-me do quilo de bife a 1800 escudos, hoje é possível comprá-lo por pouco mais do que isso.

    Ainda os retratos? A sério? :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Retratos, pois! Sou vintage, não tinhas dado conta? :p

      Beijinhos, Ness :)

      Eliminar
  10. Linnndo espaço e linnndas crônicas. Gostei!

    ResponderEliminar
  11. Ternurento, Maria!
    A imagem é tão linda... fez-me lembrar a minha neta. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meninas, como não nos enternecermos?

      Beijos, Isabel :)

      Eliminar
  12. Respostas
    1. Regresso ao passado.
      Obrigada, Helena!

      Beijos :)

      Eliminar
  13. Do antigamente, tão perto e tão longe :) Beijinho Maria

    ResponderEliminar
  14. tá caro o colorau...
    raramente me mandavam aos recados, tinha uma certa tendência para trocar arroz por rebuçados...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Malandro do miúdo!

      Beijocas, Stormy octopus :)

      Eliminar
  15. Onze euros, Maria, por um frasco de colorau? Tens a certeza que não era de ouro? :P

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Era um frasco todo sofisticado. Vai-se a ver estava mal marcado!

      Beijocas, Ava :)

      Eliminar
  16. A mim, aconteceu-me pedir meio quilo de fiambre (a minha mãe pediu-me que trouxesse duzentos e cinquenta gramas). Tive que voltar a casa para ir buscar mais dinheiro que o que levava não chegava :)
    Belos tempos esses dos recados!

    Um beijinho, Maria

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os meninos iam e vinham alegremente, entre recados e brincadeiras.

      Beijos, Miss Smile, e uma noite descansada :)

      Eliminar
  17. ~~~
    Pelo menos,
    o colorau agora tem melhor qualidade,
    atenua um pouco o horror da inflação.

    ~ Muito interessante a narrativa, ME.

    ~~~ Beijinhos amigos. ~~~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. :D E já não vem em cartuchinhos de papel pardo.

      Beijos, Majo, e obrigada :)

      Eliminar
  18. Houve quem tivesse comprado soda cáustica em vez de bicarbonato de sódio...
    Hoje dá para rir.
    :)

    ResponderEliminar
  19. Respostas
    1. Se não era, parecia, pelo preço!

      Beijos, Carla :)

      Eliminar