terça-feira, março 01, 2016

Das danças e dos arpejos



(Anisia Kuzmina)



Arder como se os teus dedos
orquídeas rajadas a sangue
brancas de neve as coxas
traços ensandecidos, rasgos

Arderes como se os meu dedos
pontas de bailarina russa
roxo de desejo o sexo
desvairadas danças, arpejos



30 comentários:

  1. Um post muito quente, a lembrar Some Like it Hot

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Para compensar as baixas temperaturas que se fazem sentir por cá, Pedro!

      Beijinhos :)

      Eliminar
  2. No ardor há incêndio
    - há ar e há dor-
    que arde até ao fim

    Intensissimamente mariano.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Intenso, sim.

      Beijinhos, Agostinho, e obrigada :)

      Eliminar
  3. Volteias, asas de borboleta
    Rodopio, braços esticados
    Ramos de árvore apontados ao céu

    E os meus braços em arco,
    Cesto, casulo
    Mãos de palmas abertas,
    Quentes da órbita frenética
    Ávidas da pele incendiada

    Pas-de-deux sem fim à vista

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. OLha, fizeste um poema! E lindo! Já tens post para o teu (abandonado) canto!

      Beijinhos, Ness :)

      Eliminar
  4. Respostas
    1. São das melhores danças... ;)

      Beijos, Isabel :)

      Eliminar
  5. Ai caramba, há gente que pega nas palavras e faz delas o que quer...

    Beijinhos, Maria. :-)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mais ou menos... :P
      Obrigada, Cláudia. Muito.

      Beijos :)

      Eliminar
  6. Fogo que arde sem sem ver? Mas que, palavra a palavra se sente. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fogo que arde e que se vê. :P :P

      Beijos, Luísa :)

      Eliminar
  7. "Vuelvo al Sur,
    como se vuelve siempre al amor,
    vuelvo a vos,
    con mi deseo, con mi temor."

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "Sueño el Sur,
      inmensa luna, cielo al revés
      busco el Sur
      el tiempo abierto, y su después."

      Beijocas, Stormy octopus :)

      Eliminar
  8. Eis senão quando
    as palavras-versos
    são síntese de sons
    corpos, vozes arpejos
    ritmos,imagens, desejos

    até poderia referir que este era o espectáculo total
    se tivesse tido eu a postura de mero espectador

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não seremos todos actores destas danças de quando em vez?

      Beijinhos, Rogério :)

      Eliminar
  9. ~~~
    Que fogueira, ME!

    O teu poema tão erótico e belo

    como este tango que o acompanha...

    ~~~ Beijinhos. ~~~~~~~~~~~
    ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Para incendiar este tempo gelado!

      Obrigada, Majo. Beijos :)

      Eliminar
  10. Maria, este seu poema é fogo cuja chama faz arder o espírito de quem ama!:))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Dança de amantes, sim.

      Beijinhos, Legionério :)

      Eliminar
  11. Belas palavras unidas pelo fio ardente do desejo.
    Muito belo, querida Maria.

    Um beijinho :)

    ResponderEliminar
  12. Respostas
    1. Thank you so much, Trista!

      Nice seeing you again.

      Beijinhos :)

      Eliminar
  13. Maria, nem sei o que dizer das tuas danças com as palavras, deixas-me muitas vezes sem elas.

    Beijinhos :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Espero que por razões boas! ;)

      Beijos, Ava :)

      Eliminar
  14. A música e o vídeo encaixa tão bem nas tuas palavras :) afinal tudo é desejo :)

    Beijos Tutu :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pelo menos foi o que procurei fazer. Coordenar tudo; foto, poema e música/vídeo.

      Beijos, Snowy, e obrigada :)

      Eliminar