quinta-feira, março 03, 2016

Fuga

(daqui)


Tenho frio. Chove, aqui, e quando não chove, a lama não desaparece. O frio aperta e o cheiro é nauseabundo. Não tomo banho há muitos dias e os que se amontoam nos cobertores cinzentos ao meu lado também não. Há um travo amargo na minha boca, a cada dia. Sabe a restos de pão e a leite em pó. Sabe a espera desesperançada. Deito-me no catre húmido e fétido e pergunto-me se valeu a pena ter escapado às rajadas das metralhadoras e às bombas. Não morri no meu país em dia certo para morrer aos poucos longe dele.


36 comentários:

  1. Quem foge à procura da esperança de dias melhores questiona-se sempre se valeu ou não a pena. Quando se atinge o ponto em que se questiona possivelmente já encontrou a resposta, dentro de si. Triste, mas verdadeiro.

    Beijinhos Tutu

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Às vezes, até eu entristeço...

      Beijos, Snowy :)

      Eliminar
  2. ~~~
    Quem parte nestas condições,

    tem a inteira certeza que não se trata de cobardia,

    mas a necessidade de não deixar extinguir a sua réstia de esperança,

    pelo que, deve merecer todo o respeito e apoio absolutamente incondicional.

    ~~~ Belo e pertinente 'post'.

    ~~~~~~ Beijinho, ME.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Por mais medos e fantasmas temos que ser humanos.

      Beijos, Majo, e obrigada. :)

      Eliminar
  3. Maria, o instinto de sobrevivência do ser humano tem-o levado para este tipo de decisões. Acredito que a esperança seja o mote que alavanca estas opções de vida.
    Beijo Maria.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ponho-me no lugar deles, sabes? Dói...

      Beijos, Sandra :)

      Eliminar
  4. Todos devíamos ter frio.
    Devia chover em todo o lado, e até aqui,
    enquanto faz sol e ele nos aquece...

    ResponderEliminar
  5. Escolher entre uma morte certa e uma morte menos incerta não é tarefa fácil .
    Beijos Maria :)

    ResponderEliminar
  6. Nem sempre quando se desce fundo não se consegue reerguer. Há sempre uma ténue esperança de que valeu a pena. Beijinho Maria

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nem que seja perdendo a vida, escapando à miséria...

      Beijos, GM :)

      Eliminar
  7. Morte rápida ou morte lenta???
    A rápida parece melhor...
    bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Parece, de facto, apesar de tudo.

      Beijos, papoila :)

      Eliminar
  8. "Morrer aos poucos longe dele", pode ser a prova da tenacidade do ser humano e também de que, há ainda e sempre no ser humano, um fundo de paz.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Haverá, sim, H74, mas o mundo não dá tréguas a alguns.

      Beijinhos :)

      Eliminar
  9. Maria, vamos acreditar e trabalhar para que o processo possa ser travado.
    No impasse, alguém morre, sim.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mau é que são muitos, aqueles que morrem.

      Beijos, Isabel :)

      Eliminar
  10. Retrato pungente de uma realidade atroz e assustadora :(
    Bfds

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tenho andado impressionada com esta dureza...

      Beijinhos, Pedro, e um bom fim de semana para ti, também :)

      Eliminar
  11. ninguém deveria passar por isto, ainda se perde tempo com prós e contras em vez de se ir realmente à fonte sem politiquices...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Imagino-me na pele deles...

      Beijinhos, Urso Misha :)

      Eliminar
  12. Uma dura e crua realidade.
    Um beijo Maria :))

    ResponderEliminar
  13. Esta é a prova de que o mundo nunca será uma aldeia global :)

    (Levaste-me para dentro da capela do King's College. Ouvir lá o coro deve ser de subir aos céus :) )

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Homem é um ser, por vezes, demasiado desprezível.

      (É lindíssima, a música, não é? :))

      Beijinhos, Ness :)

      Eliminar
  14. Como escreveu a Cristina é "uma dura e crua realidade", infelizmente nenhum pais europeu está ou estava preparado para esta situação, porque a verdade não passa de palavras...na prática quem sofre na pele são essas pessoas, os responsáveis assobiam para o ar e as atitudes dos mesmos perdem-se nos meandros do poder!:(

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ninguém pode estar preparado. Pode é humanizar-se num percurso ao qual ninguém sabe se escapará.

      Beijinhos, Leginário :)

      Eliminar
  15. Muita gente tem dito e redito: não sou eu!
    Uns dizem-no para si próprios, envergonhadamente, outros,gente que que gosta de se ouvir e fazer ouvir e, para isso, sobe a pedestais de soberba, dí-lo de forma ardilosa por palavras falsas.
    BFS

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E, porém, somos nós!

      Beijinhos, Agostinho :)

      Eliminar
  16. Perseguimos a esperança quando também ela pode matar.

    Deixo-te um beijo, Maria Tu. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pode, infelizmente, Castiel.

      Beijos, linda :)

      Eliminar
  17. nã saberei dizer o que é preferível, mas enquanto houver um resquício de humanidade, ainda há esperança...

    ResponderEliminar
  18. O fenómeno "Refugiados" é muito polémico. Com o devido respeito por todo o Ser Humano, não penso que seja solução o refúgio noutro País. Pneso que o Humanidade tem de reflectir e mudar algo nesta sociedade, para que volte alguma Moral, Dignidade e Justiça, de outra maneira, vamos criar "n" problemas sociais em diferentes países que aceitam esses refugiados, os quais países já se debatem com gravíssimos problemas internos de desemprego, por exemplo ! :(

    Há que pensar, ler a História e mudar, enquanto é tempo !!! De preferência executar e não discursar. Nós sabemos muito bem o que está mal !

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não será solução permanente mas não vislumbro outra a curto prazo. A guerra não termina com um toque mágico e as pessoas são reais, sofrem... Imagino-me em fuga, com um filho, e estremeço.

      Beijinhos, Ricardo :)

      Eliminar