sábado, dezembro 12, 2015

Paisagem

(Beatriz Guzman Velasquez)

Há algum tempo que não se dava ao tempo de ficar sentada junto a uma janela. É Sábado e não pode sair nem fazer nada de muito relevante a não ser ficar sentada. Fá-lo, por isso, à janela. 
Das que se rasgam nas paredes de sua casa, sabe bem que veria uma praça ampla com meninos a brincar sob a vigilância atenta dos pais, ouve-lhes as gargalhadas entrecortadas pelo chamamento de “Luísa!”, “Diogo!”, “Maria!”, de quando em vez. Há também pássaros, muitos, nas árvores que agora se arredondam de ouro e cobre. Há, até, por vezes, uma gaivota que, inexplicavelmente, vem molhar as patas cansadas no lago da praça distante do mar.
Desta, a que lhe calhou em sorte ao quarto dia de clausura, que até ao terceiro a vista era outra e até enchia a alma de sol, avistava um cemitério. Eram onze horas, não mais, quando se agitaram os corredores das sepulturas. Os vivos enxamearam o lugar dos mortos com casacos coloridos e flores. Observou-os, aos donos dos casacos portadores de flores, na azáfama do enfeite. Não pararam em introspectiva meditação, nada que se assemelhasse a um reviver de recordações, apenas procuravam a melhor posição na jarra para um ramo de feto, uma gerbera, uma hidranja. A espaços, afastavam-se para ver o efeito do arranjo, deitando alguns um olhar disfarçado à campa do vizinho, como que a conferir se estaria mais bonita.
Pelas doze horas, não mais, não restavam nenhuns donos de casacos coloridos a alegrar a janela, apenas hastes de flores e fetos em orgulhoso entrance a florir campas cinzentas.



(Frank Sinatra, cem anos)

36 comentários:

  1. Um janela para o mundo, como eu costumo dizer e como eu a compreendo :) Tudo que se passa lá fora, passa a ter um outro significado, suscitando curiosidade.

    Gosto muito do Frank, por variadas razões e uma em particular :)

    Bom resto de sábado e um beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. As janelas rasgam-nos o olhar.

      Beijinhos, mz. :)

      Eliminar
  2. Gostei muito do teu texto, e da bonita homenagem que aqui deixaste à "Voz".
    Não me identifico com os locais de culto que a nossa cultura adotou para guardar os restos mortais dos seu defuntos. Como não faço o culto aos meus, dessa forma "imposta", gostei muito de ler o teu testemunho, que tão bem descreve os rituais floridos e também competitivos, por sinal.
    No meu entender é imperativo cuidar e acarinhar os vivos, e guardar no coração a memória dos que partiram. Depois da morte, eles já não precisam de cuidados. Acredito que a consciência de alguns precise de aliviar o peso. Por vezes os cemitérios também tem esse fim, purgar a alma de alguns vivos.
    Maria desculpa este meu desabafo, mas olha, este tema mexe com as minhas entranhas.
    Beijinho grande.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sabes, Sandra, eu também não faço esse culto dos mortos e quero ser cremada. Não quero ficar em lugar nenhum ficando em todo o lado.

      Beijos, Sandra, e muito obrigada. :)

      Eliminar
  3. Apesar da clausura,o olhar atento e crítico faz o tempo passar mais depressa.
    Gostei muito do texto, da pintura e da Voz, pois claro! :)
    Maria, desejo que o seu Natal tenha alegria, amor, harmonia e muita paz.
    Feliz Natal!

    Um beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, ê!
      Um Natal cheio de Paz e alegria para ti, também.

      Beijos. :)

      Eliminar
  4. Todos temos olhares diferentes para a mesma paisagem. Não é a visão em si, mas o reflexo da consciência do olhar e a forma como estamos na sociedade que fazem as pequenas diferenças na visão do mesmo.

    Bom fim de semana,
    bjnhs

    ResponderEliminar
  5. Lembraste-me, certo que sem querer
    A janela da minha casa. A janela e a varanda.
    Ambas davam para a mesma banda
    e tinham o mesmo para ver

    O muro branco, do outro lado da rua
    era o único obstáculo à lua

    que iluminava os jazigos

    Mesmo de fronte, havia um jazigo
    riquíssimo
    De granito, mármore e estatuetas
    ao lado de outro
    sóbrio, liso
    escurecido
    mas sempre repleto de flores

    Acho que quando me chegava
    a qualquer das janelas
    me chegava o perfume delas

    (acho que foi por ter crescido olhando o lugar dos mortos
    que hoje amo e estimo tanto os vivos)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu também amo e estimo os vivos.

      Beijos, Rogério. :)

      Eliminar
  6. paisagem original... é curioso que ontem vi um pedaço de um filme que se passava em Sortelha, e filmaram o cemitério que quase parecia pender no precipício do monte e era realmente belo. a beleza está tanto nas coisas como nos olhos de quem vê. bonito o teu texto.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A beleza está mesmo em cada olhar.
      Obrigada, Manel. :)

      Beijos.

      Eliminar
  7. O modo como se automatiza a dor e os rituais de homenagem, tão bem observados por essa espectadora, a partir de uma janela discreta :)
    Beijos, Maria.

    ResponderEliminar
  8. Não são os partiram que morrem. Nós é que morremos para eles. Eles, continuam a viver dentro de nós.
    Bonita homenagem.

    Um beijinho, Maria, e um domingo feliz :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isso é que importa, a memória.
      Obrigada!

      Beijos, Miss Smile. :)

      Eliminar
  9. ~~~
    ~ Excelente ironia

    num texto de uma argúcia muito pertinente...

    ~~ Uma semana muito agradável e terna. ~~

    ~~~~~ Beijinho.
    ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~ ~

    ResponderEliminar
  10. Um texto muito bonito, uma descrição muito real, mas um tema que me arrepia. É preferível dar flores em vida, mas estános entranhado no sangue e nos valores... Beijinho Maria

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, GM! É bem melhor ter flores em vida!

      Beijos. :)

      Eliminar
  11. Eu gosto de observar. Quando está bom tempo, sento-me na esplanada a observar. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Observar é bom e as esplanadas são um bom lugar para o fazermos. :)

      Beijos, S*.

      Eliminar
  12. o caminho que percorremos,também inclui parar para ver. por vezes, observamos com mais acuidade.
    um beijinho,
    Mia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Observar faz-nos percebermo-nos melhor.

      Beijos, Mia. :)

      Eliminar
  13. Até num cemitério se pode ver beleza. É a beleza dos que vivem e lembram, e homenageiam, os seus mortos, nas campas, nas flores...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há uma certa plasticidade num cemitério.

      Beijos, Luísa. :)

      Eliminar
  14. Fez-me lembrar Rear WindoW de Hitchcock
    Boa semana

    ResponderEliminar
  15. Bela homenagem, Maria!
    Gostei do teu texto, sobretudo por ser um contraponto ao que penso e faço em relação ao culto dos mortos. Não sigo esses rituais muito enraizados na nossa cultura.
    Beijos, Maria.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Isabel!
      Tal como eu disse acima, à Sandra, eu também não faço o culto dos mortos desta forma.

      Beijos. :)

      Eliminar
  16. Enerva-me supinamente a postura das minhas gentes: temos de lá pôr flores, para não falarem em nós!
    Já vi muitos agitares desses, participei em outros tantos, e não há vez nenhuma que não volte para casa terrivelmente irritada com tudo aquilo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tantas vezes se vai enfeitar por obrigaçãos social. Um absurdo!

      Beijos, Carla. :)

      Eliminar
  17. E miúda quando estava de férias, acompanhava com a minha prima as visitas do pai dela, médico na Província, muitas vezes, enquanto esperávamos, visitávamos o cemitério da aldeia e gostávamos muito de ver tudo sempre muito colorido...
    bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. As crianças têm essa vantagem, a de vere a beleza em qualquer lugar, sem preconceitos.

      Beijos, papoila. :)

      Eliminar
  18. A cada um a sua janela. Dela pode ver o seu mundo ou o dos outros, consoante a perspectiva, mas há sempre uma contaminação desses dois mundos e, a páginas tantas, convergem num único.
    Depois, há os dias e os dias de reclusão com janelas, perspectivas, tangentes, campos de visão, luz, miragens, imagens, visões, estações, estados de espírito e vidros diferentes. Quase te percebi apesar do cabelo também diferente.
    E a reclusão tem intervalos a ritmos programados?
    Tens janelas lavadas, cristalinas, Maria, e vês aquilo que dizes e dizes aquilo que vês.
    Bj.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Digamos que tem ritmos, embora não programados. :)
      Obrigada, muito, Agostinho. Dás-me sempre muito alento com as tuas palavras.

      Beijinhos. :)

      Eliminar