segunda-feira, dezembro 07, 2015

Golpe de asa

(J. M. W. Turner)

Foi gaivota. Rasou o rio, primeiro, sem que a assustasse o vento a fazer a água agitar-se e a levantar o malhoco. Planava uma e outra vez, pousando a espaços na ponte. A cada vez, aventurava-se em voos mais longos. A foz ali tão perto. O sonho de cruzar o mar a encher-lhe a quilha, a ritmar-lhe o bater de asas. Seguia aquela outra, sempre em reviravoltas de piloto experimentado, regressando mais tarde com o mar nos olhos e histórias de ondas alterosas onde também voavam peixes.
Atreveu-se a ir. Havia nevoeiro e a ronca ensurdecia-a mas nada a demoveu. Inebriada pelo cheiro a maresia, voou mais longe do que nunca, lá em baixo, a água encarneirada com malha branca. Avistava a gaivota aventureira e traçava o rumo na sua esteira. Na excitação, nem sentiu o golpe do arame que se soltara do grande navio, rodopiando ao sabor do vento norte, muito menos se deu conta do vermelho que lhe salpicava a alvura das penas. Morria e nada a movia a não ser continuar.


34 comentários:

  1. Somos gaivotas tantas vezes. Atrevemo-nos a ir, ficamos feridos, morremos, mas voltamos a nascer... continuar, sempre :) Beijinho Maria

    ResponderEliminar
  2. Que trio perfeito, Maria.
    Há muito que uma prosa poética não me enchia a alma. O poder das nossas asas é infindável.
    Muito obrigada Maria. Gostei para lá de muito, como me ensinou a dizer o Manelito.
    Beijinho.

    ResponderEliminar
  3. pássaros feridos são tão tristes como árvores tombadas ou livros sem páginas...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas resistentes.

      Beijinhos, Manel da tempestades. :)

      Eliminar
  4. Não devemos nunca perder a esperança... é verdade. Mesmo com a "asa" ferida.

    Bom feriado, Maria!:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Voar, ainda que sangrando.


      Beijinhos, Legionário. :)

      Eliminar
  5. A liberdade de voar é o que faz continuar :)
    Beijos Maria

    ResponderEliminar
  6. ~~~
    Um texto muito interessante,

    mas fiquei triste...


    Beijos nostálgicos.
    ~~~~~~~~~~~~~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Majo! Não é triste, é realista. :)

      Beijinhos.

      Eliminar
  7. Maria, tens aqui um blog tão bonito e eu não o conhecia!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, MC! Eu também gosto muito de ir espreitar a roupa do teu estendal!

      Beijinhos. :)

      Eliminar
  8. Gostei das tuas palavras como sempre, da pintura de um pintor que gosto imenso, o britânico Turner e do grande Tchaikowsky !

    ResponderEliminar
  9. Excelência, Maria, excelência.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  10. Uma história de mar e gaivotas.
    Tão bem contada que as imagens vão passando pelo leitor.
    Excelente, gostei imenso.
    Maria, continuação de boa semana.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Para um homem de Viana, as gaivotas não se estranham.
      Muito obrigada!

      Beijinhos, Jaime. :)

      Eliminar
  11. A viagem nunca acaba. Cada chegada encerra sempre uma nova partida.
    Palavras voadoras na espuma rendilhada das ondas. Muito bonito :)

    Um beijinho, Maria

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Partir é um sonho que pode terminar num regresso.
      Muito obrigada, Miss Smile!

      Beijos. :)

      Eliminar
  12. por vezes morre-se nas palavras
    como gaivotas afundam-nos em marés de sangue

    tocam-nos as palavras é o mistério da escrita

    assim assistimos com pudor e tristeza ao último
    voo da gaivota inebriada pelo cheio a maresia

    magistral, Maria
    Beijo, Maria

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Voos, desde Ícaro que nos atraem...

      Obrigada, muito, Tristan!

      Beijinhos. :)

      Eliminar
  13. Ao ler-te, lembrei-me desta música.
    https://www.youtube.com/watch?v=PLKXmjTWkRA

    Acho que fica aqui tão bem. :)

    ResponderEliminar
  14. Respostas
    1. Todos voamos pela última vez. Quem sabe o fazemos para um lugar melhor?

      Beijos, papoila. :)

      Eliminar
  15. Que bem que voas, Maria. De asas cheias de vento planas entre azuis.

    Bj

    ResponderEliminar
  16. a bem do equilibrio que sejam golpes de asas

    '
    Nós temos cinco sentidos:
    são dois pares e meio de asas.

    - Como quereis o equilíbrio?'

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ai que nos falhe um sentido. Ai que nos falhe uma asa.

      Beijinhos, Luís. :)

      Eliminar