sexta-feira, dezembro 04, 2015

Anatomia de um romance

(Jack Vettriano)

Anatomia de um romance.

- deu-lhe um beijo rápido na face, encostando ao de leve o peito ao dela;
- beijou-lhe os dedos da mão direita, pedindo antes "Posso?";
- comeu torradas, nem se lembrando que não costumava fazê-lo;
- deu-lhe nome de pássaro marítimo;
- apertou-a nos braços e beijou-lhe a testa;
- deixou que os lábios descessem das pálpebras à boca;
- descalçou-se com ela e pisaram a areia;
- beijou-a vezes sem conta, intercalando os beijos com o nome dela;
- ajoelhou-se aos seus pés e chamou-lhe "minha Deusa";
- ajudou-a a despir-se de roupa e de pudores;
- completou o corpo dela com o seu corpo;
- abraçou-a, nua, como se sempre a tivesse abraçado;
- chamou-lhe "minha".



- deixou que o seu peito tocasse o dele, durante um beijo rápido;
- entregou-lhe, aos lábios, a mão trémula;
- partilhou as torradas com prazer;
- levou-o a ver o mar;
- enroscou-se nos braços dele;
- ergueu o rosto para ser beijada;
- descalçou-se para pisar a areia com ele;
- beijou-o vezes sem conta, ao som do seu nome dito com doçura;
- acariciou-lhe a cabeça quando o viu de joelhos frente a si;
- foi um só corpo com o corpo dele;
- abraçou-se a ele, nua, como se nunca tivesse abraçado antes;
- chamou-lhe "meu".


26 comentários:

  1. Por momentos, pensei que lhe batia, depois vi que não. :)

    Há sempre dois lados da história, é bom quando eles se complementam.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quando se complementam, as histórias ficam mais doces.

      Beijos, Carla. :)

      Eliminar
  2. Pequenos instantes que escrevem uma história de amor. :)

    Deixo-te um beijo, Maria. :)

    ResponderEliminar
  3. Querida Maria Eu,
    Do Yin e Yang sei pouco ou nada. Sobre mulheres a quem não se pode chamar "minha", escreveu quem sabe ter fases como a lua. Ainda assim, verem ternura nos mesmos gestos, talvez seja um princípio de perfeição.
    Um beijo,
    Outro Ente.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A ternura é coisa para se cuidar.

      Beijos, caro Ente.

      Eliminar
  4. Maria, por vezes...um verdadeiro romance é sempre a interpretação desajeitada de um sonho...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um desajeitado bom!

      Beijinhos, Legionário. :)

      Eliminar
  5. O amor tem destas coisas ... até partilhar torradas é possível (tarefa difícil, se forem daquelas crocantes, acabadas de fazer e com a manteiga a derreter) :)

    Adoro Vettriano :)

    ResponderEliminar
  6. sem querer ser boçal, digo que é uma anatomia que se encaixa em todos os sentidos (poderia utilizar «combina», por exemplo, mas, não era a mesma coisa…)

    viajei … e senti-me um voyeur

    beijinho
    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas isso nada tem de boçal! Há mesmo encaixes perfeitos.

      Muito obrigada pelas tuas sempre gentis palavras, Henrique!

      Beijinhos. :)

      Eliminar
  7. Que dizer, Maria. Que dizer.
    Que preludio tão maravilhoso.
    Beijinho grande.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ERa bom que sempre assim fosse, não era?

      Beijos, Sandrinha. :)

      Eliminar
  8. Gostei mesmo muito!


    Bom fim de semana e abraço grande

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada, São!

      Beijos e um excelente fim-de-semana para ti, também. :)

      Eliminar
  9. Respostas
    1. Fica-lhes bem, não fica?

      Beijos, papoila, e um bom fim-de-semana para ti, também. :)

      Eliminar
  10. Quando um mais um dá um sem que a conta esteja errada.
    Lindo!
    Um beijinho, Maria :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. SE fosse sempre assim, haveria muita felicidade!
      Obrigada, Té!

      Beijos. :)

      Eliminar
  11. Ao dissecar o romance, confrontamos-nos com mil e uma atitudes diferentes e todas elas com o propósito da cativação suprema de se agradar mutuamente. Por vezes, num exagerado drama de entrega total recorre-se à linguagem do "minha" e "meu" pelo menos enquanto dura, o momento :)

    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ninguém é de ninguém mas há momentos em que a entrega é tão profunda que apetece dizer assim.

      Beijos, mz. :)

      Eliminar
  12. Um gesto só existe
    em plenitude
    na complementaridade
    recíproca da acção de dois.
    Só assim se entende
    as torradas
    partilhadas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. :) Gestos desses, plenos, complementares e recíprocos, são uma maravilha!

      Beijinhos, Agostinho. :)

      Eliminar