segunda-feira, dezembro 14, 2015

Paisagem 2

(Daqui)


Ao sexto dia de clausura, já não tinha uma janela debruçada sobre o jardim dos mortos. Para trás ficaram as gerberas, as hidranjas e os fetos, não mais entrançados ou orgulhosamente erectos, antes tombados e em desarranjo, varridos pelo vento. Nesses dois dias de diferença, não avistara casacos coloridos. Dera conta, sim, de muitos casacos negros, todos juntos e em passo lento, seguindo um féretro. Também eram portadores de flores, o que tornava o cortejo fúnebre estranhamente alegre, pontuado por manchas coloridas de grandes coroas e ramos. Pensara para com os seus botões, não muitos porque o vestido era de fecho e só tinha dois na gola, que fazia falta uma banda naquela cerimónia. Uma coisa ao estilo de Nova Orleães, com clarinetes, saxofones e violinos, muitos cânticos e dança bastante. 
Mas agora, a janela, bem, era mais uma porta com varanda a bordejá-la,tinha toda uma outra vista. Sentou-se e, de chávena de chá de rooibos na mão, deu por si a olhar as centenas de outras janelas e portas envidraçadas que se perfilavam mesmo ali ao pé. Algumas quase pousavam na copa das árvores, enquanto outras ficavam bem acima da sua linha de visão, outras, ainda, quase pareciam um prolongamento da sua. Nunca se pensara a olhar os outros por detrás dos vidros. A clausura aguçara-lhe a curiosidade. Ocupava-se de pequenos nadas que iam do carreiro imenso de formigas em equilíbrio no varandim, até ao polícia que multava afanosamente os automobilistas prevaricadores das regras de estacionamento no largo bem defronte. 
Sorveu mais um gole de chá, levantou-se, e deixou os vizinhos tranquilos.


24 comentários:

  1. Estava a gostar destas observações.
    Vão continuar??

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mantendo-se a clausura, quem sabe continuam?

      Beijinhos, Pedro, e obrigada. :)

      Eliminar
  2. Muito bonito, Maria.
    Por vezes, penso se a vida dos outros não será sempre uma vida atrás de uma janela.

    Um beijinho e um dia feliz :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tantas vidas não saem detrás de janelas!
      Muito obrigada, Miss Smile!

      Beijos e muita luz.:)

      Eliminar
  3. Há quem passe a vida a olhar através de uma janela.
    J.S. Bach? Uau!
    Beijinho, Maria Eu.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muita mais gente do que possamos imaginar, Observador!
      Bach anda por aqui, a par com muitos outros. :)

      Beijinhos, Observador. :)

      Eliminar
  4. Respostas
    1. Muito Boas Festas para ti, também, AG!

      Beijinhos. :)

      Eliminar
  5. Maria, embora a clausura não te tenha afetado a inspiração, espero que não tenha sido contrária à tua vontade :)

    Beijinhos para ti :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Clausuras demoradas só são da vontade das freiras e dos monges, às vezes nem desses! ;)

      Beijinhos, Ness, e muito obrigada. :)

      Eliminar
  6. A clausura dá-nos outra perspectiva da vida lá fora :)
    Muito bonito.
    Beijos Maria

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. SEm dúvida, I!
      Obrigada, menina dos pés feridos.

      Beijos. :)

      Eliminar
  7. Gosto tanto de estar à janela!
    (E que belo estendal aí tens).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mulher do estendal, tu sabes da poda! E também me deste o mote para o post seguinte, obrigada!

      Beijos. :)

      Eliminar
  8. Há janelas indiscretas que guardam no reflexo das vidraças delicadas apreciadoras de tisanas vermelhas de Boa Esperança.
    Beijinhos Maria.

    ResponderEliminar
  9. Que a clausura nunca te tolde a visão, muito menos as palavras. Que bonito Maria. Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada, GM! Do fundo do coração!

      Beijos. :)

      Eliminar
  10. Gostei imenso da continuação. O valor que se vai dando a tudo que antes nem sequer se reaparava.

    Beijinhos Maria

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tu também o podes fazer, pelo que percebi. :D

      Beijos, Maria da Neves! :P

      Eliminar
  11. .. e assim sequestrados no paraíso
    dezembramos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Dezembramos e quase consoamos.

      Beijinhos, MA. :)

      Eliminar
  12. Respostas
    1. E não é que continuou? De forma inesperada, é certo, e sem janela.

      Beijos, Laura. :)

      Eliminar