sábado, dezembro 05, 2015

Férias grandes

(imagem daqui)

Os dias eram longos nas férias grandes e, no entanto, para Clarinha o tempo era sempre pouco. Levava aqueles dias num corrupio tal que chegava à noite em quebranto de pernas e de braços, chegando a adormecer entre a sopa e o prato principal do jantar. 
-Esta menina não pára! dizia o pai, enquanto lhe pegava ao colo para a ir deitar na cama onde a mãe a despia com cuidado, enfiando-lhe a camisa de noite a custo e metendo-a entre os lençóis.
Mas de manhã, qual passarinho laborioso, Clarinha levantava-se, lava-se num piscar de olhos, vestia os calções e a camisola, calçava as sandálias velhinhas e, bebendo o leite em goles sôfregos, agarrava no pão com manteiga e corria porta fora com um "até logo, mãe" pouco perceptível, com a boca cheia. 
E era vê-la a bater à porta da Dona Arminda e gritar "Oh, Joaninha! Joaninha! Anda brincar!". Depois, já eram duas a correr pela aldeia, batendo às portas do Zé, do João, da Paula e da Diana. Um bando de miúdos enchia os caminhos e os campos de correrias e gargalhadas, apenas interrompidas para o almoço porque o lanche era metido em sacas e saboreado à sombra de uma árvore ou em cima de um muro, sentados, de pernas a bambolear.



30 comentários:

  1. ~~~
    ~ Que liberdade, que alegria, que vitalidade!

    ~~ Música e texto belos e em harmonia...

    ~~~~ Beijinhos amigos. ~~~~~~~~
    ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E que bom que era!

      Muito obrigada, Majo.

      Beijos. :)

      Eliminar
  2. Os meus verões, em casa da minha avó, eram passados assim. Os dias eram vividos a brincar no exterior, sem controlos ou limitações. A minha liberdade ia até onde as minhas pernas me levavam :)

    Um beijinho, querida Maria

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fomos, então, muito felizes!

      Beijos, doce Miss Smile. :)

      Eliminar
  3. Que maravilha, eram as férias grandes, a liberdade de poder correr e saltar, apanhar grilos com a palhinha, que se metiam em casinhas amarelas de vermelhod telhados, com a folhinha de alface que a mãe ou uma vizinhava davam, e lá ficávamos, deitados de barriga para baixo pernas a baloiçar no sar, à espera de ver qual o grilo que cantava primeiro. Era uma maravilha ser criança naqueles tempos.
    :-)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sem nada que nos impedisse de calcorrear caminhos e pintar a manta! :D

      Beijos, noname. :)

      Eliminar
  4. Que verões tão cheios, tão bons deviam ser esses. Até me dá saudade a mim, que não os vivi (assim).

    Beijo, Maria, bom domingo. :-)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ah, mas eu já vi fotos de uma menina com as irmãs em alegre brincadeira numa piscina! Também deve ter sido muito boa a tua infância! :)

      Beijos, Susana, e boa semana. :)

      Eliminar
  5. Que saudades desses Verões.
    Um belo regresso à infância.
    Beijo Maria e bom fim de semana.:))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vamos voltar lá as duas? :D

      Beijos, SD, e uma boa semana. :)

      Eliminar
  6. Que férias tão animadas tinhas, Maria! ;)
    Não eras tu? Parecia... ;)
    As minhas não eram assim. Tudo mais calmo e menos alegre.
    Bom domingo!
    Beijos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. As aldeias eram lugares em que era permitido às crianças fazer uma festa de brincadeira todos os dias. Tudo à solta e sem preocupações! Também era eu, sim, Isabel! :D

      Beijos e boa semana. :)

      Eliminar
  7. Penso que conheci a Clarinha...
    Penso, não
    tenho a certeza

    e era com ela
    e com o grupo dela
    que nos deliciávamos
    com os desenhos animados
    aqui mostrados

    (verdade!)




    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Claro, Rogério! Então, também te lembras de mim, aquela Maria sardenta, sempre de calções e cabelo atado em rabo-de-cavalo ou tótós. :D

      Beijinhos. :)

      Eliminar
  8. às vezes penso que gastei toda a felicidade na infância, porque realmente era assim, o dia prolongava-se até nos chamarem para jantar, despíamos as peles de índios, cowboys, policias, piratas antes de dormir... boas lembranças :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Era, não era, Manel? Mas ainda sobrou alguma felicidade! Procura bem que ela anda por aí à solta!

      Beijinhos,rapaz das tempestades. :)

      Eliminar
  9. As aventuras da Maria, perdão, da Clarinha, postas ao léu no trabalho “Férias Grandes”, fez recordar-me algumas peripécias da minha infância. Tal e qual, sem tirar nem pôr, como na fotografia de entrada, onde vários morcegos figuram dependurados de uma barra. Por questões de oxigenação da moleirinha e aproveitamento da força da gravidade para início de voo, também eu o fiz.
    Há pormenores de somenos no meu caso como o chão ser uma laje de pedra que, certo dia, foi de “somais”: Aconteceu que num movimento inusitado os pés se descuidaram resultando dessa temerária proeza a minha pinha rachada.
    Éramos todos mais felizes do que os putos de agora. Tínhamos a sorte de ter muito mais liberdade. Alguns dos mais velhos diziam ser "rédea solta".

    Gostei muito disto, Maria, por isso,
    Um beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Era uma alegria, não era? Regermo-nos pela hora solar! Dá uma saudade!

      Beijinhos, Agostinho. :)

      Eliminar
  10. Também eram assim as minhas férias, era tão bom, são excelentes recordações.
    bjs

    ResponderEliminar
  11. Que saudades dos verões e das férias grandes da minha infância, tal qual estes. As correrias e a brincadeira o dia inteiro, sem preocupações e responsabilidades, apenas brincar até cair no sono. Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ternura, é a palavra que me vem à cabeça. Ternura e, também, saudade.

      Beijos, GM. :)

      Eliminar
  12. Também tive o prazer de me divertir com essas saídas que nos deixavam de rastos.
    Mas felizes até mais não.
    E na rua, não era encafuados numa qualquer casa,
    Bjs, boa semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bate uma saudade...

      Beijinhos, Pedro, e continuação de boa semana. :)

      Eliminar
  13. Que miúdos felizes, esses.
    Às vezes olho para os meus sobrinhos e vejo-os tão impossibilitados deste liberdade que me dói a infância que estão a perder, em troca de uma protecção quem sabe sufocante e um jogo novo na PSP.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Triste, a infância sem brincadeiras de rua, sem joelhos esfolados a subir muros e árvores. Mas hoje também há mais perigos, sentimos que precisamos proteger. Um dilema!

      Beijos, Carla. :)

      Eliminar
  14. "Branco, branco e orvalhado,
    o tempo das crianças e dos álamos."

    Eugénio de Andrade/Da Memória

    Um beijo, Maria (rapaz)! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Algumas Proposições com Crianças
      A criança está completamente imersa na infância
      a criança não sabe que há-de fazer da infância
      a criança coincide com a infância
      a criança deixa-se invadir pela infância como pelo sono
      deixa cair a cabeça e voga na infância
      a criança mergulha na infância como no mar
      a infância é o elemento da criança como a água
      é o elemento próprio do peixe
      a criança não sabe que pertence à terra
      a sabedoria da criança é não saber que morre
      a criança morre na adolescência
      Se foste criança diz-me a cor do teu país
      Eu te digo que o meu era da cor do bibe
      e tinha o tamanho de um pau de giz
      Naquele tempo tudo acontecia pela primeira vez
      Ainda hoje trago os cheiros no nariz
      Senhor que a minha vida seja permitir a infância
      embora nunca mais eu saiba como ela se diz

      Ruy Belo

      Beijos, Teresa. :)

      Eliminar
  15. Fizeste quase a descrição fiel dos meus Verões no Alentejo, com o meu bando de primos.
    E o pão com manteiga, Maria, o pão com manteiga... que instituição! Terá caído em desuso?
    Obrigada por esta viagem tão boa :)

    Beijos, querida :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um beijo enorme, Linda! Que a tua dor passe depressa!

      Eliminar