terça-feira, novembro 17, 2015

Dois cansaços num abraço

(Marc Chagall)


Era pela manhã que se despediam com um beijo apressado. O dia esgotava-os, depois, num sorvedouro de tarefas, repetidas até ao infinito. Corpo moído, olhar vidrado, regressavam um para o outro quando a luz do dia se extinguia, substituída pelo brilho artificial das lâmpadas. E, ao contrário do que se poderia esperar, era então que embrulhavam os seus dois cansaços num só abraço, renascendo, juntos, renovados, ardendo uma e outra vez num acto de amor infinito.


39 comentários:

  1. É tão bonito
    que me mete inveja
    não ter sido eu
    a tê-lo escrito

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. OHHHHH! Muito obrigada, Rogério!

      Beijinhos. :)

      Eliminar
  2. Respostas
    1. Dá vontade de correr para esse abraço, não dá?

      Beijinhos, Pedro. :)

      Eliminar
  3. Incansável, quando é assim — inteiro.
    :)
    Beijos, Maria.

    ResponderEliminar
  4. É uma delicia descansar o cansaço num abraço.

    Bom dia Maria Tu

    ResponderEliminar
  5. Há coisa melhor que um abraço embrulhado

    ResponderEliminar
  6. ó caraças, não bebo mais nada hoje! Não há coisa melhor!
    Não há coisa melhor que um abraço embrulhado

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os abraços embrulhados são assim, baralham-nos! :D

      Beijinhos, Luís. :)

      Eliminar
  7. O quadro é tão bonito e tu escreves tão bem! ;)
    Beijo, Maria.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Chagall sempre me encantou!
      Muito obrigada, Isabel!

      Beios.

      Eliminar
  8. E assim iam se energizavam para mais um dia .
    Um momento muito belo, parabéns Maria !

    Um beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Carinhosamente.
      Muito obrigada, Fê!

      Beijos. :)

      Eliminar
  9. Gostei muito. Nem sei que mais dizer.
    Um beijinho,
    Mia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isso diz tanto!

      Muito obrigada, Mia, e um beijo. :)

      Eliminar
  10. Este teu texto fez-me sorrir, Maria. Tão doce :)

    Deixo-te um beijo. :)

    ResponderEliminar
  11. Que bom, Maria Tu!! Nem todos o conseguem ao fim do cansaço...

    Beijinhos, menina otimista!

    ResponderEliminar
  12. Que lindo, Maria.
    Ainda há braços, ainda que cansados, que se abraçam assim ao fim do dia após um dia de rotina :), se bem que há vezes, por instantes apenas, que também lhes dá aquele vontade insana de os atirar pela janela.
    A vida a dois, é mesmo assim.
    Beijinho Maria, gostei mesmo muito.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não seria vida se assim não fosse.

      Beijos, Sandra, e muito obrigada. :)

      Eliminar
  13. Bonito! Há lá coisa mais boa que esse abraço de amor infinito?
    Beijinho Maria

    ResponderEliminar
  14. Perfeito! Também eu me senti abraçada por estas doces palavras, tão bem escolhidas.

    Um beijinho, Maria

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada, Sra. dos sorrisos. :)

      Beijos abraçados. :)

      Eliminar
  15. Abraço, encontro de dois corações!
    Belo texto, Maria!:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Dois em um. :)

      Obrigada, Legionário, e um beijo. :)

      Eliminar
  16. Belo este teu abraço ao entardecer que se vai perpetuando nos dias!
    Beijo Maria.:))

    ResponderEliminar
  17. Quando as lâmpadas se apagavam é que a claridade se fazia em dois corpos incendiados.
    Disseste tão bem, Maria.

    Bj

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Iluminando a escuridão.

      Beijinhos, Agostinho. :)

      Eliminar