sábado, novembro 21, 2015

A companhia da saudade

(Pablo Picasso)



A cada dia, Maria Antónia deixa que o tempo corra como que em rajadas de vento norte, despenteando-lhe o cabelo, humedecendo- lhe os olhos, arrefecendo-lhe as mãos. Fustigam-na, de quando em vez, a par com a ventania, os grãos de saudade, iguaizinhos à areia das praias de águas frias e dunas pronunciadas que tantas vezes conhecera irada, infiltrando-se-lhe na boca, no nariz, nos ouvidos, no sexo. Toma-a, então, de mãos dadas com a saudade, um infinito cansaço. Chegada a casa, Maria Antónia senta-se no cadeirão que guarda a luz do jardim fronteiro à varanda do seu quarto, senta a saudade no colo e adormece, afagando-a.



24 comentários:

  1. gostei, principalmente da saudade em grão... beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É tramada, quando é em grão!

      Beijinhos, Manel das tempestades. :)

      Eliminar
  2. A saudade é tramada. Dei por isso quando acordei e ela continuava adormecida em cima do peito. Não tive coragem de a acordar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Deixámo-la ficar, acomodados nas memórias.

      Beijinhos, Luís. :)

      Eliminar
  3. As saudades têm sempre rajadas de vento norte dentro.

    Um beijinho, Maria, e um sábado feliz :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E areia, Miss Smile, daquela que magoa empurrada pelo vento.

      Beijos e um bom final de Domingo. :)

      Eliminar
  4. Hoje o vento norte que sopra do Gerês traz-me rajadas de saudades acompanhadas de muita melancolia, há dias assim... Maria.

    Bom fim de semana :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O vento instalou-se. A saudade também.

      Beijinhos, Legionário, e uma óptima semana. :)

      Eliminar
  5. É a areia que se insinua no peito, Maria, que turva a luminosidade do olhar. E, depois, com a erosão do vento - o tempo - que os sulcos se gravam no rosto como se fosse um mapa onde fios de água e sal alimentam a saudade.
    BFS, gostei do teu quadro melancólico.
    Bj o mapa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Daí o mapa que já se traça no meu rosto.

      Beijinhos, Agostinho. :)

      Eliminar
  6. Depois de ler, também eu me senti esse cansaço. Resta saber se isso é bom ;)

    ResponderEliminar
  7. ~~~
    Um 'post' muito interessante.
    O texto excelente!
    É seu?

    ~ Dias felizes.~
    ~~~~~~~~~~~~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada, Majo.
      Os textos são meus, à excepção dos que têm autor referências.

      Beijinhos.:)

      Eliminar
  8. Nunca consegui saber se é o cansaço que traz a saudade se o inverso, e por não saber, carrego os dois.
    Abreijo Maria TU

    ResponderEliminar
  9. A saudade aninhada?... há quem a tolere assim
    a ponto de a ausência roer por dentro
    e a saudade estar presente em tudo

    Não entendo,
    eu que só tenho saudades do futuro


    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tu és um homem de grande coragem e convicção.

      Beijinhos, Rogério. :)

      Eliminar
  10. Hoje o vento matou-me as saudades por esses montes fora acompanhando-me nas minhas pedaladas. Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nem sempre é má, a saudade.

      Beijos, GM. :)

      Eliminar
  11. "Dá-lhes lá saudades minhas", encomenda-me por vezes o meu pai referindo-se aos netos. Estas saudades não são como grãos de areia que fustigam as faces, são beijos de carinho... :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Essas são mais a areia quente e dourada das praias paradisíacas.

      Beijos, Luísa. :)

      Eliminar
  12. lindo texto e bela escolha a música...vi-os há pouco tempo no CCB e foi um grande concerto!
    beijos e boa semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, ars.
      Tentei vê-los mas a sala estava esgotada.

      Beijos. :)

      Eliminar