terça-feira, maio 27, 2014

Voo

(Joan Miró - mulher e pássaro)


"(...) Estávamos atentos às matérias e sopros do mundo expressos em imagens e vozes autónomas. Nem sequer nos apercebíamos bem de que as noites separavam os dias: era verão. O espaço, os encontros, as caras, o cabelo das mulheres, roupas estendidas a suar, o vento amplo, grandes pedras, grandes girassóis, a fruta amarela, os bichos. Crescíamos no meio do atordoamento de flores e animais, crescíamos assim. (...)"

Herberto Helder, in Servidões 



Um rebuliço de asas, gorjeios em voos picados, rasando praias... Deixar um rasto na areia molhada, batida pelo vento Norte.

10 comentários:

  1. Antes o Vôo da Ave

    Antes o vôo da ave, que passa e não deixa rasto,
    Que a passagem do animal, que fica lembrada no chão.
    A ave passa e esquece, e assim deve ser.
    O animal, onde já não está e por isso de nada serve,
    Mostra que já esteve, o que não serve para nada.
    A recordação é uma traição à Natureza,
    Porque a Natureza de ontem não é Natureza.
    O que foi não é nada, e lembrar é não ver.
    Passa, ave, passa, e ensina-me a passar!

    Alberto Caeiro, in "O Guardador de Rebanhos - Poema XLIII"

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas deixar um rasto na areia até os mais pequenos pássaros deixam... :)

      Beijinhos Marianos, Legionário! :)

      Eliminar
  2. Faço minhas as palavras do poeta:

    "Uma gaivota – dizes.
    Sim, uma gaivota
    passa distante e arde.
    O teu rosto é azul,
    e contudo está cheio
    do oiro da tarde.

    Uma gaivota.
    Alma do mar e tua,
    abandona-se à luz.
    E na boca nem eu sei
    se me nasce o coração
    ou é a lua."
    Arima (Eugénio de Andrade)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nem tu sabes como este poema cabe nos voos que me encantam! :)

      Beijinhos Marianos, "Maria"! :)

      Eliminar
  3. A mim, apetecia-me ganhar asas e voar...Em voos picados... Mas tenho uma corda que puxa os pés para a terra, e me agarra a esta realidade, nem sempre fácil...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acontece com quase todos nós, Ervilha-Mãe! A realidade prende-nos de forma quase irreversível...
      Haja o sonho!

      Beijinhos Marianos! :)

      Eliminar
  4. Esses voos picados deviam fazer parte da nossa vida, sem medo e sem receios :)
    Beijinhos Maria :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fazem-no mas poucas vezes... Muito poucas...

      Beijinhos Marianos, I! :)

      Eliminar
  5. Um tempo despreocupado deu lugar a um tempo que nos preocupa. Algures, pelo meio, atracou o barco viquingue. Para a maioria as coisas nunca mais foram as mesmas, mas aqui e ali ainda há quem teime em fazer desabrochar as flores...

    Beijo :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Haja, ainda, quem teime!

      Beijinhos Marianos, AC! :)

      Eliminar