terça-feira, maio 20, 2014

O dia certo

(Lourdes Castro - anjo)


Horário do Fim

morre-se nada
quando chega a vez

é só um solavanco
na estrada por onde já não vamos

morre-se tudo
quando não é o justo momento

e não é nunca
esse momento

Mia Couto, in "Raiz de Orvalho e Outros Poemas"



 

 Morre-se a cada dia sem que seja o dia certo e, ao chegar o dia certo de morrer, melhor seria que o não fosse.

12 comentários:

  1. Cada vez há menos momentos de morte
    Cada vez há menos dias certos ou incertos de morrer
    Já não se morre quando tem de ser
    Morrer deixou de ser o que era,
    vamos morrendo, devagar, como quem espera

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Devagar, sim...

      Beijinhos Marianos, Rogério! :)

      Eliminar
  2. Viva!
    Hoje tive um tempinho extra, para poder ler e comentar como deve de ser.
    Normalmente uso o G+1 para marcar presença, mas nem sempre me satisfaz.
    É um privilégio ler escritos bons, e eu vou tentar ser mais presente.
    Abraços e beijos. D

    http://acontarvindodoceu.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  3. Haverá um dia certo? uma razão certa? cada dia tenho mais dúvidas :)))
    Um beijinho Maria :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Julgo que não, que não há dias certos para morrer, seja que tipo de morte for!

      Beijinhos Marianos, I! :)

      Eliminar
  4. Maria...que taciturna me saíste!
    Esquece a morte porque ela nunca se vai esquecer de nós!
    E depois!? Depois fica a tal de saudade!

    Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. :) Tens razão! :)

      Beijinhos Marianos carinhosos, "Maria"! :)

      Eliminar
  5. Estamos sempre a desnascer

    alguns com boas memórias

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que sejam sempre boas, as memórias!

      Beijinhos Marianos, MA! :)

      Eliminar
  6. Morre-se a cada dia: a cada dia se renasce. Morremos apenas quando deixamos de renascer.

    Boa noite, Maria :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, não há como negar essa evidência. Quanto mais não seja porque dormimos e, durante o sono, como que morremos.

      Beijinhos Marianos, Xil! Obrigada pela visita e pelas palavras! :)

      Eliminar