quinta-feira, março 27, 2014

Perseguição

"Também o peixe é meu amigo... Nunca vi nem ouvi falar de um peixe assim. Mas tenho de o matar. Agrada-me pensar que não temos de matar as estrelas..."
Ernest Hemingway, in O Velho e o Mar 

shwidkiy andrey


Mata-se ciclicamente. Sai-se, persegue-se, arpoa-se, esventra-se. As estrelas? As estrelas estão longe de mais, podem brilhar descansadas...
 

10 comentários:

  1. Não estou tão seguro... as estrelas deverão permanecer inquietas - esta gente é capaz de tudo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Talvez tenhas razão, Rogério! Há gente capaz de tudo!

      Beijinhos Marianos! :)

      Eliminar
  2. Respostas
    1. E precisamos dela, dessa luz!

      Beijinhos Marianos! :)

      Eliminar
  3. Boa tarde,
    para o homem não existe impossíveis deste que existe interesse pessoal, se necessário um dia conseguem matar as estrelas como tem feito com tudo ao longo da sua existência .
    Abraço
    ag

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tenhamos esperança, ag!

      Beijinhos Marianos! :)

      Eliminar
  4. Curioso dilema, entre o que brilha abaixo da linha do mar e o que cintila acima da linha do horizonte: se pudéssemos matar as estrelas, que aconteceria aos peixes?

    Boa noite :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se matassemos as estrelas, o que nos aconteceria a nós? Quem sabe os peixes é que ficavama ganhar!

      Beijinhos Marianos, Xil inquiridor! :)

      Eliminar
  5. Gosto tanto desse livro, Maria! Esteve anos na minha estante sem eu lhe pegar e quando lhe peguei afoguei-me nele de uma vez.
    Beijinhos! :-)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ah, mas é preciso ter maturidade para o entender em pleno! É linda, a história, sim. E também é escrito como Hemingway tão bem sabia...

      Beijinhos Marianos, Susana!

      Eliminar