sexta-feira, março 21, 2014

Olhar



 (Júlio Pomar)

Tantas vezes te imaginei, te retoquei na tela do querer 
Tantas vezes te dei um corpo, te inventei um rosto
Tantas vezes te toquei, te encontrei na polpa dos meus dedos

E, de todas as vezes, o teu olhar era o de uma gaivota em voo rasante sobre o mar.

Maria Eu
 

12 comentários:

  1. Júlio, Van Gogh, Debussy
    Maria, Eu
    que faço aqui?
    Comento?
    Não, benzo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E são muito apreciadas, as tuas bençãos!

      Beijinhos Marianos, Rogério! :)

      Eliminar
  2. O pensamento é como uma gaivota... livre de voar.

    Bom Fim de Semana, Maria :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que não nos limitem essa liberdade!

      Beijinhos Marianos, Legionário! :)

      Eliminar
  3. .

    .

    . o esboço de um tempo d`oiro . à beira d`água desenhado .

    .

    . um beijo meu .

    .

    .

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tempo feliz.

      Beijinhos Marianos, Intemporal! :)

      Eliminar
  4. O olhar de uma gaivota em voo rasante sobre o mar é certamente belo, doce e de liberdade. Belíssimo, Maria! :)

    Kiss

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito doce, Vénus!
      (Obrigada)

      Beijinhos Marianos! :)

      Eliminar
  5. Tão belo :)

    A nossa imaginação não tem limites permite tudo ... É só querer :)

    Beijinho Maria :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tempo de gaivotas...

      Beijinhos Marianos, VDT! :)

      Eliminar
  6. Lindo Maria! Palavras desenhadas na tela da imaginação :)
    Beijos

    ResponderEliminar