terça-feira, março 11, 2014

Ah, este país Portugal!

No Meu País  

No meu país
dardejado de sol e da caca dos gaios
só há estâncias
(de veraneio) na poesia.
Nossos lábios
a um metro e sessenta e tal
do chão amarelecido
dos símbolos
abrem para fora
por dois gomos de frio.
Nossos lábios outonais, digo,
outonais doze meses.
No entanto
à flor da possível
geografia
um frémito cinde
as estações do ano.


Sebastião Alba, in 'O Ritmo do Presságio'

*Para saber mais visitar antologia do esquecimento

(
Emigrantes, Santa Apolónia, 1960 [?].
Eduardo Gageiro


 No País  

no país no país no país onde os homens
são só até ao joelho
e o joelho que bom é só até à ilharga
conto os meus dias tangerinas brancas
e vejo a noite Cadillac obsceno
a rondar os meus dias tangerinas brancas
para um passeio na estrada Cadillac obsceno

e no país no país e no país país
onde as lindas lindas raparigas são só até ao pescoço
e o pescoço que bom é só até ao artelho
ao passo que o artelho, de proporções mais nobres,
chega a atingir o cérebro e as flores da cabeça,
recordo os meus amores liames indestrutíveis
e vejo uma panóplia cidadã do mundo
a dormir nos meus braços liames indestrutíveis
para que eu escreva com ela, só até à ilharga,
a grande história do amor só até ao pescoço

e no país no país que engraçado no país
onde o poeta o poeta é só até à plume
e a plume que bom é só até ao fantasma
ao passo que o fantasma - ora aí está -
não é outro senão a divina criança (prometida)
uso os meus olhos grandes bons e abertos
e vejo a noite (on ne passe pas)
diz que grandeza de alma. Honestos porque.
Calafetagem por motivo de obras.
É relativamente queda de água
e já agora há muito não é doutra maneira
no país onde os homens são só até ao joelho
e o joelho que bom está tão barato


Mário Cesariny, in 'Discurso Sobre a Reabilitação do Real Quotidiano'


13 comentários:

  1. No meu país, agora
    não temos apenas esse país
    que esse poeta chora

    O meu país, tem por dentro
    outro país que se levanta
    homens do chão até ao céu
    e mais, pois a muito se agiganta

    Ainda não aconteceu, mas não tarda

    ResponderEliminar
  2. Respostas
    1. Magoa, não é?

      Beijinhos Marianos, Pérola! :)

      Eliminar
  3. Em Portugal, concretiza-se finalmente o pedido de António Mourão ..e estamos regressando a uma escravatura a que só já falta a legalização!!

    Abraços

    ResponderEliminar
  4. Infelizmente, assim é... :(

    Beijinhos Marianos, São! :)

    ResponderEliminar
  5. Respostas
    1. Temos que acreditar que sim, que é! Senão desanimamos,Verinha!

      Beijinhos Marianos! :)

      Eliminar
  6. Acho que infelizmente, e no geral, cada vez reconhecemos menos este Portugal, que parece aos poucos ir deixando progressivamente de ser "o nosso"...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Temos MESMo que lutar para recuperá-lo!

      Beijinhos Marianos, Nikita! :)

      Eliminar
  7. Ao menos, "nem tudo está podre no Reino da Dinamarca", como dizia Bernardo Santareno, e primamos por termos nas nossas artes, poetas, músicos, escritores, pintores, escultores, fotografia, etc., etc., de Grande Valor Mundial, pena que noutros sectores sejamos a desgraça completa.em incompetência e subserviência. Excelentes escolhas para retratar o que somos actualmente.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. De facto, temos uma panóplia de artistas excelente. Estes quatro: Sebastião Alba, Eduardo Gajeiro, Mário Césariny e Sérgio Godinho são bons exemplos disso!

      Beijinhos Marianos, Rogério! :)

      Eliminar