segunda-feira, janeiro 30, 2017

Já morri e renasci


(Mark Rothko)

Já vivi depois de muitas mortes

morta na espera do grito inicial
demorava, mas veio, depois do vómito
cinquenta e um centímetros de altura
rosto marcado pela luta primeira 

morta de telefone na mão
foi agora, há destroços na estrada
viva ao segundo telefonema
a voz dela, da que te embalou

morta nas letras a negro na carta
ainda havia graus - Grau IV
viva, de bata azul, o medo frio
as palavras não - livre - descansar

morta no corpo ferido dele
mãe, não vejo, mãe, mãe
viva, a custo, nas salas brancas
no seu olhar menos preciso, mas seu


36 comentários:

  1. Respostas
    1. Não há um Rothko de que não goste.

      Beijos, Isabel :)

      Eliminar
  2. Grau IV. já que falas nisso também já morri aquando de um grau 4...depois, renasci!
    Aproveito e brindo contigo à vida;
    Tchim Tchim
    Beijo Maria :)

    ResponderEliminar
  3. Adoro este pintor, tem telas maravilhosas.
    Beijinho Maria

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E tão intensas na sua aparente simplicidade.

      Beijos, papoila :)

      Eliminar
  4. Já morri tantas vezes
    que a vida, tal como a morte, deixou de me inquietar

    O que me dá angústia
    é não saber, a cada momento
    qual o meu estado

    O olhar?
    tem mito a ver com isso

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A mim, tudo me inquieta, embora não de uma forma "negra".

      Beijinhos, Rogério :)

      Eliminar
  5. I've heard this many times . . . so powerful, so beautiful.
    A haunting soundtrack.
    And, of course, you've matched it with this powerful painting.
    Rothko (my favorite artist) uses black and that amazing strip of red.
    Wow.
    Nicely done, Maria.
    xx

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Death and resurrection in an intense music.

      Thank you, Rick!
      xx

      Eliminar
  6. Vamos morrendo de pequenas (grandes) mortes. Tudo está bem enquanto vamos conseguindo ressuscitar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ou ver outros a ressuscitar...

      Beijos, Luísa :)

      Eliminar
  7. Tenho um nó na garganta!...
    Tu és um caso sério de talento ... e não te levas a sério!

    Beijos nesse coração de filha, de mãe... de mulher.
    💗

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Minha amiga, tu olhas-me de forma especial. Obrigada por isso!

      Beijos ternos :)

      Eliminar
  8. E ficou a apetecer-me dizer que, a cada morte e renascimento, foste aprimorando. Ai foi, foi, escusas de dizer que são coisas minhas, que exagero e assim. Olha-me para este resultado. Tem paciência, foste aprimorando, e não há cá discussão. :-)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Talvez porque a última morte foi a mais difícil, Cláudia. Renascer, dessa vez, doeu mais.

      Um beijo e um obrigada :)

      Eliminar
  9. Morremos. Vezes sem conta. Renascemos outras tantas, debilitadas mas fortes por dento. Beijinho Maria

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E temos tanta mais força do que aquela que julgamos!

      Beijos, GM :)

      Eliminar
  10. I've heard this many times . . . so powerful, so beautiful.
    A haunting soundtrack.
    And, of course, you've matched it with this powerful painting.
    Rothko
    Wow.

    A haunting soundtrack beautiful ana intense.
    thanks Maria

    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Está música tem algo de especial, realmente.

      Thanks, Black Angel!

      Beijo :)

      Eliminar
  11. Renascer dentro de nós, num parto de alma.;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. De cada vez como da primeira.

      Beijinhos, Legionário :)

      Eliminar
  12. Maria,
    adorei tudo. quadro, poema e música.
    já renasci tanta vez...
    :)
    beijos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Chinezzinha!
      A vida é feita de mortes e renascimentos.

      Beijos :)

      Eliminar
  13. As "mortes", têm sempre o seu lado negativo, mas, ... quantas vezes, é preciso morrer para se voltar a viver intensamente e passar-se a dar um valor diferente à vida ?!

    Creio que não poderias ter escolhido melhores temas, musical e gráfico (fantástico ! ) para o texto, embora eu não possa dizer que seja apreciador destas pinturas !

    És realmente muito especial !
    Beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A vida tem, realmente, um sabor diferente depois das "mortes".

      Obrigada, Rui! Muito!

      Beijos :)

      Eliminar
  14. Uma escrita muito semelhante à do Lobo Antunes.
    Gostei muito!

    ResponderEliminar
  15. Somos sim, sobreviventes, resistentes, resilientes...
    Gostei muito do teu poema e da excelente música, Maria.
    Beijos.
    ~~~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sempre superando-nos.
      Obrigada, Majo!

      Beijos :)

      Eliminar
  16. Olá Maria.
    Sem dúvida, um poema simgular. Gostei. Parabéns.
    Um abraço.
    Pedro.

    ResponderEliminar
  17. E eu que já morri
    estou morto ou vivo
    na escuridão de não saber o caminho
    No entanto senti no teu poema
    a claridade branca aguçada da morte

    Bj.

    ResponderEliminar