sábado, janeiro 07, 2017

Escudo

(Alan McGowan)


Ela mantinha-se dentro de um limite de segurança. Saía para apanhar sol ou para andar à chuva, mas aquele círculo pairava à sua volta como se fosse um escudo. Podiam entrar nele a uma ordem sua e nunca sem antes serem escrutinados naquilo que tivessem de mais íntimo, as ideias.
Um dia, sem aviso prévio, ele entrou de rompante, e ela, de razão perdida e sem poder anímico para restaurar a defesa, ficou despida da sua couraça, à espera do dia seguinte.


30 comentários:

  1. Loving this post, especially the Great Gatsby song.
    Your selections drive me crazy.
    xx

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Thanks, Rck! It's very kind of you!

      Kisses :)

      Eliminar
  2. Ainda bem que eram defesas e não uma couraça:)
    ~CC~

    ResponderEliminar
  3. A vida é uma aventura ousada ou então não será nada...

    Bom fim-de-semana, Maria:))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Passo a passo, assim se leva.

      Beijinhos, Legionário :)

      Eliminar
  4. por isso mesmo o coração deve ser mantido ao largo... de preferência numa garrafa :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oh! Numa garrafa é uma chatice do caraças! Ainda por cima, pode enjoar!

      Beijocas, Stormy boy :)

      Eliminar
  5. Percebo-te...ainda hoje procuro a armadura que perdi noutras Eras...

    bom dia

    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. São tão difíceis de encontrar, uma vez perdidas!

      Beijinhos, Moonchild :)

      Eliminar
  6. Nenhum limite de segurança é intransponível. Resta saber o que aconteceu no dia seguinte. :)

    ResponderEliminar
  7. quebrando com os hábitos de dia a dia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ou tropeçando neles.

      Beijos, alfacinha, e obrigada pelas palavras :)

      Eliminar
  8. Há limites de segurança que não resistem a certos circuitos hormonais...
    Beijo.
    ~~~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hormonais, apenas? Sou menos racional... :)

      Beijos, Majo :)

      Eliminar
  9. Passeei-me por aqui hoje, com vagar e muita satisfação.

    Grata por tão boas sensações.

    Lídia

    ResponderEliminar
  10. que dia seguinte seja o primeiro dia...
    beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um dia, pelo menos, será. :)

      Beijinhos, Manuel :)

      Eliminar
  11. E assim nasceu um grande amor.
    Beijinhos, boa semana

    ResponderEliminar
  12. Às vezes é bom quando quebramos as defesas... Um bom texto.
    Beijos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ainda que seja curto, o tempo.
      Obrigada, Graça!

      Beijos :)

      Eliminar
  13. Respostas
    1. Acrescentamos um ponto, ao conto?

      Beijos, Laura :)

      Eliminar
  14. Foi surpreendida. É só com a surpresa, com o inesperado, que os grandes saltos são dados, para o bem e para o mal. Às vezes sem se dar conta.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E é boa. a vertigem da surpresa, para o bem e para o mal.

      Beijos, Olvido, e obrigada pelas palavras :)

      Eliminar
  15. Que belo naco de prosa, Maria!

    Um círculo, uma linha
    que envolve, circunscreve,
    aprisiona, ou órbita
    na qual adormecem
    esperanças cativas.

    A que altura se eleva
    a linha fortaleza.
    Em que altura se fecha,
    que comoções a esboroam?

    Que se oculta, então,
    na ilusória segurança:
    nua rudeza ou inatingível beleza?

    Bj

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tudo está ali, ao alcance do olhar mais percustante . Tu viste.

      Beijinhos, Agostinho, e obrigada. :)

      Eliminar