terça-feira, janeiro 03, 2017

Festa na aldeia

(Lori Neill)

A música estridente acordou-a de um sono profundo. Enfiou a cabeça debaixo do edredão, resmungando contra a concertina que ecoava, juntamente com a voz aguda de uma mulher, entrando-lhe portadas adentro, a par com uma réstia de sol. De nada lhe valeu tentar abafar o ruído. Maldita aldeia! Os altifalantes que, se bem se recordava, eram colocados estrategicamente na torre da igreja, faziam chegar as escolhas duvidosas da empresa contratada pelo mordomo da festa a quilómetros de distância. 
Era isso! A festa! Sorriu, inconscientemente. O que agora a irritava, outrora fizera as delícias de uma menina. Escapulia-se bem cedo para cirandar pelo adro da igreja a observar todos os preparativos. Rira-se com os nós nos fios da aparelhagem de som, com o ar esgrouviado do padre, de pijama às riscas e chinelos, a dar instruções para o arranjo das flores que as irmãs Loureiro tinham deixado meio descompostas, e do trambolhão que o sacristão dava sempre que subia ao manco e tosco banco de madeira, na tentativa frustrada de limpar a fuligem das lamparinas do altar-mor. Sonhara com príncipes e princesas quando os pares de namorados dançavam, elas de vestidos com folhos, decotes mais atrevidos, o ouro típico das Minhotas nas orelhas e a rodear-lhes o pescoço, descendo-lhes pelo colo, eles de fato e gravata, com o cabelo cuidadosamente penteado, húmido de tanta brilhantina.
Mas o melhor de tudo, o melhor mesmo, era o vestido novo que a mãe lhe mandava fazer na Zulmirinha, a barriga a doer de tanto algodão doce, roscas e massapães e... o beijo que o José lhe roubara no escuro da barraca dos brinquedos de madeira!
Levantou-se, arranjou-se a preceito, e percorreu o caminho de terra batida até que a música lhe ferisse os ouvidos. 


42 comentários:

  1. Respostas
    1. A partir de Janeiro, é um vê se te avias!

      Beijinhos, Pedro, e um 2017 feliz. :)

      Eliminar
  2. oh céus, as coisas que agora avivaste! Beijo Tutu, bom ano!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Memórias, Manel! Memórias! Tocam sempre fundo.

      Beijinhos, Stormy, e um ano para lá de bom. :)

      Eliminar
  3. haja festa e ouvidos para aguentar tal sinfonia e estômago para tais iguarias!

    ResponderEliminar
  4. Há três dias ouvi ao vivo!
    Beijos, Maria

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. :) Podem incomodar a sério!

      Beijos, Isabel :)

      Eliminar
  5. Tão só um rabisco meu. Entendi. Rabiscos.
    Entendi, ouvi, vi no beijo beleza.
    Um ano bom cheio de recordações e deliciosas estórias no tom perfeito.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Teus, também. Entendi. :)

      (obrigada. muito)

      Beijinhos, Agostinho, e um ano com muita poesia, cor, ternura e saúde. :)

      Eliminar
  6. Como eu gosto destas festas :)

    beijinho Maria

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Confesso-te que já gostei mais... :)


      Beijos, Laura :)

      Eliminar
  7. Um quadro perfeito. Ri-me do olhar esgrouviado do padre, do trambolhão do sacristão, deitei a língua de fora às beatas Loureiro, deliciei-me com o algodão doce...
    Quem disse que não podemos voltar a ser felizes nos lugares onde já fomos felizes?

    Um beijinho, querida Maria, e um bom ano :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fico feliz por teres sorrido com estas palavras, Miss Smile!

      Beijocas repenicadas e um ano para lá de bom! :)

      Eliminar
  8. Perfeito e muito bem contado, Maria ! Parece-me estar a ver essas festas do "antigamente" nas aldeias ! :)
    ... E o Rui Veloso um dos meus preferidos e logo com esse "primeiro beijo" do qual ainda guardo a recordação ! :))

    Beijinhos festivos ! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Rui!
      Tu és um homem positivo, só podias gostar de festas! E o Rui? Ah, deu voz a tanta bela poesia do Tê!

      Beijinhos alegres, Rui :)

      Eliminar
  9. Já Camilo dizia ao mundo e às gente das cidades que no Minho, perpétuo jardim do mundo, os inventores de deuses teriam ideado as suas teogonias.

    Bom ano, Maria Eu.
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Maria,
      Tu sabes mexer nas nossas recordações mais recônditas...
      É como se as tuas palavras fizessem uma magia e nos levassem de volta ao doce desassossego dos longos Verões da nossa infância.

      Impontual,
      Depois de ler este teu comentário ainda me sinto mais orgulhosa por ser minhota!
      (^^)

      Beijinhos aos dois

      Eliminar
    2. Uma minhota sabe bem o sentir de outra minhota!

      Beijos festivos, Afrodite :)

      Eliminar
    3. Impontual, as coisas que tu sabes! Um minhoto também sabe, não é? ;)

      Beijinhos e um ano excelente :)

      Eliminar
  10. Memórias encantadoras.
    É estranho quando as coisas que fizeram as nossas maravilhas, agora nos trazem dor de cabeça :)

    Bom Ano de 2017!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Crescer estraga tudo, bolas! ;)

      Beijos, mz, e um excelente 2017 para ti, também! :)

      Eliminar
  11. Talvez não venha ao caso
    mas ocorreu-me
    as festas da cidade
    e mais moderna mocidade
    a que não faltam
    memórias do átrio da aldeia
    nem do beijo dado, nem da romaria
    essa chamava-se Zulmira
    esta chama-se Luzia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E até fica perto, sim. :)

      Beijinhos, Rogério

      Eliminar
  12. Boa tarde, que venham as festas da aldeia e as boas recordações.
    AG

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Principalmente as recordações!

      Beijinhos, AG :)

      Eliminar
  13. Um conto de uma humanidade tocante, com nuances ternas e jocosas muito interessantes.
    Está excelente, Maria, os meus parabéns.
    Beijinhos.
    ~~~

    ResponderEliminar
  14. O encanto das festas de aldeia é sempre maior nas nossas memórias... :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A idade adulta traz-nos esse desencanto, sim.

      Beijos, Luísa :)

      Eliminar
  15. ... e houve baile e fogo de artifício, pressente-se!

    beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E não é que houve mesmo, Manuel?!

      Beijinhos :)

      Eliminar
  16. Emprestei um bocadinho de vida à minha avó minhota, através do teu conto. Tão bonito :)

    Quanto ao primeiro beijo, nem toda a gente tem boas memórias (blegh :))

    Bom ano, Maria Poesia. E beijos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há, no Minho, uma ingenuidade enorme, ainda. As festas nas aldeias continuam assim, goste-se ou não, reproduzindo um passado que nos traz um mundo de recordações.
      Obrigada!

      Beijos, Lindona, e um 2017 para lá de feliz :)

      Eliminar
  17. Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mesmo que não nos demos disso conta.

      Beijos, Graça :)

      Eliminar
  18. Aquilo que gostamos em criança, muitas vezes passamos a nao desejar ouvir/ver/sentir em adulto !!!
    Muito bem escrito Maria e completamente conseguida esta publicação !

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O nosso olhar também cresce e muda.

      Beijinhos, Ricardo, e muito obrigada :)

      Eliminar