sábado, janeiro 14, 2017

Confissão


(Bartolomeo Schedoni - The Martyrdom of Saint Sebastian)
"(...) às vezes quando vou à confissão com outros tipos da escola o padre manda a gente esperar pela nossa vez na sacristia que é pra não fazermos barulho na igreja e então na sacristia há lá uns santos e umas santas e eu gosto sobretudo de ver o santo Espedido porque parece um gajo daqueles filmes que se passam antigamente porque tem uma espécie de armadura e tudo mas esse não é o problema o problema é a santa Filomena e também a santa Madalena que são muito bonitas e até o são Sabastião a modos que me incomoda porque é tão bonito que parece uma miúda a gente só vê que não é uma miúda porque está quase nu e as santas não se põem assim e então o que acontece é que se eu não tinha pecado em pensamento antes de entrar na sacristia quando vou pró confessionário aí é que já pequei." 

João Aguiar, in Navegador Solitário





Clarinha entrou na sala num repente, cabelo em desalinho da correria desde a igreja.
"- Oh, mãe, o Sr. Padre fez-me perguntas esquisitas!"
"- Como assim, esquisitas, menina? Esta canalha!"
"- Sim! Fui à confissão esta manhã, depois da catequese, e o Sr. Padre... Mas não é pecado, eu dizer? Foi na confissão! Depois não tenho que me confessar disso?"
"- Mau! Diz lá que depois eu logo resolvo esse problema! Diabo da miúda!"
"- Eu disse que tinha batido no Zé da Mena e que (corou) menti ao pai ontem ao dizer que a mana estava no quarto quando estava ao portão com o José. Então, ele perguntou: E mais nada? Não tens tido pensamentos impuros? E eu nem sei o que ele queria dizer com aquilo, mãe! E repeti que só tinha aqueles pecados e mais nenhuns e ele a rir-se. E continuava: Tens a certeza que ainda não pensas em rapazes? E então eu..."
A mãe, com expressão carregada, interrompeu-a:
"- Tu nem me contes mais nada! Tu nem me contes mais nada!" Ia a sair da sala mas, virou-se para trás e ordenou:"- Tu nunca mais vais ao confessionário, ouviste? Nunca mais!"

Nem Clarinha, nem mais ninguém da família. Dali em diante, cada um se passou a confessar a Deus, em "ligação directa".




28 comentários:

  1. Ligação directa?
    Também já pensei nisso... achas que a vodafone tem tarifário razoável?

    (o Aguiar, é estilo rogerito?)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acho que é gratuito! ;)

      (o Aguiar tem uma obra que eu muito aprecio. morreu precocemente. este livro é uma delícia e vai evoluindo de forma inesperada, à medida que a escrita melhora, também)

      Beijinhos, Rogério :)

      Eliminar
  2. Sem dúvida! Ter linha directa é uma beleza. Isto dos intermediários em negócios íntímos tem coisa...
    Ri-me à brava. E mais, faço uma pergunta ingénua: que razão motivava que as encomendas das pinturas e esculturas dos santos e santas fossem em grande parte figuras esbeltas e porventura sedutoras?
    Isto dava um belo ensaio, não?
    Deliciosa a tua narrativa.
    BFS.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ler este livro do João Aguiar é uma delícia.
      Olha que essa questão dos santos e santas é de pensar!
      Obrigada!

      Beijinhos, Agostinho :)

      Eliminar
  3. A razão pela qual nunca me confessei e optar sempre pela "linha directa" é ver sempre o padre como um homem. O da minha paróquia era um rapaz lindíssimo. Eu era uma catraia e acho que tinha uma queda para relações perigosas e proibidas (já aí). Sempre que via o padre corava. Nunca me ajoelhar para fazer confidências ao sr padre, embora ele insistisse, tomas a hóstia, tens de contar os teus pecados,ou não tens?
    Eu achava que tinha, mas não.
    Beijo

    ResponderEliminar
  4. Gosto muito da pintura de Bartolomeo Schedoni. Tantos pintores retrataram S. Sebastião. Tenho uma predileção enorme pelos retratos de S.Sebastião e Joana d'Arc.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Escolhi este porque tem mesmo uma beleza feminina, apesar dos músculos. Até a pose é feminina!

      Eliminar
  5. Beautiful post (as always.)
    I love those old instruments,
    and what a voice. Wow.
    I enjoy you . . .
    xo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Philippe Jaroussky has a celestial voice!

      Kisses, Rick :)

      Eliminar
  6. O che bel star è star in Paradiso
    Dove si vive sempr'in fest'e riso
    Vedendosi di Dio svelat'il viso
    O che bel star è star in Paradiso.

    Ó que bom é estar no Paraíso
    Onde se vive sempre em festa e riso
    Vendo Deus revelar o viso
    Ó que bom é estar no Paraíso

    Ohimè ch'orribil star star nell'inferno
    Ove si viv'in piant'e foco eterno
    Senza veder mai Dio in sempiterno
    Ahi, ahi, ch'orribil star giu nell'inferno.

    Belíssima voz a de Philippe Jaroussky. Extraordinário!

    ResponderEliminar
  7. Confissão eu faço a DEUS, que não relegou esse privilégio a ninguém, tão imperfeitos como nós,
    gostei do relato Maria, bom fim de semana, bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fazes tu muito bem!

      Obrigada, Zulmira, e uma boa semana :)

      Eliminar
  8. Maria, acho que o tema "Personal Jesus" dos Depeche Mode também ficaria bem aqui...
    Quanto a “confissão” desde que fiz a Primeira Comunhão, das minhas confissões só Deus sabe as “conversas” que tenho com Ele.;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito bom, esse tema!
      Confesso que não me confesso. ;)

      Beijinhos, Legionário :)

      Eliminar
  9. "Confissão" ... coisa tão desnecessária e causadora de tanta "infelicidade individual e conjugal em décadas passadas ! :(
    Impressionante o mal que se fazia à juventude e adolescência desses (maus) tempos ! :)
    Como era possível, nesses tempos, considerar-se pecaminoso o conhecimento e exploração do próprio corpo ?! ... :((( ...
    Como pode o amor físico ser considerado um pecado ??? ...
    Como poderiam os padres "baralhar" desse modo as mentes jovens e fazê-las carregar verdadeiros pesadelos ?...
    Absolutamente lamentável, Maria Eu . :((

    ... E já agora, curioso, porque não se vêem santas despidas e se vêem Deusas ? ... rsrsrs

    Beijo ! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tens toda a razão, Rui! A culpa que tantos carregavam, apesar das penitências cumpridas, infligida pelos padres no confessionário!

      Sim, as Deusas são umas desavergonhadas! Eheheheheh!

      Beijinhos, Rui :)

      Eliminar
  10. tive que lá ir por conta da catequese, mas penso que pecava mais no cubículo do que cá fora, uma vez que, inventava algumas situações, para o padre se calar com as perguntas, vinha logo a penitência e era um alívio.

    ResponderEliminar
  11. Quantas Clarinhas haverá?
    Irritava-me solenemente quando era garoto o padre dizer quais eram os meus pecados.
    Os que cometia e outros que nem por isso.
    Também optei há já muitos anos pela "ligação directa".
    Boa semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A Igreja tem uns representantes assaz canhestros.

      Beijinhos, Pedro :)

      Eliminar
  12. João Aguiar é um grande escritor. Achei delicioso o texto.
    Uma boa semana.
    Beijos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Adoro a escrita dele. Tão versátil nas temáticas. E este livro, então, é dos meus favoritos de sempre.

      Beijos, Graça, e bom final de Domingo :)

      Eliminar
  13. quando éramos pequenas, inventariávamos pecados e ganhava a que tivesse o maior número, uns verdadeiros, a maior parte falsa

    Deus não precisa de ligações indiretas e nós também não


    um abraço, Maria

    ResponderEliminar