sábado, janeiro 14, 2017

Confissão


(Bartolomeo Schedoni - The Martyrdom of Saint Sebastian)
"(...) às vezes quando vou à confissão com outros tipos da escola o padre manda a gente esperar pela nossa vez na sacristia que é pra não fazermos barulho na igreja e então na sacristia há lá uns santos e umas santas e eu gosto sobretudo de ver o santo Espedido porque parece um gajo daqueles filmes que se passam antigamente porque tem uma espécie de armadura e tudo mas esse não é o problema o problema é a santa Filomena e também a santa Madalena que são muito bonitas e até o são Sabastião a modos que me incomoda porque é tão bonito que parece uma miúda a gente só vê que não é uma miúda porque está quase nu e as santas não se põem assim e então o que acontece é que se eu não tinha pecado em pensamento antes de entrar na sacristia quando vou pró confessionário aí é que já pequei." 

João Aguiar, in Navegador Solitário





Clarinha entrou na sala num repente, cabelo em desalinho da correria desde a igreja.
"- Oh, mãe, o Sr. Padre fez-me perguntas esquisitas!"
"- Como assim, esquisitas, menina? Esta canalha!"
"- Sim! Fui à confissão esta manhã, depois da catequese, e o Sr. Padre... Mas não é pecado, eu dizer? Foi na confissão! Depois não tenho que me confessar disso?"
"- Mau! Diz lá que depois eu logo resolvo esse problema! Diabo da miúda!"
"- Eu disse que tinha batido no Zé da Mena e que (corou) menti ao pai ontem ao dizer que a mana estava no quarto quando estava ao portão com o José. Então, ele perguntou: E mais nada? Não tens tido pensamentos impuros? E eu nem sei o que ele queria dizer com aquilo, mãe! E repeti que só tinha aqueles pecados e mais nenhuns e ele a rir-se. E continuava: Tens a certeza que ainda não pensas em rapazes? E então eu..."
A mãe, com expressão carregada, interrompeu-a:
"- Tu nem me contes mais nada! Tu nem me contes mais nada!" Ia a sair da sala mas, virou-se para trás e ordenou:"- Tu nunca mais vais ao confessionário, ouviste? Nunca mais!"

Nem Clarinha, nem mais ninguém da família. Dali em diante, cada um se passou a confessar a Deus, em "ligação directa".




28 comentários:

  1. Ligação directa?
    Também já pensei nisso... achas que a vodafone tem tarifário razoável?

    (o Aguiar, é estilo rogerito?)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acho que é gratuito! ;)

      (o Aguiar tem uma obra que eu muito aprecio. morreu precocemente. este livro é uma delícia e vai evoluindo de forma inesperada, à medida que a escrita melhora, também)

      Beijinhos, Rogério :)

      Eliminar
  2. Sem dúvida! Ter linha directa é uma beleza. Isto dos intermediários em negócios íntímos tem coisa...
    Ri-me à brava. E mais, faço uma pergunta ingénua: que razão motivava que as encomendas das pinturas e esculturas dos santos e santas fossem em grande parte figuras esbeltas e porventura sedutoras?
    Isto dava um belo ensaio, não?
    Deliciosa a tua narrativa.
    BFS.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ler este livro do João Aguiar é uma delícia.
      Olha que essa questão dos santos e santas é de pensar!
      Obrigada!

      Beijinhos, Agostinho :)

      Eliminar
  3. A razão pela qual nunca me confessei e optar sempre pela "linha directa" é ver sempre o padre como um homem. O da minha paróquia era um rapaz lindíssimo. Eu era uma catraia e acho que tinha uma queda para relações perigosas e proibidas (já aí). Sempre que via o padre corava. Nunca me ajoelhar para fazer confidências ao sr padre, embora ele insistisse, tomas a hóstia, tens de contar os teus pecados,ou não tens?
    Eu achava que tinha, mas não.
    Beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Crescemos e aprendemos. Ainda bem!

      Beijos, KK :)

      Eliminar
  4. Gosto muito da pintura de Bartolomeo Schedoni. Tantos pintores retrataram S. Sebastião. Tenho uma predileção enorme pelos retratos de S.Sebastião e Joana d'Arc.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Escolhi este porque tem mesmo uma beleza feminina, apesar dos músculos. Até a pose é feminina!

      Eliminar
  5. Beautiful post (as always.)
    I love those old instruments,
    and what a voice. Wow.
    I enjoy you . . .
    xo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Philippe Jaroussky has a celestial voice!

      Kisses, Rick :)

      Eliminar
  6. O che bel star è star in Paradiso
    Dove si vive sempr'in fest'e riso
    Vedendosi di Dio svelat'il viso
    O che bel star è star in Paradiso.

    Ó que bom é estar no Paraíso
    Onde se vive sempre em festa e riso
    Vendo Deus revelar o viso
    Ó que bom é estar no Paraíso

    Ohimè ch'orribil star star nell'inferno
    Ove si viv'in piant'e foco eterno
    Senza veder mai Dio in sempiterno
    Ahi, ahi, ch'orribil star giu nell'inferno.

    Belíssima voz a de Philippe Jaroussky. Extraordinário!

    ResponderEliminar
  7. Confissão eu faço a DEUS, que não relegou esse privilégio a ninguém, tão imperfeitos como nós,
    gostei do relato Maria, bom fim de semana, bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fazes tu muito bem!

      Obrigada, Zulmira, e uma boa semana :)

      Eliminar
  8. Maria, acho que o tema "Personal Jesus" dos Depeche Mode também ficaria bem aqui...
    Quanto a “confissão” desde que fiz a Primeira Comunhão, das minhas confissões só Deus sabe as “conversas” que tenho com Ele.;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito bom, esse tema!
      Confesso que não me confesso. ;)

      Beijinhos, Legionário :)

      Eliminar
  9. "Confissão" ... coisa tão desnecessária e causadora de tanta "infelicidade individual e conjugal em décadas passadas ! :(
    Impressionante o mal que se fazia à juventude e adolescência desses (maus) tempos ! :)
    Como era possível, nesses tempos, considerar-se pecaminoso o conhecimento e exploração do próprio corpo ?! ... :((( ...
    Como pode o amor físico ser considerado um pecado ??? ...
    Como poderiam os padres "baralhar" desse modo as mentes jovens e fazê-las carregar verdadeiros pesadelos ?...
    Absolutamente lamentável, Maria Eu . :((

    ... E já agora, curioso, porque não se vêem santas despidas e se vêem Deusas ? ... rsrsrs

    Beijo ! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tens toda a razão, Rui! A culpa que tantos carregavam, apesar das penitências cumpridas, infligida pelos padres no confessionário!

      Sim, as Deusas são umas desavergonhadas! Eheheheheh!

      Beijinhos, Rui :)

      Eliminar
  10. tive que lá ir por conta da catequese, mas penso que pecava mais no cubículo do que cá fora, uma vez que, inventava algumas situações, para o padre se calar com as perguntas, vinha logo a penitência e era um alívio.

    ResponderEliminar
  11. Quantas Clarinhas haverá?
    Irritava-me solenemente quando era garoto o padre dizer quais eram os meus pecados.
    Os que cometia e outros que nem por isso.
    Também optei há já muitos anos pela "ligação directa".
    Boa semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A Igreja tem uns representantes assaz canhestros.

      Beijinhos, Pedro :)

      Eliminar
  12. João Aguiar é um grande escritor. Achei delicioso o texto.
    Uma boa semana.
    Beijos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Adoro a escrita dele. Tão versátil nas temáticas. E este livro, então, é dos meus favoritos de sempre.

      Beijos, Graça, e bom final de Domingo :)

      Eliminar
  13. quando éramos pequenas, inventariávamos pecados e ganhava a que tivesse o maior número, uns verdadeiros, a maior parte falsa

    Deus não precisa de ligações indiretas e nós também não


    um abraço, Maria

    ResponderEliminar