sábado, julho 02, 2016

Palmas ao acordar

Aos Domingos, as palmas chegavam mais tarde, lá pelas oito e meia. Era ao som de palmas que acordavam, nas camas de ferro que se perfilavam em linhas de quinze, encostadas às paredes laterais do dormitório. Palmas e rezas, claro, que as freiras não brincavam em serviço e, mesmo rezando, puxavam, em movimentos bruscos, os cobertores daquelas que se aninhavam no torpor do sono, enquanto alteavam a voz na "Avé Maria".


27 comentários:

  1. Colónias de férias ligadas à igreja!
    Sei bem o que isso é... Andei por lá uma série de anos, em Peniche. E sabes o que nos faziam quando demorávamos a levantar? Um púcaro de água pela cara abaixo. Foi só um pormenor do cardápio de regras. :)
    Bom domingo, Maria!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não sou fã de "irmãs", definitivamente!

      Beijos, Isabel :)

      Eliminar
  2. Great combination . . . Oophoi's dreamy electronica track with that surreal Bosch piece.
    Nicely chosen.
    (If the rain stops, I'm going outside, and find a dark street to light some fireworks.
    It's 4th of July weekend holiday.)
    xxoo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Thanks, Rick! I hope you've had a blast yesterday!

      Kisses :)

      Eliminar
  3. gosto que me acordem com palmas, depois faço duas ou três vénias e elas param :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. As delas só paravam quando todas estivessem levantadas e a responder à reza.

      Beijocas, Polvinho :)

      Eliminar
  4. Um cabo e uma freira
    distinguem-se pelas fardas
    um acorda com clarim
    a outra bate palmas

    mesmo se não se está em tempo de guerra


    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma bela comparação, Rogério!

      Beijinhos :)

      Eliminar
  5. Tão meigas e dedicadas, adoram criancinhas, deve ser por isso que não as têm, ou têm?

    Boa noite Maria TU

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Umas queridas!!

      Beijos, noname, e uma boa tarde :)

      Eliminar
  6. Se muitos dos alunos que hoje em dia faltam ao respeito aos professores e até os agridem fisicamente, tivessem passado primeiro por essas "regras e afins" dessas instituições, certamente que hoje em dia teriam uma melhor educação...

    Bom domingo, Maria :))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sabes, Legionário, desta vez não concordo contigo! Acho que aquela rigidez não ajudou em nada quem por lá foi educado. Foi, isso sim, fonte de muitos pesadelos, recalcamentos e frustrações.

      Beijinhos, Legionário :)

      Eliminar
  7. Respostas
    1. Boa tarde, caro Observador! Bons olhos o vejam! :)

      Beijinhos

      Eliminar
  8. Ainda há pessoas que acreditam que estas criaturas más e sádicas
    que pecavam com uma cruz ao peito, educavam com o seu exemplo de
    hipocrisia...
    Só, mesmo, quem não as conheceu!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tens razão, Majo. Só mesmo quem não as conheceu!

      Beijos :)

      Eliminar
  9. Livra-nos Senhor das mulheres piedosas, sobretudo se forem daquelas que se dizem irmãs.

    ResponderEliminar
  10. Mas que grande dor de cabeça, Maria, que isto me provocaria! :=)

    ResponderEliminar
  11. Estive uma vez numa colónia de férias, não me lembro como era o acordar, mas lembro-me que adorei aquelas férias :)) não era com freiras mas sim com professores, talvez seja por isso :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ainda bem, GM. Não te desejaria estas memórias.

      Beijos :)

      Eliminar
  12. Respostas
    1. Sobrevivemos e conseguimos deixar para trás os preconceitos e a hipocrisia.

      Beijos, Graça :)

      Eliminar
  13. E nem as Avé Marias impediam que janelas se abrissem, muros fossem galgados em relâmpagos de liberdade.
    Dizia-se então que eram "casas de respeito" e não passavam de casas de reclusão.

    Boa prosa, Maria.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas as janelas estavam pregadas, Agostinho. Só os postigos se abriam...
      Casa de reclusão, sim.

      Beijinhos :)

      Eliminar