sexta-feira, julho 29, 2016

Escreveu-lhe uma carta

(Roderic O'Conor)

Escreveu-lhe uma carta. Nunca gostara de escrever, muito menos cartas. Saíam-lhe sempre palavras em atropelo. Estranho, como quando falava tinha um discurso tão articulado e, ao correr da pena, era como se houvesse um travão nos seus dedos. Ainda assim, escolheu um papel amarelo com linhas (tinha que ter linhas porque senão nunca acertaria na direcção certa, ora subindo, ora descendo, num desencontro absurdo), uma esferográfica preta de ponta fina, sentou-se à secretária e começou:

Hoje, esteve um calor tórrido. Lembrei-me das nossas férias na praia. De vez em quando lembro-me desses meses de Verão, em que tudo parecia tão simples. Ou era mesmo tudo simples? Sabes, aquele vestido laranja com cintura descaída e alças finas que costumavas usar ao Domingo? Fiz um igual. Visto-o em casa, quando a saudade aperta e o mar está tão longe que nem sequer há gaivotas a cruzar o céu. Vai parecer-te bizarro, eu sei, mas continuo a usar manteiga de cacau na pele. Não para me proteger do sol, como antigamente (torrávamos, isso sim, com aquela gordurazinha, no calor), mas para sentir o cheiro da adolescência descuidada e feliz. Isto tudo para te dizer que me faltas. Faltas-me tanto que me dói, bem ali, sob a pele, do lado esquerdo do peito.



32 comentários:

  1. Era mesmo tudo simples
    (e sim, a adolescência tem um odor doce)

    ResponderEliminar
  2. I love everything about this painting . . .
    the red dress, one strap off, that pose, her look!
    Nice choice.
    With Queen to boot. Great song.
    I miss Freddie so much.
    (Have a great weekend. Do something famous.)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Thank you, Rick!

      Hope you're having a great August! :))

      Eliminar
  3. Não há cura para a saudade... quando nos invade o coração, tatua-nos para sempre.

    Bom fim de semana, Maria :))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É uma danada, a saudade!

      Beijinhos, Legionário :)

      Eliminar
  4. custou mas saiu como que a voar... muito bom :)
    beijos Tutu

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. As memórias aguçam o engenho.

      Beijocas, miúdo dos tentáculos :)

      Eliminar
  5. ~~~
    «These are the days...»

    Muito bem imaginado e escrito,
    em perfeita conjugação de elementos...
    Beijinhos.

    Ps - Espero, hoje, a tua visita.
    ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada, Majo.
      Fico emocionada pela tua lembrança!

      Beijos :)

      Eliminar
  6. Que falta nos fazem esses verões, assim...
    Feliz verão, Maria.
    Beijinhos,
    Mia

    ResponderEliminar
  7. O cheiro é a mais espantosa memória que se pode ter, mais que traçar o perfil da imagem guardada e amada.
    Bonito texto, Maria.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Às vezes, sente-se o outro pelo cheiro...~
      Muito obrigada, Agostinho!

      Beijinhos :)

      Eliminar
  8. As memórias que trazem cheiro são as mais doces, as que nos tocam ainda mais. Beijinho Maria

    ResponderEliminar
  9. Gostei do casamento, palavras tuas, imagem e música !!!

    ResponderEliminar
  10. Um texto com a fluidez dita pela saudade. O tempo, o cheiro (descuidado e próprio dos jovens!), o olhar, as lembranças de um tempo.
    Um post escrito com a tinta preta da caneta, mas com a tinta azul e laranja das memórias marcantes que o tempo levou!
    Emocionei-me pelo texto (ao ler essas notas de lembrança, lágrimas me coçam os olhos! - acho que é a velhice!).
    Beijos Menina!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A memória traz-nos as emoções à flor da pele.
      (Obrigada. Muito.)

      Beijinhos, PDR :)

      Eliminar
  11. Um post todo ele muito belo, muito bem imaginado e construído.
    Boa semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Grata pelas tuas palavras, Pedro!

      Beijinhos :)

      Eliminar
  12. Um texto excelente! Pode voltar-se aos lugares do amor através das palavras. Foi o que fez.
    Uma boa semana.
    Beijos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada, Graça! As palavras podem fluir da memória, levando-nos de novo a esses lugares, sim.

      Beijos :)

      Eliminar
  13. "Those were the days of our life"...
    Bela escolha, Maria, para complementar o texto.
    Beijinhos e uma boa semana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Freddie era um espectáculo!

      Beijos, Ava, e obrigada :)

      Eliminar
  14. lindo, Maria.
    há memórias que nos doem na pele...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fazem-nos rescender a perfumes antigos.

      Beijos, Laura, e obrigada :)

      Eliminar
  15. Gostei Maria, o amor faz sempre falta, bjs e boa semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O amor, em todas as suas vertentes.

      Obrigada, Zulmira, e um beijo :)

      Eliminar
  16. Lindo texto, era como se fosse a minha saudade.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada pelas palavras, Andressa!

      Beijinhos :)

      Eliminar