quarta-feira, junho 22, 2016

O amor intermitente

(Pablo Picasso)


Acordaram um amor intermitente. Amordaçavam-no, deixavam-no à míngua de alimento num qualquer lugar frio e escuro, para o libertarem de quando em vez, furioso e voraz, quase os matando de tanta intensidade.


36 comentários:

  1. Um amor intermitente que se prolonga nas suas várias intermitências, é um amor puro e verdadeiro.
    Não está sujeito à erosão do quotidiano... e por isso provoca uma fome que nunca chega a ser saciada.


    Jaroussky... :))
    Tanti bacci per te, cara mia
    (^^)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Foste ao âmago da história.

      Beijos, Afrodite :))

      Eliminar
  2. (hummm, coisas que certamente
    só acontecem às mulheres...)

    ResponderEliminar
  3. Amores intermitentes...ideia triste.
    bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Alegre não deve ser. Pelo menos, a maior parte das vezes.

      Beijos, papoila :)

      Eliminar
  4. Respostas
    1. Uma imagem interessante!

      Beijinhos, Pedro :)

      Eliminar
  5. O “amor permanente” e “amor intermitente” existem e variam conforme o temperamento das pessoas. Umas só sabem amar deixando correr a fonte permanente dos sentimentos; outras vão vivendo as intermitências e alternativas (ódio-amor, amor-ódio).

    O amor permanente tanto pode ter várias uniões como uma só. Mas todas serão integrais, de amor fluente. Enquanto envolto numa relação, o tipo permanente amará sem parar, com constância. Se a relação acabar, “partirá para outra”…, sempre de maneira permanente. O amor intermitente pode viver a vida inteira numa só relação, mas ela será entrecortada de paixão, procura, ódio, tédio, saudade, busca. Ou pode viver várias relações, inclusive paralelas, todas entrecortadas, repletas de alternativas.

    Bom São João Maria, com muito amor permanente:))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que sejam felizes, os amantes, com a sua escolha de amor. :)

      Beijinhos, Legionário :)

      Eliminar
  6. Por vezes é o amor possível.
    Gostei muito de ler, Maria.
    Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ou, o amor possível...
      Obrigada, Sandra!

      Beijos :)

      Eliminar
  7. amor - ódio
    Coisa que não me assiste (muito)...
    ou é ou não é...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Talvez não seja ódio, apenas contenção.

      Beijinhos, Urso Misha :)

      Eliminar
  8. Olá, Maria.
    Nunca me havia ocorrido a ideia... "amor intermitente".
    Tento viajar na sua definição, abocanhar-lhe a razão - ou não haverá razão: é porque sim.
    Um amor que não é constante na presença. Vai e vem, à medida de sua vontade ou das circunstâncias que se põem a jeito.
    Não sei se gosto, mas... talvez já tenha experimentado algo parecido. Ainda assim, não considero que seja enriquecedor/alimentador da nossa existência, como alma amante de amor do bom.
    ;)

    bj amg

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Talvez seja pouco. Talvez não. Depende do carácter dos amantes. Difícil, deve ser, sim.

      Beijos, Carmem :)

      Eliminar
  9. "Amor intermitente".... como os rios seco durante a seca e que se renovam com as águas que chegam... Um rio intermitente é um rio adormecido... como os amores eternos!!!
    Lindinho demais!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Refrear para, de seguida, enlouquecer.
      Obrigada, PDR.

      Beijinhos :)

      Eliminar
  10. ~~~
    Emoções intensas, caudalosas, a transbordar as margens...
    Acontece com quem é obrigado a ficar separado...
    Tempos difíceis...
    Beijinho, ME.
    ~~~~~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Imagino-os ansiosos pelos momentos de encontro...

      Beijos, Majo :)

      Eliminar
  11. Sei de alguém que teve um amor assim. Correu mal....
    Beijinho Maria :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Opções que apenas os próprios sabem porque tomam.

      Beijos, GM :)

      Eliminar
  12. As vezes perigosos Maria porque não se dão conta que nos intervalos se perde.
    E quando retornam querem descontar o atraso rs
    Aí 'furioso e voraz' pode causar...
    beijos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Talvez sejam perigosos, sim. Não sei.

      Beijos, Lis :)

      Eliminar
  13. A intensidade está na paixão, ela mantém-nos vivos. :)

    Uma partilha bonita, Maria. :)

    Deixo-te um beijo no coração. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há quem troque tudo por uns momentos de paixão.

      Beijos, doce Castiel :)

      Eliminar
  14. Quanto amor, mas que seja permanente e não intermitente, gostei bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Talvez assim seja para que permaneça.

      Beijos, Zulmira :)

      Eliminar
  15. Respostas
    1. Sim. Independentemente das escolhas.

      Beijos, Graça :)

      Eliminar
  16. às vezes até essa intensidade ajuda.
    abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Intensidade ajuda sempre. :)

      Beijos, Sara :)

      Eliminar
  17. A intermitência pode causar tumultuosos terramotos nas estruturas físicas, destruição, fadiga ...
    bom dia, Maria.

    ResponderEliminar