quarta-feira, novembro 27, 2013

Tá mar

                         (David Bates)

Saem em botes com nomes de santas e santos; "Senhora da Agonia", "Senhor dos Aflitos", "São Cristóvão", ou de mulheres que deixam em terra; "Maria", "Helena", "Marta". Do mar sabem tudo e não sabem nada porque o mar não se sabe nunca. Alguns já viraram o Cabo Bojador em bacalhoeiros onde não querem voltar. São donos de si, ainda que nada valham no mar encrespado que já levou o Toino da Serena, o Manel da Teresa e o Joãozinho Fontes, tão novo que nem se tinha estreado com mulheres. São pescadores, homens com sal nas mãos e marés no coração.

(Já não há Estaleiros Navais em Viana do Castelo. Os navios e os  bacalhoeiros não voltarão a fazer parte da paisagem.Os marinheiros dos pequenos botes não terão mais inveja dos grandes navios.)

10 comentários:

  1. Respostas
    1. Muitos, a par com terras.

      Beijinhos Marianos! :)

      Eliminar
  2. "Me está doliendo una pena y no la puedo parar y se revuelve en silencio tumba abierta en soledad y quiero hacerla cometa, para poderla volar.

    Me está ganando esta pena y la quiero ceder y buscar por ser palabra y es por hacerse entender en brazos de mi guitarra y la tengo que esconder y en mi guitarra quisiera dejar la pena llorar, hacerla surco en el tiempo, hacerla tiempo en la mar.

    Ser con la mar un viento que se la pueda llevar.

    Me está doliendo esta pena acuñada en el portal de este vacío sonoro que no sabe a dónde va, de este vacío que lloro por quererlo remediar, y en mi guitarra quisiera dejar la pena llorar, romper la monotonía de este pueblo en carnaval, de este pueblo que me duele cada día más y más y es que es una inmensa pena que me tengo que callar.

    Me está doliendo una pena... y me tengo que callar."

    Muita nostalgia paira em mim:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Patxi Andion tem canções belíssimas, tanto musical como poeticamente.

      Beijinhos Marianos, Legionário! :)

      Eliminar
  3. Talvez recordados do mar aplacado quando o Senhor sobre ele caminhou, os pescadores dão dele o nome aos barcos, na esperança, talvez acertada, talvez vã, de que o mar perceba que aqueles que navegam no "Senhor dos Aflitos" ou no "Senhora da Agonia" são tão intocáveis como o ser supremo. Mas do mar, de facto, nunca nada se sabe. O mar é tão imprevisível como um deus. Para eles, muitas vezes, o mar é, afinal, o que lhes dita a vida, ou o fim dela. O ser supremo, o derradeiro ser supremo.

    Boa noite, Maria. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eles acreditam que serão salvos e nem a morte de tantos os convence do contrário!
      Tal como é uma "morte" o encerramento dos Estaleiros Navais de Viana do Castelo para, peolo menos, 640 pessoas...

      Beijinhos Marianos, Xil! :)

      Eliminar
  4. quanto desse sal são lágrimas de Portugal?

    lá vai mais uma!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mais as vertidas pelos 640 trabalhadores dos Estaleiros de Viana! :(

      Beijinhos Marianos, Tétisq!

      Eliminar
  5. E as mulheres dos pescadores, que ficavam com o coração na boca, continuarão a ficar com o coração na boca por outras razões...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, faltaram aqui as mulheres que se encolhem no frio da espera...

      Beijinhos Marianos, je suis...noir! :)

      Eliminar