segunda-feira, abril 11, 2016

Caminhos

(Kerry Skarbakka)


Sobre ele caíra a ira dos bravos, dos sábios, dos bons. Um de entre eles, julgara-se. Houvera jogos de xadrez, viagens exóticas, jantares regados com vinhos absurdamente caros. Mais, tinham frequentado o mesmo sofisticado e restrito clube onde partilhavam a sala de fumo de onde saíam com o travo dos Cohibas esplendidos e o sorriso displicente dos que são superiores. Agora, relegado para a cervejaria da esquina, restava-lhe sair para o vento da rua e fumar uma cigarrilha junto com alguns clientes que lhe falavam do tempo e da política corriqueira que se segue nos tablóides. 
Ele ainda não sabe mas os que julgara bravos, sábios e bons eram, afinal, covardes, ignorantes e maus. A sua desgraça poderia ser a sua redenção.


19 comentários:

  1. De la linea clásica me gusta el Cohiba Lanceros. Una desgracia, pero quiza la redención.

    Abrazo, Maria

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma aprendizagem, talvez.

      Abraço, Impontual :)

      Eliminar
  2. A redenção é sempre temporária, toda a vaidade será rejeitada como forma de dizer-se que nada existe infinitamente, essa pretensão que se vê em certos meandros do poder e afins, o riso de escárnio a soberba, durará o tempo em que dura uma palavra para ser dita.
    Depois os amigos já desapareceram há muito, os amigalhaços estão a desaparecer, a comunicação social esquece… e o esquecido fenece irremediavelmente!

    Boa semana, Maria :))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A atracção pela voragem do que o dinheiro pode comprar sem a reflexão que se impõe.

      Beijinhos, Legionário :)

      Eliminar
  3. Maior a subida, maior a queda. Nada nem ninguém quer saber, ou muito poucos, a não ser para ajudar na descida... Beijinho Maria

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A ambição desmedida não ajuda.

      Beijos, GM :)

      Eliminar
  4. Querida Maria Eu,
    Do que ele se livrou... esses clubes são um enfado. Pena que os não tivesse sabido escolher antes, como também não soube depois.
    Boa noite,
    Outro Ente.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A ambição pode cegar.

      Boa tarde, caro Ente. Beijinhos. :)

      Eliminar
  5. Nenhuma desgraça é redentora.
    Por vezes serve apenas para acordar a alma
    e perceber que não há quem não se engane
    na avaliação dos bravos
    dos sábios e dos bons

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Talvez o seja pela lição de vida, Rogério.

      Beijinhos :)

      Eliminar
    2. O último desgraçado que vi morrer com um sorriso nos lábios,
      era um alienado mental

      ou será que seria um poeta?

      Eliminar
  6. Falsos amigos.
    Dispensam-se porque não interessam a ninguém.
    Por mais bonita que seja a capa.

    ResponderEliminar
  7. um homem de extremos...
    nunca feliz nem satisfeito, sempre enfadado.
    morrerá triste e só, mesmo que acompanhado.
    Beijos Maria

    ResponderEliminar
  8. Há coisas que não interessam, mesmo...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A metáfora está lá, subjacente aos charutos, ao cube, aos homens..

      Beijos, Laura :)

      Eliminar
  9. Ora bolas, Maria, onde foi parar o meu comentário, do charuto e da cigarrilha?
    Se os sapatos forem apertados como há de o cavalheiro ter prazer no charuto?
    Há castingues que nunca deveriam ser feitos.
    Prontos! Não é a mesma coisa mas serve. Será que não se volatiza? Um bj.

    ResponderEliminar
  10. Não sei dele! Não o vi! Deve ter fugido com o fumo do charuto...
    Há homens que não são talhados para charutos.

    Beijinhos, Agostinho :)

    ResponderEliminar