quarta-feira, agosto 06, 2014

Ser ou parecer


 (Giambattista Valli FW'14 dress in the Spring, Summer '14 issue of Creem)

"Na competição em termos de prestígio apenas parece sensato tentarmos aperfeiçoar a nossa imagem em vez de nós próprios. Isso parece ser a forma mais económica e directa para produzirmos o resultado desejado. Acostumados a viver num mundo de pseudo-eventos, celebridades, formas dissolventes, e em imagens-sombra, nós confundimos as nossas sombras com nós próprios. A nós elas parecem mais reais que a realidade. Porque é que elas não deveriam parecer assim aos outros?"

Daniel J. Boorstin, in 'The Image. A Guide to Pseudo-Events in America'




20 comentários:

  1. Aos outros que nos olham no fundo dos olhos e nos vêem a alma.

    Beijinhos, Maria linda! :-)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Esses assustam um bocadinho...

      Beijinhos Marianos, querida Susana! :)

      Eliminar
  2. Ser...Sempre.
    José Mário Branco fez uma boa reflexão sobre esse assunto.Dizia ele que tínhamos uma sociedade do ser,que passou para a do ter e,finalmente,para a do parecer!
    Eu quero parecer o que sou!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Zé Mário é sábio. :)
      Não é nada fácil ser o que se parece...

      Beijinhos Marianos, Til! :)

      Eliminar
    2. Olá Til. Olá Maria. Onde posso encontrar a reflexão do José Mário Branco? Li-a uma vez num vídeo do youtube. Mas perdi-lhe o rasto.

      Eliminar
    3. Não sei a qual reflexão te referes. Dás-me uma pista?

      Eliminar
  3. Sei que pareço um ladrão...
    Mas há muitos que eu conheço
    Que não parecendo o que são,
    São aquilo que eu pareço.

    Antonio Aleixo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bem diz o povo que as aparências iludem!

      Beijinhos Marianos, Rogério! :)

      Eliminar
  4. Respostas
    1. Só revelam o exterior.

      Beijinhos Marianos, MA!

      Eliminar
  5. Quando alguém te diz ,
    que és algo , que sentes ...
    ... não ser .
    É um tormento passar ,
    pelo que sabes não ser ...
    e parecer que mentes .
    E não és mentiroso ,
    tu sabes que não ...
    Mas , parecer o que não és ,
    para além de doloroso ...
    é não saber se o que sentes ...
    que és ...
    ... será realidade ou imaginação .

    Quando alguém te diz que és ,
    o que sabes não poderes ser ...
    mas tentas , com todas as forças , parecer ...
    Ficas confuso , sem saber ...
    se serás ... ou és !

    Eu ? Não sei se sou ...
    mas quero ser ...
    ser , o que sou ,
    em troca do que posso parecer .

    Octávio Cunha

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É mesmo, Legionário!

      Beijinhos Marianos! :)

      Eliminar
  6. Mundo de aparências onde a nossa escolha deve ser determinante...por isso "Cântico negro"

    "Vem por aqui" — dizem-me alguns com os olhos doces
    Estendendo-me os braços, e seguros
    De que seria bom que eu os ouvisse
    Quando me dizem: "vem por aqui!"
    Eu olho-os com olhos lassos,
    (Há, nos olhos meus, ironias e cansaços)
    E cruzo os braços,
    E nunca vou por ali...
    A minha glória é esta:
    Criar desumanidades!
    Não acompanhar ninguém.
    — Que eu vivo com o mesmo sem-vontade
    Com que rasguei o ventre à minha mãe
    Não, não vou por aí! Só vou por onde
    Me levam meus próprios passos...
    Se ao que busco saber nenhum de vós responde
    Por que me repetis: "vem por aqui!"?

    Prefiro escorregar nos becos lamacentos,
    Redemoinhar aos ventos,
    Como farrapos, arrastar os pés sangrentos,
    A ir por aí...
    Se vim ao mundo, foi
    Só para desflorar florestas virgens,
    E desenhar meus próprios pés na areia inexplorada!
    O mais que faço não vale nada.

    Como, pois, sereis vós
    Que me dareis impulsos, ferramentas e coragem
    Para eu derrubar os meus obstáculos?...
    Corre, nas vossas veias, sangue velho dos avós,
    E vós amais o que é fácil!
    Eu amo o Longe e a Miragem,
    Amo os abismos, as torrentes, os desertos...

    Ide! Tendes estradas,
    Tendes jardins, tendes canteiros,
    Tendes pátria, tendes tetos,
    E tendes regras, e tratados, e filósofos, e sábios...
    Eu tenho a minha Loucura !
    Levanto-a, como um facho, a arder na noite escura,
    E sinto espuma, e sangue, e cânticos nos lábios...
    Deus e o Diabo é que guiam, mais ninguém!
    Todos tiveram pai, todos tiveram mãe;
    Mas eu, que nunca principio nem acabo,
    Nasci do amor que há entre Deus e o Diabo.

    Ah, que ninguém me dê piedosas intenções,
    Ninguém me peça definições!
    Ninguém me diga: "vem por aqui"!
    A minha vida é um vendaval que se soltou,
    É uma onda que se alevantou,
    É um átomo a mais que se animou...
    Não sei por onde vou,
    Não sei para onde vou
    Sei que não vou por aí!

    José Régio

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Haja carácter!

      Beijinhos Marianos, Maria! :))

      Eliminar
  7. É um problema que já vem do Cretáceo Superior : todos os julgamentos começam na aparência, nunca na essência.

    Beijo, Maria

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como sempre, um problema criado por nós!

      Beijinhos Marianos, JM! :)

      Eliminar
  8. Vivemos na Alegoria da Caverna. Poucos são os que conseguem ver a luz.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito poucos, Uvinha!

      Beijinhos Marianos! :)

      Eliminar
  9. Perceber o ser é mais difícil do que saber a aparência. A realidade nunca é o que devia ser :))
    Beijinhos Maria :))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nós também somos peritos na arte do disfarce...

      Beijinhos Marianos, I! :)

      Eliminar