quinta-feira, julho 31, 2014

Palavras


(Robert Doisneau)

Costumava trepar à oliveira sobranceira ao caminho de casa e ficar a baloiçar os pés, enquanto cantava a plenos pulmões. Tinham-lhe dito que a voz era boa e treinava sempre que podia. Afinal podia ser cantora, ora! De tanto repetir a mesma canção começou a cansar-se. Cantora? Pffffffff! Queria era ser arquitecta! O pai ria-se sempre quando dizia isso. 
Arquitecta? Diabo da rapariga que nem se dá com os números, é só romances e historietas dia e noite...Vais é para médica! Isso sim, é profissão bonita para uma mulher! Afinal também gostas de Ciências e fartas-te de fazer curativos à bicharada! Lembras-te, mulher, quando a danada se pôs a ressuscitar o coelho que tinhas acabado de matar para o jantar?
Aos treze anos descobriu Eça de Queirós. Bastou terem-na proibido de ler O Crime do Padre Amaro para ir à primeira estante onde o encontrou, numas férias em casa de uns tios, e zás! Foi o Padre, A Relíquia, os contos, e a obra toda que ali estava, encadernada a verde e dourado, mesmo a pedir que alguém lhe desse outro uso que não o de enfeitar a estante. Mais tarde iria reler esses livros com olhos de outro entendimento mas, naquele Verão, o som das palavras ficou-lhe na cabeça bem mais melodioso. Logo se viu nas notas dos testes de Português. Redacções com vocabulário excelente, dizia a professora, encantada. 
Menina, o que andaste tu a a ler? 
Eu, Sra. Professora? Uns romances muito antigos de que nem me lembro o nome.
E vinham-lhe à lembrança os calores da moça e do padre, agora que os catorze anos lhe despertavam uma certa inquietação no corpo.
Foi já aos quinze, quando os calores já não eram novidade e as leituras iam de vento em popa que decidiu não ser nem arquitecta, nem médica. Professora! Seria professora mas daquelas que falavam de livros, de histórias, de palavras. Uma sonhadora, a rapariga!



22 comentários:

  1. Palavra puxa palavra, uma ideia traz outra, e assim se lê um livro, se faz dela uma profissão, ou uma revolução, alguns dizem que assim é que a natureza compôs as suas espécies...!:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Só é pena que as palavras não construam o sonho tal qual o tivemos! ;)

      Beijinhos Marianos, Legionário! :)

      Eliminar
  2. [A Lavinia Meijer... Bravo!]
    E com estás palavras e a música, me arrancaste da passagem silenciosa, não menos respeitosa. :)
    Gostei muito!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. (É maravilhosa, não é?)
      Muito obrigada, Henrique!

      Beijinhos Marianos! :)

      Eliminar
  3. Nem sempre os sonhos de outrora, são os sonhos do presente. Mas é isso que nos faz caminhar. Sonhar diferente de ontem, e delinear novos projectos e sonhos.
    Respondi ao teu comentário, em modo post.
    Um beijinho Maria Tu!

    ResponderEliminar
  4. (não sei se lá foste entretanto, mas inicialmente não consegui que ficasse todo publicado. foi um piri-páque que lhe deu. agora sim, já lá está. é que se viste antes de estar completo, deves ter pensado "esta está parva, só pode..." que em boa verdade, nem era ofensa nenhuma... :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Rainha verde e redonda, tu não me ligues que eu sou mãe de um galaró que também me dá água pela barba! Pela barba salvo seja que os parcos pelos do queixo são prontamente arrancados ao despontar!
      E nunca te julgaria parva, ora!! :))) Fui só agora e já deixei resposta! :)))

      Beijinhos Marianos, Vossa Alteza! :)

      Eliminar
  5. As letras, as palavras, os livros! Todo um mundo maravilhoso onde o imaginário consegue ser tão maravilhoso que se mistura com a realidade :))
    Ensinar a amar as palavras é a melhor profissão do mundo :))
    Um beijinho Maria :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Aquela rapariga era uma rebelde! :)

      Beijinhos Marianos, I! :)

      Eliminar
  6. viajar sem sair do lugar... não há nada melhor!

    (é um lugar comum mas, é verdade!)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os lugares comuns existem de tanto serem verdade! :)))

      Beijinhos Marianos, Tétisq! :)

      Eliminar
  7. Tadinha da Amelinha...
    Vem até Leiria (boa gastronomia) conhecer o percurso do Crime do Padre Amaro.
    (Recentemente fez-se uma recriação histórica de Leiria no final do séc. XIX. Tirei algumas fotos podes espreitar no facebook.)
    https://www.facebook.com/rui.pascoal.31/media_set?set=a.10202072989652752.1073741831.1427404446&type=3

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Segui o teu conselho! Leiria rules! ;)

      Beijinhos Marianos, Rui! :)

      Eliminar
  8. Aos treze anos não descobri Eça, descobri, às escondidas, Pitigrili.
    O Eça foi um pouco mais tarde, e foi paixão à primeira vista! E continuo apaixonada.
    Belíssimo texto e linda imagem.

    Bom fim de semana, amiga.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Umas espevitadas, ambas! ;)
      Obrigada, Mariazita!

      Beijinhos Marianos e continuação de boas férias! :)

      Eliminar
  9. Boa tarde,
    Tudo o que é proibido é o mais apetecível, a proibição despertou novos sentidos de desenvolvimento, conseguiu descobrir o que realmente queria para o futuro, nem sempre é assim, são os pais que erradamente impõem que os filhos sejam isto ou aquilo, sem pensarem na liberdade de escolha que os filhos devem de ter para escolher o seu próprio futuro.
    Dia feliz
    AG
    http://momentosagomes-ag.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  10. Os sonhos são intemporais

    é por aí que vamos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É o que nos vale!

      Beijinhos Marianos, MA! :)

      Eliminar
  11. O teu tempo não deve ser longe do meu. No meu tempo o Canto IX não se lia e um padre de Moral que tive no 3º. ano, actual, 7º. só esteve na primeira aula, porque quando alguém lhe perguntou:
    - Porque motivo os padres não casam ?
    Ele respondeu:
    - Não pensem que é por serem capados, porque não são !! (rindo-se ).
    Alguém se chibou, porque já não apareceu na aula seguinte.
    Tempos da "outra senhora" !

    ResponderEliminar
  12. Desculpa, o mais importante esqueci-me, sabes gosto de queijo !
    Maria gostei da foto, do que li e do que ouvi !!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tempos absurdos e obscuros...
      Obrigada, Ricardo!

      Beijinhos Marianos! :)

      Eliminar