domingo, abril 21, 2019

Europa

Europe

Merely an idea bruising
the far horizon, as a cold mist tightens into rain –

but at dusk we still wait
by the Bay of Tangiers, on the old city walls, gazing northwards

till the night comes on,
and a necklace of lights gathers the throat of the sea.

The young men burn –
lonely, intent on resolving that elusive littoral

into a continent of promises
kept, clean water, work. If they stare hard enough, perhaps

it will come to them.
Each night, they climb these crumbling ramparts

and face north
like true believers, while the lighthouse of Tarifa blinks

and beckons,
unrolling its brilliant pavement across the pitiless Straits.






Europa

Nada mais que uma ideia lacerando
o horizonte distante, à medida que a névoa fria se condensa em chuva –

mas ao crepúsculo ainda esperamos
na Baía de Tanger, na muralha da cidade velha, contemplando o norte

até que a noite sucede,
e um colar de luzes cinge a garganta do mar.

Os rapazes ardem –
solitários, determinados em transformarem aquele litoral ardiloso

num continente de promessas
cumpridas, água limpa, trabalho. Se olharem laboriosamente, talvez

ele venha até eles.
A cada noite, eles sobem essas muralhas decadentes

e  encaram o norte
como crentes convictos, enquanto o farol de Tarifa pisca

e acena,
desenrolando o seu caminho brilhante sobre o implacável Estreito.


(Sarah Maguire traduzida por Maria Eu)


(Levon Minassian - Bab'aziz)

12 comentários:

  1. a Europa :)
    o sonho
    bonito teres traduzido
    difícil mas não impossível

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O sonho inicial...
      Não ficou perfeito, até já o alterei um pouco, mas deu-me gozo fazê-lo.

      Beijo, KK, e boa semana . :)

      Eliminar
  2. O farol de Tarifa
    pisca?
    Então...
    Ressuscitemo-nos
    uns aos outros
    de outra forma
    continuaremos mortos

    Seria uma Páscoa tão memorável
    quanto aquela
    que se comemora

    ResponderEliminar
  3. Um poema muito intenso e cheio de significado, este, de Sarah Maguire, que tão bem traduziu…
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Neste momento em que a Europa está cada vez mais ferida, achei um poema fortíssimo.
      Muito obrigada, Graça!

      Beijo e uma boa semana para ti, também! :)

      Eliminar

  4. Belo poema, a traduzir um sonho europeu.
    Boa segunda!
    Abraço!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um sonho pouco concretizado, Lua Azul!

      Boa semana!

      Beijinhos

      Eliminar
  5. Maria, escolheste um poema magnífico para o tempo.
    A paixão e morte cumpriram-se, cumprem-se a cada dia.
    E a ressurreição, onde e quando?

    O poema é um alerta,
    fortíssimo,
    como forte é a distância a
    separar os homens.
    Enquanto houver gente que se veste e
    despe de noite (ou de dia)
    para embarcar na esperança
    o Mundo não tem Europa
    nem a Europa Mundo
    nem paz

    Beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A Europa no fim da estrada de luz que termina em tanta escuridão.

      Beijinhos, Agostinho :)

      Eliminar
  6. Uma Europa em convulsão.
    Cansada de politiquice e a abraçar populismos e populistas.

    ResponderEliminar