segunda-feira, fevereiro 05, 2018

Asas contrafeitas

(Amy Judd)

Naquele tempo, aos homens bons era dado o dom de poderem ter asas. Era, pois, comum, verem-se homens alados em passeio pelas avenidas, nas salas de cinema (onde, note-se, tornavam a visão dos demais deveras difícil), nos supermercados, enfim, em todos os lugares.
Tudo parecia maravilhoso. Aqueles a quem cresciam asas resplandeciam, orgulhosos do atributo, e os que as não tinham procuravam comportar-se de maneira a atingirem a forma alada.
Não tardou, porém, que muitos se cansassem da monotonia das asas, todas tão brancas e, sobretudo, todas iguais. Começaram a pintá-las de cores diversas, a ornamentá-las com jóias e bordados, mal disfarçando os olhares de admiração e inveja quando algumas brilhavam  mais ao sol, ou se destacavam pela originalidade.
Pior do que essa ânsia de terem asas diferentes e melhores do que as dos outros, era o facto de já ninguém saber quais os critérios para que alguém pudesse tê-las. Tantas havia que chegava a ser difícil andar na rua em determinadas horas. 
Numa manhã fria de Fevereiro, a cidade acordou com a frase "Não às asas contrafeitas!" pintada por todos os muros. Nas caixas de correio, desabituadas de terem uso, um panfleto alertava para o logro do negócio das asas. Os homens bons, afinal, podiam nunca ter umas, enquanto outros, espertalhaços, conseguiam um par falsificado e se pavoneavam do alto da sua moral de pechisbeque. 


28 comentários:

  1. Chapéus há muitos... lá dizia o Vasco Santana no meio das *feras* do Zológico... E cabeças também, lá isso é verdade.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se não tapa a cabeça, não é chapéu.

      Beijinhos, Maria, e obrigada pela visita. :)

      Eliminar
  2. Jim Morrison dizia que death gives us wings.
    Aqui é mais life gives us wings.
    Gosto mais desta versão.
    Boa semana

    ResponderEliminar
  3. O Igual, aborrece-me. Será sempre o desigual a garantir-me voos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Depende do desigual... Tem que ser especial.

      Beijinhos, Eros :)

      Eliminar
  4. Se só tivessem asas os que as mereciam, haveria muitas asas contrafeitas por aí. Gostei da originalidade do texto.
    Uma boa semana.
    Beijos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É como as condecorações...

      Beijinhos, Graça, e obrigada! :)

      Eliminar
  5. Your music usually intoxicates me.
    Especially today's . . . I love Niklas Paschburg.
    Grateful, and distracted, as usual.
    xoxo

    ResponderEliminar
  6. Bela metáfora...

    Por mim, tenho guardadas mil penas me dadas por Dédalo.
    Sabendo como construir as asas, só me falta aprender a voar
    sem correr os riscos de Ícaro
    mas voarei, se tal for preciso

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas tu já tens asas. As do sonho pelo qual velas!

      Beijinhos, Rogério :)

      Eliminar
  7. As asas invisíveis aos materialistas são infalsificáveis. beijos

    https://ives-minhasideias.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E são essas que fazem voar.

      Beijinhos, Ives :)

      Eliminar
  8. Ícaro, segundo a mitologia grega, construiu asas artificiais a partir da cera do mel de abelhas e penas de gaivota para fugir do labirinto do Minotauro e, tomado pelo desejo de voar próximo ao Sol, viu suas asas derreterem, caindo para morte.

    É o que acontece, com quem insiste em voar com asas falsas.

    Bom dia, Maria:))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Falsificar asas não me parece sensato.

      Beijinhos, Legionário :)

      Eliminar
  9. sempre acreditei que há pessoas com asas, só que as deixam em casa, penduradas com os casacos é que deixaram de usar.
    é raro encontrar quem escreva como tu, Tu Tu!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo, Manel! Usam-nas durante a noite, em segredo.
      Obrigada!

      Beijocas, Stormy boy :)

      Eliminar
  10. Sempre me perguntei por que não nasci com asas... Tenho pouco de anjo e de "bom homem". apesar de ser um homem bom. Todo bom. Bom texto. ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um Patife com asas? Jasus! Miúdas, cuidem-se que agora o perigo vem do céu! :D

      Obrigada, caro Patife! :)

      Eliminar
  11. Agendado para amanhã tenho mais um boneco com asas. As asas e os voadores são um tema recorrente do meu imaginário. E lembro-me sempre do Magritte e este teu texto lembrou-me da "Saudade" do Magritte e lembrou-me o Wim Wenders.
    A música na corrente da que usaste para ilustrar a tua publicação também vale ser ouvida: Timewrap - Smoke Miash Tem qualquer coisa de procissão com crianças vestidas de anjinho e a banda a tocar, no início parece que se ouve uma galinha a sair de um quinteiro, passarinhos um cão, e volta-se a ouvir mais para o fim a galinha com a banda a despedir-se na distância.
    Não ligues se não comento tudo o que escreves como deveria. Beijinhos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Luís, tu comentas tão bem que os teus comentários são melhores do que os meus textos!
      Wim Wenders vem-nos sempre à memória quando há homens com asas, não é?
      Vou ouvir a música que sugeres. A descrição é uma delícia!

      Beijinhos :)

      Eliminar
  12. Espero que às mulheres também tenha sido dada divina graça, asas nas mãos, por exemplo, para escreverem sobre as asas dos homens ;)

    Um beijo, Maria poesia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas as mulheres são seres alados, não sabias? :)

      Beijos, menina-flor :)

      Eliminar