domingo, fevereiro 18, 2018

Menino


(Paul Bond)


Carlos envelhecera sem se dar conta. Ainda agora era o menino que corria em brincadeiras de esconde-esconde, soltava o pião e procurava tesouros escondidos na areia da praia.
O mar era já ali e o sol não precisava ser quente para entrar nas ondas mansas e ficar, boiando, olhos postos no céu, a sonhar com aventuras mil, voando com as gaivotas que rivalizavam com os farrapos brancos das nuvens.
Nada mudara. O mar e o céu, azuis de doer, o branco das gaivotas e das nuvens, ou a sua capacidade de sonhar. Sabia que havia rugas finas nos olhos que agora olhavam o céu e que os seus braços abertos abraçavam mais água, mas no seu coração corriam meninos, lutavam piratas, e havia beijos roubados na areia dourada.
E, de repente, o mar entrou-lhe em casa.




36 comentários:

  1. Ele ensinaria, se lhe pedíssemos, como se faz para que o mar nos entre em casa? :-)

    Que quadro tão bonito Maria TU

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acho que sim, noname! Só temos que o encontrar!

      Beijos :)

      Eliminar
  2. Retrato exato
    apenas o nome
    consta errado
    o meu não é Carlos

    ResponderEliminar
  3. O mar, o mar, sempre recomeçado.

    Bom Domingo Maria:))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É tão bom, ir até ao mar! Ainda mais seria se ele viesse ao nosso encontro.

      Beijinhos, Legionário :)

      Eliminar
  4. Ao princípio pensei ser um texto com o espírito do Mário Henrique Leiria. Bem se vê que a imagem tão à Magritte empurrou-me nesse sentido. Mas como tinha tropeçado em "soltava o pião e procurava tesouros escondidos na areia da praia" porque lera sAltava Ao pião e procurava tesourAs escondidos na areia da praia. Só o escondidos é que me alertou para a ramela sêca e todo o humor viscoso que me tolhia ainda a visão. Aclarei a perspectiva e então o texto pareceu um dramático lamento ecológico desta passagem que por cá fazemos e da impermanência de tudo. E paradoxalmente a constância que somos quando nos agarramos à memória e preferimos rever em vez de ver.
    Isto tudo para dizer que escrita assim que me suscite estes torvelinhos de interpretação além de ser estimulante só pode ser boa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A constância do que somos, sim! Rever pode ser um refúgio para fugirmos de ver o que menos nos agrada.
      A escrita? Tu é que tens uma imaginação extraordinária!

      Beijinhos, Luís :)

      Eliminar
  5. E, não nos entrando ele em casa, vamos nós adentrarmo-nos nele, onde, nesses momentos, mora a nossa casa.

    Beijinhos, Maryou :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nessa imensidão que serve de acalmia...

      Beijos, Lindona :)

      Eliminar
  6. "O mar entro em minha casa... e se fez real
    Em meus sonhos de menino viajante.
    O mar é meu companheiro errante,
    E agora é meu companheiro fiel e leal!"

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Corrigindo....
      "O mar entroU em minha casa... e se fez real
      Em meus sonhos de menino viajante.
      O mar é meu companheiro errante,
      E agora é meu companheiro fiel e leal!"

      Eliminar
    2. O mar sonhado consegue ser real.

      Beijinhos, PDR :)

      Eliminar
  7. Respostas
    1. Acho que sim. Tem-no nos olhos!

      Beijinhos, Luís :)

      Eliminar
  8. Deviamos poder brincar sempre, independentemente do tempo passar.
    Beijinhos Maria :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ter essa capacidade de tornar os sonhos realidade.

      Beijos, JI :)

      Eliminar
  9. o mar entrou-lhe em casa e fê-lo sentir criança de novo, esquecer os anos, a ruga ao canto do olho :)
    Beijinho Maria Tu

    ResponderEliminar
  10. O mar entrou-lhe em casa por permanecer sempre em seus sonhos...
    Um texto excelente!
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. o mar da infância...

      Obrigada, Graça, e os meus votos de uma excelente semana!

      Beijos :)

      Eliminar
  11. Excelente texto
    de um mar
    sem muros nem amos
    Bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O mar está onde o quisermos ver.

      Beijinhos e obrigada, MA :)

      Eliminar
  12. Fizeste-me lembrar o Al Berto: "curiosamente, hoje, ouve-se o mar como se estivesse dentro de casa. o vento deve estar de feição. a ressonância das vagas contra os rochedos sobressalta-me. desconfio que se disser mar em voz alta, o mar entra pela janela." ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Al Berto? Só mesmo no amor ao mar!
      Obrigada, Patife!

      Beijinhos :)

      Eliminar
  13. Terceiro blogue com o mar como tema hoje.
    Bom resto de semana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Talvez por ser tão bo como tema. :)

      Beijinhos, Pedro.

      Eliminar
  14. como se sabe que envelhecemos se o mar é sempre mar e o céu sempre eterno?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas nós não envelhecemos, o nosso corpo é que envelhece.

      Beijocas, Stormy boy :)

      Eliminar
  15. O fim no princípio: a música? Gosto muito do rapaz.
    No último parágrafo ficou o abanão que nos confronta (afronta?) com a ilusão de braços maiores. Mas, a água é sempre maior.
    Para que te escrevo eu isto, se podia simplesmente dizer-te que escreves muito bem?
    Bj.

    ResponderEliminar