quinta-feira, junho 26, 2014

Dos sonhos prosaicos


(Sebastião Salgado)

"(...) Quando, à primeira luz da manhã, o canto dos pássaros me despertava, ele já não estava ali (o avô), tinha saído para o campo com os seus animais, deixando-me a dormir. Então levantava-me, dobrava a manta e, descalço (na aldeia andei sempre descalço até aos 14 anos), ainda com palhas agarradas ao cabelo, passava da parte cultivada do quintal para a outra onde se encontravam as pocilgas, ao lado da casa. Minha avó, já a pé antes do meu avô, punha-me na frente uma grande tigela de café com pedaços de pão e perguntava-me se tinha dormido bem. Se eu lhe contava algum mau sonho nascido das histórias do avô, ela sempre me tranquilizava: "Não faças caso, em sonhos não há firmeza". Pensava então que a minha avó, embora fosse também uma mulher muito sábia, não alcançava as alturas do meu avô, esse que, deitado debaixo da figueira, tendo ao lado o neto José, era capaz de pôr o universo em movimento apenas com duas palavras. Foi só muitos anos depois, quando o meu avô já se tinha ido deste mundo e eu era um homem feito, que vim a compreender que a avó, afinal, também acreditava em sonhos. Outra coisa não poderia significar que, estando ela sentada, uma noite, à porta da sua pobre casa, onde então vivia sozinha, a olhar as estrelas maiores e menores por cima da sua cabeça, tivesse dito estas palavras: "O mundo é tão bonito, e eu tenho tanta pena de morrer". Não disse medo de morrer, disse pena de morrer, como se a vida de pesado e contínuo trabalho que tinha sido a sua estivesse, naquele momento quase final, a receber a graça de uma suprema e derradeira despedida, a consolação da beleza revelada.(...)"

Extracto do Discurso de José Saramago na Academia Sueca



Não há quem não sonhe. Podem, até, ser sonhos que nos pareçam prosaicos, como ir a Lisboa ver os jacarandás em flor, ou passear de mãos dadas junto ao Tejo. Podem, mesmo, não passar de sonhos como ter um dia seguinte mais claro, ou comer uma sopa de peixe. 
Não há quem não tenha sonhos, ainda que prosaicos.

10 comentários:

  1. Quem é que nunca acordou para dentro..?

    Boa tarde, Maria EU

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há sempre um acordar do avesso para sonhar! :)

      Beijinhos Marianos, JM, e boa noite! :)

      Eliminar
  2. O sonho comanda a vida. É cliché, mas é tão verdade.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. mUito verdade! Ia ser muito triste, uma vida só com a realidade!

      Beijinhos Marianos, Uvinha! :)

      Eliminar
  3. Sobre os sonhos podíamos fazer todos juntos um blogue inteiro e mesmo assim não ia ficar completo.
    Essa frase da avó do Saramago acompanha-me há anos, fez eco dentro de mim e continua a soar.
    (tentei enviar-te uma fotografia dos jacarandás que estão ali a olhar para o rio da base do Parque Eduardo VII, os parvos, via google, mas como sou muito jeitosa, só enviei a intenção. Quem sabe para o ano cumpres esse sonho, prosaico, mas tão bonito.
    Beijinhos, Maria sonhadora! :-)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Era lindo, um blog coletivo só com sonhos! :))
      A frase é simples mas cheia de significado. Adoro!

      (Conta a intenção. Mimo é mimo, com ou sem flores. E quem sabe ainda vejo esses jacarandás sem se nas fotos?)

      Beijinhos Marianos, Susaninha, e bom fim de semana! :))

      Eliminar
  4. Boa noite,
    Sonhar dormir ou acordado é comum a todos, o difícil é concretiza-los.
    Uma vez li mais ou menos o seguinte e nunca mais esqueci seguinte, "a vida é mais que um sonho, sem sonho, não há vida."
    Dia feliz
    AG
    http://momentosagomes-ag.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Adoça a vida, o sonho!

      Beijinhos Marianos, AG! :)

      Eliminar
  5. Não te ligo hoje, mas não me posso desligar deste trecho do discurso de Saramago.
    Disse o mesmo que eu diria, sem que a circunstância, por bem diferente, importe (embora me ache com direito a ser nobilizado). É que esse seu avô foi meu avô, e essa avó dele também foi a avó minha, e ambos somos irmãos de Sebastião Salgado. Não acredita? Mas ninguém me impede de ter um sonho, também... prosaico.

    PS: Escrevi no meu espaço, semanas a fio, "Homilias dominicais, citando Saramago), e ainda hoje me penalizo por ter parado...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Permitam-nos os sonhos já que a realidade não é por aí além!

      Beijinhos Marianos, Rogério, e venham mais "Homilias"! :)

      Eliminar