quinta-feira, abril 26, 2018

Abril





azul
gaivotas famintas longe
longe do mar

vermelho
cravos sem armas
aos ombros

sal, sangue, grito
ABRIL




24 comentários:

  1. Parece-me que hoje, mais do que nunca, importa defender o património da liberdade.

    Um abraço, querida Maria Eu.

    ResponderEliminar
  2. Cravo mais um cravo vermelho neste chão

    ResponderEliminar
  3. Hoje em dia parece mentira que tenha havido tantos anos de 24 de Abril

    ResponderEliminar
  4. Bom dia. Beleza de imagem e texto :))


    Hoje:- Eis a fonte que nos alimenta alma

    Bjos
    Votos de uma boa Quinta-Feira

    ResponderEliminar
  5. Infelizmente actualmente, em Abril está cheio o covil:(

    Bom fim-de-semana, Maria:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ainda assim, prefiro este Abril em que sabemos e denunciamos.

      Beijinhos, Legionário :)

      Eliminar
  6. A TV reproduziu cerca de 2´do desfile.
    Entrevistou quem lhe parecia mais bizarro
    e deu ênfase a um senhor grego
    que por lá andava, com um cravo.
    Dizia a pivot que comentava
    ser a maior atração
    da manifestação

    e esqueceu o povo
    muitos mil
    e
    tanta juventude
    índios
    como os de meia-praia
    de que nos canta o Zeca
    cada qual com seu tijolo
    mas agora
    p´ra construir um Abril novo

    eu sei
    estava lá
    participei

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E como é bom fazer Abril!

      Beijinhos, Rogério :)

      Eliminar
  7. Excelente poema de homenagem a Abril, ao dia da Liberdade.
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Graça!
      Abril é sempre de celebrar!

      Beijinhos :)

      Eliminar
  8. Que aos ombros se leve apenas a certeza do voo e da imensidão da terra e do mar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que coisa tão bonita de se dizer, Boop!

      Beijinho e obrigada pela visita. :)

      Eliminar
  9. Os lutadores são feitos de Abril, tenho a certeza. Beijinho Maria

    ResponderEliminar
  10. Gostei tanto do cantar
    E já o maio a amadurar

    Entretanto papoilas rubras
    E o pão a ondear as vozes
    Que o hão-de ceifar ouro

    Bj.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E como ficou bem, no coro, a tua voz!

      Beijinhos, Agostinho. :)

      Eliminar