domingo, março 04, 2018

Da noite dolorosa

(rhythm of pain Painting by Bing Lk)

Sabia-se perecível. Os sinais estavam todos lá. Noites pintadas a negro com laivos laranja de dor, os nervos, tensos, em miados silenciados por garras na garganta. Enrolava-se numa bola, os joelhos de encontro ao peito, abraçados, como a um amante prestes a despedir-se de uma noite de amor desvairado.
A madrugada costumava vir de rompante, cegando-a, por mais débil que fosse a luz. Esperava pela manhã cerrando os olhos com força, alimentando-se da amargura das horas vazias e, ao toque do despertador, sacudia o corpo, lavava a alma juntamente com ele, maquilhava ambos e saía para trabalhar.

18 comentários:

  1. Respostas
    1. Parece-me um bocadinho pior do que insónia.

      Beijinhos, Gil :)

      Eliminar
  2. Respostas
    1. Acontece a (quase) todos, não é, GM?

      Beijos :)

      Eliminar
  3. Quando pressinto
    que me vai acontecer isso
    Reúno Minha Alma e Meu Contrário
    (que te lembro ser meu juízo)
    E faço-os aceitar o compromisso
    de me libertarem o corpo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas são obedientes, a tua Alma e o teu Contrário!

      Beijinhos, Rogério :)

      Eliminar
  4. Uma maneira de escrever única.
    Que reflecte uma imaginação única também.
    Boa semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada, Pedro, pelas tão gentis palavras!

      Beijinhos :)

      Eliminar
  5. rhythm of pain
    dor
    compassada regular. previsível. ritmada
    ou quando calha?

    Entre as duas, escolha não



    Ninguém se despede dum amor desvairado
    pura e simplesmente acaba

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Depende da dor. Tantas vezes previsível e outras tantas quando calha!

      Beijinhos, Luís :)

      Eliminar
  6. O exílio do imaginário é que é uma longa insónia. ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E difícil, esse exílio!

      Beijinhos, Patife :)

      Eliminar
  7. Há manhãs que matam porque nos obrigam a renascer maquilhadas, a amanhecer camuflando a noite que não sabemos, nem conseguimos, acabar em nós.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Essas manhãs dolorosas, mas que acabam por ser sucedidas por outras manhãs, dolorosas ou não.

      Beijos, Olvido :)

      Eliminar
  8. Uma publicação fascinante. Adorei.

    Hoje: - {Poetizando e encantando} ...Promessas
    .
    Bjos
    Votos de uma feliz Terça-Feira.

    ResponderEliminar
  9. Respostas
    1. Grata pelas tuas palavras, Agostinho.

      Beijos :)

      Eliminar