sábado, julho 21, 2018

Viagem perfumada



O rapaz vestido de Hugo Boss e Guess, tirou o portátil da mala Mont Blanc, colocou-o em cima da mesa ao lado de dois telemóveis topo de gama, tapou os ouvidos com uns auriculares Sennheiser e desligou do mundo, rindo de vez em quando para o écran. Tinha subido em Coimbra e deixara um rastro de Terre D'Hèrmes pela coxia.
Em Aveiro, a rapariga rescendendo a banho recente com gel de frutos vermelhos, de vestido solto, florido, e sandálias rasas, apressou-se, bilhete na mão e mochila de cor indefinida às costas, até encontrar o lugar frente ao rapaz high tech que nunca mais olhou para o computador, sorrindo, encantado, para a nova companheira de viagem.
Apearam-se na mesma estação. Quem sabe apanharam o mesmo táxi?


13 comentários:

  1. Não, seguiram no mesmo drone

    (esta era a canção da minha adolescência)

    ResponderEliminar
  2. ...quem sabe apanharam um UBER?

    Bom dia, Maria:D

    ResponderEliminar
  3. Tão lindo, Maria!!!

    Beijinhos rescendendo...

    ResponderEliminar
  4. Talvez... Dizem que os opostos se atraem :)

    ResponderEliminar
  5. Ao ler o teu texto lembrei-me de Antes de Amanhecer, de Richerd Linklater. É bem possível que tenham apanhado o mesmo taxi :)

    ResponderEliminar
  6. O perfume da escrita é inebriante.
    Boa semana

    ResponderEliminar
  7. A rapariga foi atraída pelo perfume porque as roupas de marca não lhe diziam nada…
    Excelente!
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  8. Maria,
    levantei a tampa do portátil
    e cegou-me fundo
    o azul florido
    a impressão de que me confundo
    no comboio da história
    se o florido é céu ou vestido

    Dias felizes.

    ResponderEliminar
  9. Parece um guião muito convincente para um filme publicitário da Hermès.
    Lembrei-me que o Lampião, um famoso cangaceiro que foi morto nos anos trinta, segundo o relato de um dos seus perseguidores, era seguido a distância na mata fechada e sem visibilidade devido ao rasto de perfume que deixava. O Lampião mandava vir perfume de Paris e perfumava-se abundantemente. Se calhar era perfume da Hermès.
    Beijinhos Maria!

    ResponderEliminar
  10. Acho que tinham marcado encontro numa rede social. Tinham combinado encontrar-se num café perto da igreja, ali ao lado do café Paris. Foi o que aconteceu.
    Não, não apanharam o mesmo táxi, mas queres crer que se encontraram?
    Pois foi ;)
    Beijos

    ResponderEliminar