sexta-feira, novembro 17, 2017

As lágrimas da cebola

são as mulheres que


são as mulheres que

fazem chorar as cebolas

como se descascassem a própria vida

e, arredondando-se então, descobrissem

um corpo, o seu

uma vida, a sua

e, no entanto, nada que de verdade

pudessem seu chamar

ou talvez sim, mas só

aquela gota de água salpicando

um canto do avental onde

desponta uma flor de pano colorida que

ainda ontem ali não ardia


Bénédicte Houart, julho de 2010 © Bénédicte Houart



("Descascando Cebolas" - Lilly Martin Spencer)  daqui


Maceradas, as mãos que seguram a faca cortam, primeiro, para puxarem uma casca, depois outra, e outra e mais outra. Despem, aos poucos, a polpa branca e ácida das defesas cor de fogo. Ardem-lhe os olhos, à mulher das mãos maceradas. Supõe-se que seja da acrimónia do fruto quando nu. Ninguém percebe que é ela, avental visível numa flor gritante, ela é que está nua. Ninguém, senão ela, sente o frio do aço.


36 comentários:

  1. Sabes?!
    É talvez por isso que a minha Teresa me chame à terefa
    "Pica-me a cebola", diz-me ela
    E eu assim faço
    sentido eu, também, o frio do aço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Lágrimas partilhadas.

      Beijinhos, Rogério :)

      Eliminar
  2. Uma maravilha este trabalho.
    Duas interpretações de uma realidade amarga, ácida, com que a mulher se confronta (também o homem padece) depois dum período de inocência. A cebola é um símbolo forte que encerra uma crueza atroz que cada um conhece e experimenta sem conseguir exprimi-la por palavras. Mas sabe que a frustração, o sofrimento se lhe apresenta camada a camada.
    Bj.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "How many masks wear we, and undermasks."
      Somos feitos de camadas. Saber/querer despi-las não é fácil.

      Beijinhos, caro Agostinho e obrigada. :)

      Eliminar
  3. Há dias em que o "melhor disfarce" é cortar cebola...

    Bom dia, Maria:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Misturar lágrimas...

      Beijinhos, Legionário :)

      Eliminar
  4. As cebolas também choram...
    Magnífico post, gostei imenso.
    Bom fim de semana, Maria.
    Beijo.

    PS: já há muito tempo que não vinha aqui. E gostei.

    ResponderEliminar
  5. As cebolas é que me fazem chorar a mim!

    Isabel Sá
    Brilhos da Moda

    ResponderEliminar
  6. Gosto da Bénédicte, gostei da Lilly, gostei da Denise Gomes de onde veio a cebola e gosto do que escreves e partilhas.
    Quando descasco cebolas, muitas, o truque é colocá-las num alguidar com água antes de descascar e noutro depois de descascar. Quando pico cebolas, muitas, o truque é o mesmo as mãos e a faca têm de estar sempre molhadas. É claro que ao fim de uns quilos tenho de me ir assoar. Isto não vem a propósito, mas ainda assim.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E eu gosto deste teu comentário, assim tão em bom, tão a ensinar coisas. Sempre vem a propósito ensinar.
      Quando se chora, mesmo que sem descascarmos cebolas, temos sempre que nos assoar...

      Beijinhos, Luís :)

      Eliminar
  7. Olá boa tarde

    Gostei muito do seu blogue. Tomei a liberdade de o linkar no meu a fim de em futuras publicações o poder comentar com maior propriedade, e fiquei seguidor
    .
    Deixo saudações poéticas
    .

    ResponderEliminar
  8. Boa tarde . Lindo, maravilhoso poema :)

    Bjos
    Fim de semana feliz.
    Hoje, no nosso blogue, um pequeno texto sobre gratidão.
    https://brincandocomaspalavrass.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  9. Ambas, cebola e mulher, choram quando ficam nuas, despidas da sua pele.. Beijos Maria

    ResponderEliminar
  10. Não consigo comer cebolas inteiras
    só às rodelas
    e não me fazem chorar
    Perdoe o desaforo


    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há cebolas doces, pequenas, que nem precisam ser cortadas para se comerem.

      Beijinhos, MA :)

      Eliminar
  11. Um poema muito belo de Bénédicte Houart. Um texto excelente também.
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gostei que gostasses, Graça!

      Beijos e obrigada :)

      Eliminar
  12. je l'aime pas la cuisine
    as poucas vezes que pego em cebolas
    não me fazem chorar.
    acho que é raro.
    sem ser com cebolas, sou uma rapariga de choro fácil.
    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nem amo, nem detesto. Cebolas? Gosto! Chorar? Sim, de alegria, de tristeza, até com filmes, músicas, sei lá...

      Beijos, KK :)

      Eliminar
  13. Sou chegado à cozinha. Aprendi e pratico: para não chorar, neutralizar o gás do "ácido sulfênico", há três maneiras. 1. cortar com faca super afiada que não rompa as enzimas. 2. cortar perto de água corrente para o gás ser absorvido pela água. 3. O mais eficiente: por a cebola no congelador por alguns minutos que o frio impede a volatilidade do tal ácido e ele não se transforma em gás. Grande abraço. Laerte.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Laerte, eu encho a boca com água e assim não choro ao descascar cebolas. dá resultado.
      :))

      Eliminar
    2. Manual de instruções para cortar cebolas muito minucioso! :)

      Beijinhos a ambos :)

      Eliminar
  14. Maria,
    adorei este post no seu todo.
    está excelente.
    beijinhos e boa semana.:)
    Ana.

    ResponderEliminar
  15. Uma mulher nunca chora. Simplesmente deixa os seus sentimentos fluírem através da pura água que tem nos olhos.

    .
    Deixo saudações poéticas
    .

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Forma poética de descrever...

      Beijinho, Gil :)

      Eliminar
  16. I think about you all the time.
    And I love when you touch base.
    xoxo

    ResponderEliminar