quinta-feira, março 16, 2017

Despedida

(Edvard Munch)

- O meu pai é bonito, não é?
Clara acenou que sim num movimento pouco convincente, dada a circunstância. O homem, num fato escuro, camisa branca e gravata de riscas azuis, com uma flor na botoeira, jazia, hirto, num caixão pejado de flores. 
Percebeu melhor a perda dela no dia seguinte, vendo-a desorientada na casa grande, abrindo e fechando portas e gavetas, olhando as fotografias emolduradas espalhadas pelos móveis. 
- Não sei! Não sei arrumar as coisas deles!
As da mãe continuavam ali, depois de  cinco anos. O frasco de perfume favorito quase vazio, o bâton cor de rosa, as malas alinhadas por tamanho, as roupas... Tinham acompanhado as do homem bonito que a amara, quem sabe tocando-se pela calada da noite, numa mistura de fragrâncias rescendendo a flores e a cedro.
- Amanhã! Amanhã venho ver das arrumações! Como é que os separo aos dois? Como é que me separo dos dois?
Clara abraçou-a longamente, sem palavras. Depois, fechando a porta à chave, saíram para o sol, de braço dado.


35 comentários:

  1. Não é fácil arrumar as vidas que partiram.

    ResponderEliminar
  2. Biber's sonata is a beautiful, tragic accompaniment to this dreadful Munch painting.
    Wonderfully matched, my dear.
    😘

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Death is never easy to cope with, Rick!

      Kisses :)

      Eliminar
  3. O Sol presente na última frase faz todo o sentido. Por vezes, é necessário abrir as gavetas ao Sol... precisam de respirar... espreguiçar...

    Beijo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Sol tem poderes curativos, literal e figurativamente, Eros.

      Beijinhos :)

      Eliminar
  4. Todas as decepções são secundárias. O único mal irreparável é o desaparecimento físico de alguém a quem amamos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sem dúvida, Legionário! É duro perder alguém que amamos!

      Beijinhos :)

      Eliminar
  5. "Não saberei nunca
    dizer adeus

    Afinal,
    só os mortos sabem morrer"
    (...)

    Mia Couto/Poema de despedida

    Um beijinho, querida Maria

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os vivos sofrem com as partidas dos que amam. Muito.

      Beijos, querida Miss Smile :)

      Eliminar
  6. É sempre duro. E nunca sabemos como dizer adeus...

    ResponderEliminar
  7. Respostas
    1. Pois... É muito difícil, Manel.

      Beijinhos :)

      Eliminar
  8. Nenhuma despedida é igual à outra
    mas as ausências, essas sim
    sentem-se quase iguais

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sentem-se fundo, sim!

      beijinhos, Rogério :)

      Eliminar
  9. Nem sempre perdemos as pessoas para a morte... Temos sempre que sacudir a poeira do que elas deixaram pra trás. Amei.
    lua-de-carmim.blogspot.com

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ficam as coisas boas para recordar.

      Obrigada pelas palavras, Lua de Carmim :)

      Eliminar
  10. Há muito quem recuse aceitar a partida de um ente querido.
    Bfds

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Dar um tempo, Pedro. Às vezes é preciso...

      Beijinhos :)

      Eliminar
  11. É tão difícil ver partir os que amamos
    Kis :=}
    BFSEMANA

    ResponderEliminar
  12. Gosto de Munch, mas o tema morte é algo que não gosto, embora seja inevitável !
    A música de câmara vou ouvindo um pouco de cada vez !

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Por mais que lhe fujamos, ela está lá. Eu também fico com um nó na garganta, mas tento, devagar, aceitá-la.

      Beijinhos, Ricardo, e obrigada :)

      Eliminar
  13. Como este texto me tocou Maria :) Beijinho

    ResponderEliminar
  14. Dói muito dizer adeus a quem amamos.
    Gostei muito de ler.

    Beijinho.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Dói sempre muito.
      Obrigada!

      Beijos, Sofia :)

      Eliminar
  15. Já despedi-me de muitas pessoas queridas, entre eles o meu pai, triste, bjs amiga

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Perder quem se ama dói mais do que muito.

      Beijos, Zulmira :)

      Eliminar
  16. É uma grande mágoa quando a extrema orfandade nos atinge. Um texto muito comovente.
    Uma boa semana.
    Beijos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Privados da infância, de uma parte do nosso crescimento.

      Beijos, Graça, e muito obrigada :)

      Eliminar
  17. Quando comecei senti,
    ao ler pressenti.
    Momentos. Horas há,
    na desarmonia dos gestos,
    em que a gente se confronta,
    em que o sentido das coisas
    se intranquiliza,
    em que os sentimentos
    se desemparelham
    no vazio deserto
    que fica em nós.

    Deixo um bj, Maria.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vazios cheios de memórias.

      Beijos, Agostinho, e obrigada :)

      Eliminar