segunda-feira, agosto 07, 2017

Viagem de comboio

(Fanny Nushka, in Saatchiart)

O anúncio sonoro da chegada do comboio despertou-a do torpor ensonado da espera de mais de vinte minutos. Um frenesim apoderou-se dos passageiros em espera. O ruído das malas a rodar fazia lembrar metralhadoras. Carruagem 5, lugar 83, janela. Acomoda-se rapidamente, puxa a mesa do suporte, retira o livro da bolsa e, antes que o consiga abrir, um rapaz nos seus dezoito, barba crescida, cabelo rebelde, óculos de massa e vestuário "certinho", atira-se, literalmente, para o seu lado, enquanto acomoda um saco de dimensões consideráveis por baixo do banco da frente. Os esforços para encaixar o volumoso objecto são acompanhados de uma espécie de resfolegar e gestos largos. Tão largos que a obrigam a encolher-se de encontro à janela qual mosca indesejada. Apaziguado, o rapaz saca de um embrulho gorduroso e faz aparecer um hambúrguer que seria devorado enquanto o diabo esfregava um olho. Inclina-se para o saco que ainda há pouco se esforçara para acomodar espetando-lhe o cotovelo esquerdo repetidamente na cintura. Não conseguira colar-se à janela devidamente, pelos vistos. De nada valeram os olhares mortíferos ou os suspiros profundos e desaprovadores. O jovem mergulhara no telemóvel e os phones tornavam-no surdo. Mais de duas horas depois e, seguramente, umas nódoas negras por baixo da blusa branca de tanta agitação cotovelar, o pequeno selvagem levantou-se de um salto ao anúncio da próxima estação e puxou o saco com tanta violência que o fez estatelar-se no corredor. Mesmo dorida das cotoveladas, Clara desatou às gargalhadas. Afinal, não seria a única a levar umas mazelas da viagem.

18 comentários:

  1. Diga à Clara
    que o coitado
    foi vitima de mau olhado
    (à nascença, claro)

    ResponderEliminar
  2. Sou neto de ferroviário e grande entusiasta de viagens de comboio.
    Um dos projectos a cumprir é uma viagem no Expresso do Oriente.
    Boa semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se cumprir esse sonho tem que nos contar a experiência!

      Beijinhos,Pedro:)

      Eliminar
  3. Adoro andar de comboio, mas reconheço que nem sempre as pessoas que nos calham ao lado são as melhores... Gostei da narrativa.
    Uma boa semana.
    Beijos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Percalços de viajante. :)

      Beijinhos, Graça, e obrigada.

      Eliminar
  4. Obrigado pela apresentação ao trabalho de Fanny Nushka :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tem coisas muito interessantes.

      Beijinhos,Miguel:)

      Eliminar
  5. Quando era ainda estudante fazia imensas viagens de comboio aos fins de semana, Lisboa-casa-Lisboa, era mais barato mas demorava horas. Foram tantas as aventuras :-)

    ResponderEliminar
  6. hehehe
    Também me fizeste rir com o desfecho!
    Mas uma coisa te asseguro... eu não sou essa Clara... pois eu teria "espingardado" logo à primeira cotovelada! :D

    Gostei também imenso da tela que escolheste... e quanto ao vídeo, vou ver se o mostro à minha mãe para ver se ela reconhece tanta estrela da época dourada da meca do cinema! :)

    Beijinhos sem cotoveladas
    (^^)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tu ferver em pouca água! :)

      Beijocas sem resmunguices.

      Eliminar
  7. Maria, uma viagem comboio pode ser uma das formas mais satisfatórias de introspecção, ou não :)))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Com parceiros inconvenientes podem ser uma grande chatice!

      Beijinhos, Legionário :)

      Eliminar
  8. É uma questão de sorte, ou, então, comprar os lugares todos da carruagem.
    É o lado mau do colectivo quando a insensibilidade se estranhou no ego do egoísmo.
    Bj.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se é, Agostinho! Uma lição de civilidade teria feito bem ao rapazinho.

      Beijinhos :)

      Eliminar