quinta-feira, abril 06, 2017

Micas

(Pierre Bonnard)

Micas espreguiçou-se dengosamente. O sol viera cedo, e a vida entrava-lhe toda pela janela dentro em cheiros (torradas, café, flores, relva cortada, perfumes almiscarados e frutados), ruídos (risos, conversas, motores em andamento e em travagens, chilreios nos mais diversos tons) e cores (o azul claríssimo do céu pincelado do branco das nuvens). Sentiu-se particularmente tentada a debruçar-se na janela e ver o fervilhar da rua primaveril. Saltou para as costas do sofá amarelo e sentou-se no parapeito já aquecido pela temperatura amena, o pêlo dourado e brilhante refulgindo como âmbar.
-Micas! Micas! chamou uma voz doce de menina.

- Deve ser a Clarinha! pensou Micas. E, num salto ágil e elástico, voltou ao chão, ronronando até às mãos ternas da dona.


22 comentários:

  1. You are amazing.
    Our musical lives have crossed in so many ways.
    I love the recordings of Anoushka, especially the recent ones.
    Thanks for sharing.
    I was hired to accompany Ravi Shankar in his early US tours, to photograph
    him, to know him. Until his death, we were in touch.
    So relaxing to hear them still.
    Warm kisses.
    Rick

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. You've had a very interesting life, Rick!
      The Shankar family is fantastic, and Anoushka honours her father by playing his "kind" of music with a depth that goes beyond the notes and chords.

      Kisses, Rick :)

      Eliminar
  2. Dá-lhe um novelo é vais ver
    o que vai acontecer


    ResponderEliminar
    Respostas
    1. quem sabe uma "cama de gato"?

      Beijinhos, Rogério :)

      Eliminar
  3. Uma gata muito sossegada e obediente.
    Bfds

    ResponderEliminar
  4. Quando uma mão é mais aconchegante que mil sóis.

    Beijo, Maria.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Apetecem, essas mãos. Até a nós, não é?

      Beijos, Eros :)

      Eliminar
  5. Gato que brincas na rua
    Como se fosse na cama
    Invejo a sorte que é tua
    Por que nem sorte se chama

    Bom servo das leis fatais
    Que regem pedras e gentes,
    Que tens instintos gerais
    E sentes só o que sentes.

    És feliz porque és assim,
    Todo o nada que és é teu.
    Eu vejo-me e estou sem mim,
    Conheço-me e não sou eu

    Fernando Pessoa


    Bom fim-de-semana, Maria:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quem nunca invejou um gato, orgulhoso, de olhar felino? Pode ronronar a um carinho, mas nunca se dobra.

      Beijinhos, Legionário :)

      Eliminar
  6. A Micas, por certo
    felpuda, por certo
    ociosa, esperava
    duma mão, mesmo sombra,
    afagos na barriga.

    Bj, Maria.

    ResponderEliminar
  7. Muito bom Maria ! Gostei da Micas, do texto e do excelente da Anoushka Shankar. Filha de peixe sabe nadar !

    ResponderEliminar
  8. Gostei do texto e da Micas...
    Uma boa semana.
    Beijos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E a Micas ia gostar de ti, Graça, certamente! :D

      Beijinhos :)

      Eliminar