terça-feira, março 28, 2017

Filmes a ver

SAINT GEORGE (São Jorge, 2016) by Marco Martins [Trailer] from Richard Lormand on Vimeo.


Fica um gosto amargo na boca, uma dor que parece nossa, que é nossa. Há uma Lisboa que não é a que amas, a que visitas pela luz, pela cor, pela beleza que te entra olhos dentro logo que avistas a gare do Oriente. Há uma solidão que fere, uma miséria que trespassa qualquer aparência, os ossos à vista. E depois, há um homem que carrega tudo isso num trabalho admirável: Nuno Lopes, em São Jorge, de Marco Martins.

domingo, março 26, 2017

Chama

(Ron Hicks)

De seda, os lábios
rubros
De linho, as mãos
nevadas
Em uníssono, ardem
noutros lábios,
noutras mãos

Juntos, feitos chama.


terça-feira, março 21, 2017

Embalo


Clara amanhecera cedo, por isso, deixara-se ficar na quentura dos lençóis até que o toque estridente do despertador soasse. Da rua, chegam-lhe chilreios alegres dos pássaros que ocupam, sem pagarem renda, as copas das árvores que lhe (s)ombreiam a janela do quarto, à mistura com o ruído difuso dos motores de um ou outro automóvel madrugador. De súbito, uma voz feminina entoa uma canção. Apura o ouvido, já que a acoroçoada melodia de gorjeios torna difícil distinguir a cantiga. Por fim, consegue! A voz clara e límpida ergue-se numa canção de embalar.

Dorme meu menino a estrela d'alva
Já a procurei e não a vi
Se ela não vier de madrugada
Outra que eu souber será pra ti
Ô, ô, ô, ô, ô, ô, ô, ô, ô, ô, ô, ô

Outra que eu souber na noite escura
Sobre o teu sorriso de encantar
Ouvirás cantando nas alturas
Trovas e cantigas de embalar
Ô, ô, ô, ô, ô, ô, ô, ô, ô, ô, ô, ô

Trovas e cantigas muito belas
Afina a garganta meu cantor
Quando a luz se apaga nas janelas
Perde a estrela d'alva o seu fulgor
Ô, ô, ô, ô, ô, ô, ô, ô, ô, ô, ô, ô

Perde a estrela d'alva pequenina
Se outra não vier para a render
Dorme quinda à noite é uma menina
Deixa-a vir também adormecer
Ô, ô, ô, ô, ô, ô, ô, ô, ô, ô, ô, ô


Bela, a canção do Zeca no feminino! Sorriu e desligou o despertador. Afinal, há sons melhores para começar o dia!




quinta-feira, março 16, 2017

Despedida

(Edvard Munch)

- O meu pai é bonito, não é?
Clara acenou que sim num movimento pouco convincente, dada a circunstância. O homem, num fato escuro, camisa branca e gravata de riscas azuis, com uma flor na botoeira, jazia, hirto, num caixão pejado de flores. 
Percebeu melhor a perda dela no dia seguinte, vendo-a desorientada na casa grande, abrindo e fechando portas e gavetas, olhando as fotografias emolduradas espalhadas pelos móveis. 
- Não sei! Não sei arrumar as coisas deles!
As da mãe continuavam ali, depois de  cinco anos. O frasco de perfume favorito quase vazio, o bâton cor de rosa, as malas alinhadas por tamanho, as roupas... Tinham acompanhado as do homem bonito que a amara, quem sabe tocando-se pela calada da noite, numa mistura de fragrâncias rescendendo a flores e a cedro.
- Amanhã! Amanhã venho ver das arrumações! Como é que os separo aos dois? Como é que me separo dos dois?
Clara abraçou-a longamente, sem palavras. Depois, fechando a porta à chave, saíram para o sol, de braço dado.


segunda-feira, março 13, 2017

Imperfeita perfeição

(Nadia Beltei)

De onde advém a perfeição da junção de dois corpos imperfeitos? De onde, senão da súbita e intensa luz de que são tomados na beleza da entrega?


quinta-feira, março 02, 2017

Saudade do que não foi

(daqui)

Deu por si a pensar que a saudade é estranha. Sentia saudade de tudo o que não tinha feito com ela. Dos lugares que não tinham visitado, das vezes em que não se tinham beijado, das palavras doces que não tinham dito, dos sonhos que não tinham partilhado. 
Olhou-a com ternura e entrelaçou os dedos nos dela.